Login do usuário

Aramis

Artigos por data (1989 - Dezembro)

A louca corrida no porre visual de tantas imagens

Fortaleza - O Palácio dos (sonhos) Festivais seria um imenso hotel com uma dezena de cinemas, em sessões ininterruptas, exibindo todos os filmes em competição, das mostras paralelas e do mercado. Seria a única maneira de se conseguir acompanhar ao menos 30% das centenas de opções que são reunidas em eventos internaiconais. Aqui neste VI FestRio-Fortaleza que tem a sua sede no Imperial Othon, mas que se espalha com eventos (seminários no Hotel Pontamar, mercado no Hotel Esplanada) e seis cinemas repete-se aquele cruel dilema: qual a opção entre tantos programas oferecidos?

No campo de batalha

1) - Dois dos mais belos rostos internacionais presentes no festival não estão nas telas, mas sim no júri de longa-metragens. A espanhola Assumpta Serna, que Pedro Almodovar lançou em "O matador", (e que há três anos esteve no Rio, quando aquele filme disputou pela Espanha) e que recentemente participou das filmagens, na Bahia, da produção americana "Wild orchide". Já a francesa Helena Bonham Carter, cabelos pretos, pele branquíssima, apesar dos conselhos para não se expor ao sol fortíssimo, na manhã de quarta-feira, já parecia queimadinha.

Paulo Tapajós, quando um pesquisador é pesquisado

Paulo Tapajós, vice-presidente da Associação de Pesquisadores da Música Popular Brasileira, aproveitou sua viagem a Iraí, no Rio Grande do Sul - como um dos 8 pesquisadores participantes do I Canto das Águas do Mel - para, em seu retorno, rever alguns amigos curitibanos. Entre eles, o coronel-médico Wilson Boia, apaixonado pela música brasileira, pesquisador cultural (foi o autor da monografia sobre David Carneiro, vencedora do concurso Gralha Azul) e amigo do casal Tapajós há muitos anos.

"Causos" assustadores que Almirante contava

Há uma semana, em Curitiba, jantando com amigos, Paulo Tapajós lembrou deliciosas - e inéditas - histórias relacionadas a época de ouro do rádio brasileiro, especialmente da Nacional - em sua fase de mais importante veículo de comunicação no Brasil (com a força que as cadeias nacionais de televisão como a Globo e SBT possuem hoje), e na qual, por quase 40 anos, exerceu as mais diferentes funcões - especialmente a de diretor musical.

Leon continua escavando as riquezas da boa MPB

Em novembro do ano passado, a Collector's reuniu várias gravações inéditas de Paulo Tapajós, deixadas em acetatos que durante anos perambularam por vários depósitos, e produziu um elepê documental do maior valor. O trabalho que Costa Manso vem fazendo através de sua editora especializada em recuperar gravações inéditas - e graças a qual já saíram 18 álbuns - não é, entretanto, o único que vem ocorrendo no Brasil.

O (excelente) cinema brasileiro na tela do Groff

Comemorando os 90 anos de cinema nacional, o Cine Groff está exibindo uma série de importantes filmes realizados por cineastas da envergadura de Humberto Mauro, Márcio Peixoto, Luís Sérgio Person, Joaquim Pedro de Andrade, Rogério Sganzerla, Júlio Bressane, Leon Hirzman, Tizuka Iamasaki, Sílvio Tendler, Sylvio Back... a lista é grande. Siga a programação:

Um filme polêmico de Israel vence o FestRio em Fortaleza

Fortaleza - A trajetória de uma família israelense por uma região em conflito, nos quais paralelamente ao clima de guerra há também uma explosão de rancores, medos e ansiedade, constitui o tema de "Territórios Ocupados" (Sadot Ierukim), de Isaac Yeshurun, premiado como o melhor filme do 6º FestRio-Fortaleza.

Um Chico Mendes julgado na competição dos curtas-metragens

Fortaleza - Como eficiente assessor da Embrafilme, o jornalista Sebastião França, faz questão de contar a boa notícia: por determinação do ministro José Aparecido de Oliveira, da Cultura - após ouvir o apelo do secretário René Dotti (de quem França foi assessor especial por seis meses) a Fundação do Cinema Brasileiro vai agilizar a sua participação para que os quatro curtas-metragens, co-produzidos pelo governo do Paraná, sejam, enfim, finalizados. Não é sem tempo.

No campo de batalha

1) O mais esperado dos filmes para a mostra informativa acabou chegando quando já se perdiam as esperanças: o documentário "John Huston: o homem, o cineasta, o aventureiro", que Frank Martin realizou com depoimentos de atores, técnicos e amigos do grande cineasta, intercaladas da sequência de seus filmes. O filme foi visto pelo jornalista João Luiz Albuquerque, assessor de imprensa do FestRio, no Festival de Montreal, que se empenhou para que o mesmo aqui tivesse ao menos uma exibição.

Satchmo e Artie, em momentos iluminados

A coleção Portrait Masters, a mais nova série que Maurício Quadrio criou para aproveitar o imenso acervo da CBS, traz dois álbuns excelentes - que também devem sair em CD, já que o público que coleciona jazz é exigente em termos de qualidade técnica.

O grande blues do velho Hooker

"Quando me tornei vagabundo, escolhi como amigo um trem de carga" (John Lee Hoker).

Kenny, um novo sax

Um saxofonista em evidência: Kenny G. . Seus álbuns "Duetones" e "Silhouette" venderam tanto que a BMG/Ariola, normalmente tímida em edições jazzísticas, resolveu lançar seus três álbuns anteriores: "Kenny G.", "G Force" e "Gravitty".

A volta de Lou

Ao lado das reedições com os momentos iluminados das carreiras de Ellington, Armstrong e Artie Shaw, há também opções do jazz contemporâneo, que se faz nesta década. Pela Blue Note/Emi/Odeon temos o excelente cantor Lou Rawls ("At Last"), que embora já com 30 anos de estrada, mais do que nunca está em evidência, com seu clima de jazz-soulgospel-blues.

All Green, entre o gospel e o pop

Como muitos outros talentos vocais negros, Al Green começou na igreja. Americano de Arkansas, filho de um pastor, Roberto Green, que tinha um grupo de gospel chamado The Breen Brorhers, Al estreou aos 9 anos e excursionava com a família pelo país. Aos 16 anos, já contaminado pela música profana formava um grupo que deslancharia quando então já era chamado Al Green and the Soul Mates, gravou a faixa "Back Up Train".

Uma festa bonita, com tudo funcionando certo

A receita da simplicidade deu certo. Assim é que os próprios diretores do FestRio - Luís Carlos Barreto e Nei Sroulevich, mais Cláudia Furiati, coordenadora dos seminários e videomaker, foram os mestres de cerimônia na festa de encerramento, a partir das 17h15 de sábado, 2, no Cine São Luiz - totalmente lotado. Com isso evitaram-se gafes e enganos que, em edições anteriores, com as apresentações dos premiados entregues a artistas de televisão, mesmo experientes, prejudicou o brilho das mesmas.

Os Premiados do VI FestRio/Fortaleza

CINEMA MELHOR FILME (Tucano de Ouro) - "Territórios Ocupados" (Sadot Ierukim), Israel, de Isaac Zepel Yeshurun. MELHOR DIRETOR (Tucano de Prata - Troféu Glauber Rocha) - Peter Greenowey, pelo filme "O Cozinheiro, o Ladrão, sua Mulher e seu Amante" (The Cook, The Thief, His Wife and Her Lover), Holanda. MELHOR ATOR Samuel Fuller, EUA, no filme "Sons/Em Busca do Amor Perdido", de Alexandre Rockwell. MELHOR ATRIZ - Helen Mirrer, do filme "The Cook, The Thief...", de Peter Greenoway.

Depois de Fortaleza, para aonde irá o VII FestRio?

Fortaleza - Na manhã de domingo, no burburinho de personalidades nacionais e estrangeiras que, no lobby do Imperial Othon, preparavam-se para embarcar para diferentes destinos, uma pessoa estava particularmente feliz: Nei Sroulevich, diretor executivo do FestRio. Além desta sexta edição ter sido a mais bem organizada de todas, a repercussão foi tão positiva que já se falava em três Estados que estariam dispostos a sediar o próximo FestRio, se prevalecer o critério da mostra continuar circulante: São Paulo, Minas Gerais e - apesar da distância - Amazonas.

Na vitrina de imagens, o que há de novo em vídeos

Na ampla vitrine do que há de mais representativo na comunicação audiovisual - incluindo cinema, vídeo e programas de televisão - qualquer festival internacional, seja o FestRio, seja o de Cannes ou Berlim, traz uma contradição: reúne de 10 a 15 dias centenas de produtos das mais diferentes origens, técnicas e propostas, as quais é impossível acompanhar se quer em 20% do que é exibido.

Muita criatividade nos vídeos vindos da França

Não foi fácil aos júris de televisão e vídeo selecionar os trabalhos merecedores dos Tucanos de Ouro e Prata, nas diferentes categorias inscritas ao IV FestRio-Fortaleza. Mostrando uma admirável utilização de recursos eletronicos-visuais cada vez mais sofisticados - ou se voltando a visões jornalísticas de temas importantíssimos - os vídeomakers e produtores/diretores de programas de televisão permitiram que, durante 8 dias, no delírio visual de múltiplas imagens projetadas no auditório e no salão Joazeiro do Othom Imperial, na capital cearense, a visão de produções marcantes.

Nos vídeos, até índia equatoriana é estrela

No hall ou na piscina do Imperial Othon, durante os dias 23 de novembro a 2 de dezembro, circulavam centenas de pessoas - entre artistas, realizadores de filmes e vídeos, produtores, exibidores etc.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br