Login do usuário

Aramis

Artigos por data (1985 - Fevereiro)

De Heddy ao Lobo, ciranda no Inacem

Heddy Lamar foi eleita, em democrático pleito, para representar o Paraná num importante órgão de classe: o Conarc - Conselho Nacional das Artes Cênicas, criado no final do III Encontro Nacional das Artes Cênicas, recém-encerrado na Aldeia de Arcozelo, Estado do Rio. Heddy Lamar é uma atriz circense que ganhou esse nome devido ao entusiasmo de seu pai pela famosa atriz norte-americana, que foi estrela de um dos primeiros filmes eróticos da história do cinema ("Êxtase"), e, nos anos 30/40, era das mais populares em todo o mundo.

Coquetel de suor no suicídio da Câmara

Amanhã, 2 de fevereiro, é dia de festa no mar - diz o grande Dorival Caymmi, numa de suas mais belas canções. Mas será um dia de muito fogo, na Câmara de Curitiba, com a eleição da nova mesa diretora, em pleito dos mais renhidos. Afinal, o presidente escolhido poderá ser prefeito da Capital por vários meses, assim que seja definido o calendário eleitoral e uma quase certa desincompatibilização do deputado Maurício Fruet, atual prefeito.

A atual mensagem escrita em 1662

Ingressamos já no segundo mês deste político e renovador 1985, ano de muitas esperanças para todos, mas que por isso mesmo exige maior responsabilidade de cada um. Assim, uma original mensagem que o professor, poeta e publicitário Rogério Bonilha distribui aos amigos, como cartão de Ano Novo (só entregue pelos Correios no final de janeiro), contém palavras que merecem reflexão. Infatigável pesquisador de textos inéditos, Bonilha foi encontrar, num arquivo da antiga Igreja de São Paulo, em Baltimore, Estados Unidos, uma mensagem datada de 1662 e que tem incrível atualidade.

No campo de batalha

Os empresários e produtores de espetáculos musicais finalmente se organizaram numa associação nacional, fundada oficialmente a 21 de novembro de 1984 em São Paulo. Como a área é pantanosa, com muitas acusações de parte a parte, está sendo elaborado um Código de Ética, a cargo de uma comissão formada pelos Srs. Nelson Jorge Vaccari, Reginaldo Claudino dos Santos, Yamara Pompeu Villa Lobos, Antônio Rachid Miguel Calil, Luís Carlos Rodrigues e José de Souza Campos. xxx

A grande música dos saxofonistas

Quando, há 141 anos o instrumentista e artesão Antoine Joseph ("Adolph") Sax (Dinant, 1814 - Paris, 1894) desenvolveu um instrumento de metal, com tubo cônico e com a forma aproximada de um cachimbo, não imaginaria que estava dando uma das maiores contribuições à música.

Nostalgia nos enredos carnavalescos de 1985

Dom Manolo, um dos mais experientes record-men da fonografia tupiniquim e que hoje preside a RCA no Brasil, foi o primeiro produtor a sentir as potencialidades do samba-de-enredo. Tanto é que até hoje o seu selo, Top Tape, é que detém o contrato com a Associação das Escolas de Samba do Rio de Janeiro para a edição dos elepês com os sambas-de-enredo do primeiro e segundo grupos. Integrando-se a RCA, é por esta multinacional gravadora que saiu o elepê dos Sambas de Enredo do grupo I, catituado desde o final do ano passado e que está entre os mais vendidos.

Ivo interpreta Chopin

Aos que tanto apreciam a obra de Frederic Chopin (1810-1849) a oportunidade de ouvir mais algumas de suas peças em novas interpretações de um virtuose internacional - enquanto o carioca Arthur Moreira Lima, colocado por muitos críticos como o melhor intérprete do gênio polonês, continua a gravar a íntegra de sua obra, em luxuosas edições que a Dall'Art só vende pelo correio. A Polygram, com caprichadas produções da Deustsche Grammophon, traz o pianista Igor Pogorelich em uma dupla dose da obra de Chopin.

Nelson, uma lenda de bom romantismo

Não é por falta de insistência. Há anos que algumas gravadoras vêm editando discos de compositores e intérpretes country no Brasil. Entretanto, até agora, não houve nenhum que conseguisse explodir em vendas. Mesmo Kenny Rogers, contratado pela RCA há dois anos com um advanced de US$ 20 milhões (já recuperados) não está entre os mais vendidos no Brasil.

O canto da mulher entre os rurbanos

Um aspecto que justifica uma interpretação mais profunda: a pequena participação da mulher na música rurbana. Com poucas exceções - Inhana (1923-1981), que durante mais de 40 anos formou dupla com Cascatinha (Francisco dos Santos, Araraquara, SP, 1919), no plano nacional e a querida Gabriela (Júlia Alves Graciano, Curitiba, 1923), que por 44 anos fez dupla com seu marido, Belarmino (Salvador Graciano, 1920-1984) - são exemplos mais conhecidos, mas, em geral, a música rural/rurbana parece ser um território ainda privativo dos homens.

Na Global, o importante é o escritor brasileiro

Não há dúvida: o escritor brasileiro é o centro das atenções da Global Editora durante este ano de 1985. "Aliás", continuará sendo, porque o projeto editorial da Global está todo voltado para a ficção nacional, para a poesia, para a criação do autor deste Brasil" diz, com otimismo, seu diretor editorial, José Carlos Venâncio, acrescentando:

Pelas cartas conheça melhor Mário Andrade

A correspondência de Mário de Andrade (1893-1945) constituiu, ao lado de sua marcante obra, um manancial de informações. Numa época em que se cultuava o hábito da correspondência - hoje raramente mantido sob a alegação do corre-corre da vida moderna e a substituição por outros meios de comunicação instantânea (telefone, telex, agora o videotexto) - o autor de "Macunaíma" era um homem organizado, que jamais deixava de responder uma carta.

Estrela de Clarice

Entre os livros de melhor tratamento visual lançados em 1984 encontra-se a 7ª edição de "A Hora da Estrela", de Clarice Lispector (1925-1977). Após seis edições pela José Olympio, a Nova Fronteira reeditou este romance justamente no momento em que a cantora Maria Bethânia estreava o seu espetáculo musical inspirado no mundo literário de Clarice. E a capa do romance traz uma belíssima montagem em que um rosto colorido da inesquecível Marilyn Monroe aparece num canto de janela de uma casa humilde - em que, em preto e branco, figura uma anônima mulher.

Dora reeditada e o romance de Bichara

Dois ótimos romances editados pela José Olympio: a sexta edição de "Dora Doralina" e a primeira de "Carcará" de Ivan Bichara.

Uma universidade que edita

Enquanto a nossa arteriosclerosada e septuagenária Universidade Federal do Paraná não sai do imobilismo editorial, nada publicando - ou, quando o faz, sem dar aos lançamentos qualquer tratamento promocional - em outros Estados, as universidades atuam eficientemente, com edições importantes. De forma autônoma ou em convênios com editoras que disponham de boa estrutura promocional, a Universidade de São Paulo tem um excelente catálogo de lançamentos - aos quais se acrescentaram novos títulos lançados recentemente.

Estórias da Beira Rio segundo Odylo

Uma obra póstuma de Odylo Costa Filho (1914-1979), jornalista e escritor que marcou intensamente sua passagem pela imprensa brasileira, foi lançada há algum tempo pela editora Record: "Histórias da Beira do Rio". Todos os personagens deste livro estavam vivos na cabeça e no coração de Odylo e transcritas agora em livro - com ilustrações de sua viúva, Nazareth - certamente emocionarão os leitores como aqueles que tiveram o privilegio de ouvi-las do próprio Odylo, na sua maneira única de contar histórias.

Horácio, o presidente

Comparando com eleições anteriores, pode-se até dizer que foi tranquila a escolha da nova mesa diretora da Câmara de Curitiba, na quente tarde de sábado, 2. Embora não faltassem protestos e acusações de parte a parte, a vitória de Horácio Rodrigues confirmou, antes de tudo, a felpudez desse vereador que há mais de 10 anos sonhava em chegar ao cargo que agora ocupará por dois anos. Quando de sua primeira legislatura, Horácio já pensava na presidência e, há dois anos, na última hora, perdeu o cargo que contava como certo.

No campo de batalha

Será mesmo "Erendira", de Ruy Guerra, baseado na novela de Gabriel Garcia Marquez, que vai inaugurar o Cine Ritz, no próximo dia 28 de fevereiro. Francisco Alves dos Santos estava na dúvida entre "La Traviatta", de Franco Zeffirelli, e o filme de Guerra, para iniciar as atividades da nova sala de exibição da Fundação Cultural.

Max quer trocar as jóias pela política

A se confirmar, nas próximas semanas: disposto a dedicar-se exclusivamente à política e já com vistas a disputar um cargo legislativo (possivelmente deputado federal) nas próximas eleições, o joalheiro Max Rosenmann, atual presidente do Instituto de Previdência do Estado, estaria deixando o grupo empresarial de que é sócio majoritário, ao lado de seu irmão mais moço, Manoel.

O grande encontro da juventude no Uruguai

A Oficina de Música, que nasceu modestamente, como projeto apenas local, acabou crescendo mais do que seus idealizadores imaginavam. Quase 500 participantes, provindos dos mais distantes pontos do Brasil, reuniram-se nas duas primeiras semanas de janeiro, nessa promoção da Fundação Cultural de Curitiba. Cursos de vários instrumentos e experiências práticas e cursos internacionais de música, que nos governos Ney Braga e Paulo Pimentel deram notável projeção ao Paraná, com professores oriundos de vários países.

Sublime Maravilha (I)

"Tonight, tonight The world is full of light With suns and moons all over the place" (Stephen Sondheim) xxx Um balé. Um musical. Um recital. Uma obra-prima: Todas as adjetivações se ajustam a "Amor, Sublime Amor" (Cine Lido, 3 sessões), que revisto 24 anos após sua adaptação para o cinema - e 28 após sua estréia nos palcos do Winter Garden Theatre, na mesma Nova Iorque em que se passa toda a ação, somente cresceu/rejuvenesceu.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br