Login do usuário

Aramis

Artigos por data (1985 - Dezembro)

Mídia, o deus da propaganda

Pelo menos três professores do curso de comunicação da UFP se queixavam, dias atrás, da falta de um bom texto de análise da influência cada vez maior que a chamada mídia exerce em nosso pensamento, em nossas vida. Agora, dentro de sua coleção de livros sobre Comunicação, uma editora paulista (Summus) acaba de lançar um dos mais completos estudo a respeito: "Mídia : o segundo Deus". Publicado nos EUA há 4 anos. "Media: The Second God".

Sucesso de Borghettinho revalorizou o acordeon

Nos quatro painéis do Chamamento Cultural promovidos paralelamente à Seara da Canção, RS, um dos participantes mais ativos foi o acordeonista e compositor Honeyde Bertussí.

Grandes regentes e as sua sinfônicas

Bernstein, Baremboim, Maazel, Karajan e Marriner. Que elenco de regentes! Em mais um (esplêndido) pacote da melhor música erudita Polygram e a CBS trazem recentíssimas gravações com grandes orquestras sob a regência destes mestres da batuta.

Uma grande e bela orquestra de jazz

A recente reprise de "Música e Lágrimas" (The Glenn Miller Story), 30 anos após a sua realização, trouxe saudades da época das big bands. Afinal a música de Glenn Miller (1904-1944) foi apenas uma - (e não a mais significativa) de um período de ouro da criação musical americana, com dezenas de grandes orquestras. Agora em dolby stereo, e com 14 minutos a mais, "Música e Lágrimas" tem um novo sabor e esperamos que a UIP relance esta fita no Condor, onde ficou apenas uma semana.

Da Fronteira ao Nordeste

Entre tantos acordeonistas do Rio Grande do Sul, um deles - Gaúcho da Fronteira (Herbert Artigas), 48 anos, vem encontrando uma aceitação impressionante. Descontraído, alegre , tem um estilo muito pessoal e apresenta repertório de grande diversificação. Sua força de comunicação é tão grande que uma multinacional - a WEA, normalmente voltada ao rock/pop, acreditou em sua música e o contratou há alguns anos.

Vinícius, Carmen, Ray, Leal e até Parada Dura

Ex-instrumentista da banda (antiga) de Caetano Velloso, o amazonense Vinícius Cantuária trocou as baquetas da bateria por uma carreira solo de cantor e compositor.

Poucas estrelas e muitas confusões no II FestRio

No ano passado houve a nostálgica presença de Esther Willians, hoje uma sexagenária senhora que pouco lembra da rainha das piscinas dos technicoloridos e escapistas filmes da MGM dos anos 50. Houve também a presença - esta desnuda, a beira da piscina do Hotel Nacional, da argentina Libertad Leblanc - que, como sua compatriota Isabel Sarli, de talento tem os belos seios.

O melhor ficou nas exibições paralelas

Um momento de emoção no FestRio foi quando Mercedes Sosa, que havia chegado ao Rio na manhã de sábado, 30, subiu ao palco para entregar a sua amiga Estela Bravo, o prêmio especial dado ao tape "Ninos Desaparecidos", que aborda a repressão na Argentina.

Revisitando os clássicos das estórias para jovens

Revisitar os clássicos. Esta parece ser a palavra de ordem em duas editoras novas - a Scipione e a Hemus - que estão relançando, em novas traduções e adaptações, aqueles livros que se tornaram antológicos. Sejam obras destinadas ao público infanto-adolescente, sejam livros de aventuras que fascinaram (e continuam a encantar) os adultos, tratam-se de reedições das mais oportunas.

As Memórias da Itália e as dicas executivas

A exemplo da rocco, também a Difel vem procurando fazer edições de novos autores- ou ao menos, aqueles que ainda não são muito conhecidos no Brasil por falta de traduções. Assim, em "Escrevo da Itália..." de Jacques Sauvage, temos uma obra de observação, da Itália do pós- guerra. Sauvage percorreu aquele país em 1945, com uma companhia de artilharia francesa, durante a ( guerra. De todas as sua recordações recentes, a mais lancinante e mais marcante é aquela de breve parada em Varela, uma aldeia fortificada num vale perdido da Umbria.

Psicologia, um boom editorial

É impressionante o boom da bibliografia psicanalítica no Brasil. São dezenas de livros - desde obras de referência e iniciação até complexos tratados - que mensalmente são lançados, estimulando inclusive a especialização no gênero de algumas editoras. A summus, por exemplo, tem feito maciças edições e agora acrescenta "Jung", de Ellic C. Humbert, novo título da série "Novas Buscas em Psicoterapia" (152 páginas, Cr$ 33.400). Esta tradução chega num bom momento: livros de Jung tem sido publicados por diversas editoras e amplia-se o número de psicanalistas junguianos entre nós.

A noite dos desesperados

Ao redor da vida do homem há certas caixas de vidro dentro das quais, como em jaula se ouve palpitar um bicho (João Cabral de Melo Neto)

As muitas artes de Sebastião Tapajós

Poucos artistas brasileiros se identificaram tanto com o Paraná quanto Sebatião Tapajós. Há 10 anos, quando pela primeira vez veia Curitiba, para um concerto no auditório Bento Munhoz da Rocha Neto, ao terminar a apresentação recebeu muitos aplausos mas não reconheceu uma só pessoa. Afinal, era a primeira vez que pisava em Curitiba e sua carreira havia sido desenvolvida mais na Argentina e Alemanha, do que em nosso País. Hoje a noite, a Sala Scabi (Solar do Barão) será pequena para as centenas de pessoas que ali estarão para aplaudi-lo. xxx

Mestre do violino quebrou o braço no Solar do Barão

Além de ter passado praticamente despercebida a presença em Curitiba, na semana passada, de um dos maiores violinistas do mundo - Max Rostal, sua estadia também foi das mais infelizes. Como os promotores de seu curso no Solar do Barão tiveram a insensibilidade de programar as aulas do grande mestreço austríaco na Sala Scabi, cujo aceso é cansativo até para jovens, houve um trágico acidente: o violinista perdeu o equilíbrio e quebro o braço, o que poderá significar o fim de sua carreira artística.

De gente & fatos

Edilberto Coutinho, 50 anos, paraibano de longa vivência curitibana - (aqui foi o primeiro locutor do Clube Juvenil M-50, nos tempos de ouro da rádio Guiracá), contente na vida ao cantar que seu livro "Maracanã, Adues", continua em evidência. Agora está trabalhando no roteiro do mesmo para um filme que J.B. Tanko pretende iniciar no segundo trimestre de 1986 e que terá trilha sonora do maestro Marlos Nobre. "Maracanã Adeus" é também tema da tese de doutorado da professora Lisa Joué, na Sorbonne, em Paris (foi traduzido para o francês por Jcques Thiériot, para as edições Luneau-Ascot).

Clássicos da Polygram

É realmente admirável a programação da Polygram em termos de lançamento de categoria. Se o sempre competente Maurício Quadrio foi quem , até 1975, coordenava o departamento de projetos especiais na área de discos clássicos e jazz quando passou para Odeon, foi substituído por um jovem Enzo Servolo - que em 7 anos . mostrou também tamanha dedicação. Que alguns meses, foi para a Philips Holandesa. Sede da multinacional empresa.

A poesia de Alice com belas imagens de Leila

O tempo leva/ o poema/ que o vento trouxe Duas mulheres inquietas e criativas acabam de unir os seus talentos e estão lançando um original álbum de desenhos e poemas: Alice Ruiz e Leila Pugnaloni publicam "Rimagens", coleção de 12 pranchas com poemas dos mais expressivos ilustrados com graça e leveza. A poesia de Alice Ruiz é objetiva , direta, quase telegráfica - mas sem perder a ternura. Nai - Kais na melhor técnica oriental. Um signo que sonho Um sonho que sim Assim fico Imagem gêmea de mim

O drama dos sem-terras num filme de Berenice

A própria Embrafilme ficou surpresa ao receber, segunda-feira, a informação: o projeto de um filme sobre os sem-terras no Paraná, que havia merecido aprovação para financiamento , já está concluído. A jovem cineasta Berenice Mendes trabalhou mais rápido do que se esperava: em setembro, durante a Semana da Pátria, foi com sua pequena e unida equipe ao Sudoeste do Paraná, focalizando o cotidiano dos acampamentos levantados por agricultores sem terras nos municípios de Marmeleiro, Salto do Lontra, Chopinzinho e Renascença.

O humor de Grof em dois volumes

O engenheiro e escritor Luiz Grof acabou ganhando um ótimo e inesperado presente de Natal: a edição de suas crônicas bem humoradas sobre pessoas, fatos e coisas de Curitiba e a reunião de duas de suas peças - "A Reputação do Quatro Bicos" e " Hummus Sensualis" - em dois livros a serem lançados no próximo dia 18, na inauguração da Tok-Stok.

Glacy & Max

Glacy Gotardello, a mignom coordenadora de música do Solar do Barão, que compensa o seu aspecto frágil com um grande dinamismo, com um sonhado projeto para 1986: uma longa temporada na Itália, fazendo cursos em várias áreas. A propósito, Glacy foi quem deu imediata assistência ao violinista Max Rostal, 80 anos, quando ele teve um pequeno problema cardíaco e caindo ao palco da Sala Scabi, fraturou a mão direita - há uma semana.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br