Login do usuário

Aramis

Artigos por data (1991 - Outubro)

Nana passou Guimorvan no jazz poll da "Down Beat"

Para variar, desta vez não deu Airto Moreira na cabeça! Habituado há quase 15 anos a liderar os jazz poll da Down Beat - a bíblia do "jazz, blues & beyond" (como está em sua capa), o nosso instrumentista de maior sucesso internacional na 39ª escolha anual dos críticos internacionais convidados pela revista fundada há 58 anos para opinar sobre os melhores da temporada passada, ficou agora em terceira posição pelos 85 experts de vários países.

Os melhores do jazz-90/91 segundo a crítica mundial

Como informação, a quem não adquiriu a "Down Beat" de agosto - e se interessa em saber quem está em evidência musical na América, aqui vão as vencedoras nas principais categorias desta 39ª escolha dos críticos convidados da DB.

Músicas de mãe e filha venceram o 14º Femucic

Maringá

Em Maringá, o melhor foi o som que veio das cavernas

Maringá Assim como acontece na consagrada Feira Musical de Avaré (SP), o Femucic introduziu, já há quatro anos, premiações específicas para a competição exclusivamente instrumental. Este ano, o mais original trabalho foi uma pesquisa desenvolvida por dois jovens da cidade de Crato, Ceará - Alemberg Quindins e sua mignon esposa, Rosiane Limaverde, ambos de 26 anos, com toda justiça premiada como melhor música instrumental e melhor arranjo (o que lhes garantiu Cr$ 700 mil) por "Junto das Pedras", com o subtítulo de "A Lenda do Reino Subterrâneo".

Muitas canções mas pouca renovação nos festivais

Maringá

Os Garfunkel que Curitiba esqueceu

Maringá

Ligações perigosas e atraentes

Exatamente 209 anos após ter escrito Les Lissons Dangereusses permanece atualíssimo na sutil ironia que faz sobre o comportamento sexual humano - o jogo da conquista, as armadilhas do coração, a malícia e a hipocrisia. Quando seu autor, o militar jacobino francês Pierre Ambroise François Chanderlos de Laclos (Amiens, 1741 - Turanto, em forma epistolar, os costumes sexuais-social eram outros. Dois séculos depois, o mundo mudou, a revolução sexual fez o amor se tornar livre mas a genialidade do texto antecipador - e as intrigas da história - feitas por Chanderlos de Laclos permanecem atuais.

Amor e vida nas vozes de Marina, Libertad e Alaíde

Três cantoras, de diferentes gerações e origens, apresentando-se numa mesma semana, oferecem diversificadas oportunidades de se (re)apreciar/(re)ouvir os caminhos musicais em relação à criação-sensibilidade de comercialização.

Vento leva os livros no Paraná com apenas 81 pontos de vendas

Um número para ser analisado por todos que falam tanto em educação e cultura: em todo o Paraná - um dos Estados de maior prosperidade econômica do País, de tanto otimismo oficial - não passam de exatamente 81 pontos de vendas de livros. Não chegam a ser nem mesmo 81 livrarias, mas sim pontos de vendas - pois incluem bancas de jornais e revistas ampliadas, lojas de departamento (com gôndolas dedicadas a best-sellers), postos de gasolina e algumas farmácias.

Mioto, a família na busca de suas raízes

Pouco a pouco, a história da imigração no Sul começa a se tornar mais fácil com a iniciativa de membros da quarta ou mesmo quinta geração em estudarem suas origens. Assim, reuniões familiares, pesquisas em árvores genealógicas, tentativas de localização de ramos espalhados em diferentes continentes sucedem-se por iniciativas de famílias de italianos, alemães espanhóis e, mais reduzidamente, eslavos que nos últimos 150 anos vieram ajudar a fazer o Brasil.

As Nymphas renascem e Mara produz disco de paranaense

Praticamente desativado há dois anos, Nymphas - nascido há 13 anos e que tem sido o grupo vocal de maior resistência em Curitiba - retorna em sua formação praticamente original: a líder Mara Fontoura, as irmãs Tina e Carmem Bakker, Mirian Lau, Rosah Lidia, Rosa Maria e Soraya Turna. O retorno será em forma grandiosa: o espetáculo Nymphas & Cia. (Teatro do Paiol, 11 a 13 de outubro), no qual somaram-se vozes de cantores convidados (Cyro Lopes), Mariel Silva, Herivelto Oliveira, Hudson Pereira e Drausio Fonseca), mais quatro músicos (Álvaro Ramos, Belmiro Jorge, Ivã Avi e Lydio Roberto).

Robin Hood acertou no alvo da track moderna

As trilhas sonoras continuam a aparecer no mercado, embora nem sempre com a participação merecida. Por exemplo, a Sony deu pouca atenção a edição da sound track premiada com os Oscar 91 - "Dança com Lobos", de John Williams. Felizmente, a Polygram cuidou melhor do lançamento da música de "Robin Hood - Prince of Thelves", que (quase) antecipou a estréia do filme estrelado por Kevin Kostner (o mesmo realizador de "Dança com Lobos") com o arqueiro da floresta de Sherwood.

A sombria Siouxsie e as novatas Crystal e Cathy

Duas novas vozes e o retorno de uma já conhecida no último pacote da Polygram, marketing atento aos balanços do consumo jovem.

Digestivo som das telenovelas

Tendo nas trilhas sonoras de suas telenovelas a razão maior do super-faturamento que obtém desde que foi criada, a Som Livre, vez por outra anima-se até a fazer projetos de qualidade. Já gravou álbuns com poetas, fez antologias e mesmo trilhas sonoras de filmes marcantes. Mas isto no passado.

De clássicos de Connif a salada do Ambient House

Contratado perpétuo da CBS, o veterano Ray Connif, 67 anos, mais de 200 elepês, semestralmente um novo produto na praça, sempre no esquema que garante tranquilas vendagens. Tão certas que a Sigla/Som Livre, dentro da maleabilidade que tem para negociar fonogramas, acertou com a Sony - ex-CBS - a edição de mais uma montagem do popularíssimo maestro, desta vez com extratos de suas incursões pelo lado clássico. Assim, nos diluídos - mas sonoramente agradáveis - arranjos de Mr.

Uma antologia com temas de filmes contemporâneos

A montagem de álbuns com temas diferentes extraídos de filmes de sucesso é um macete dos mais utilizados pelas gravadoras. Geralmente os esquemas são repetitivos, com um cansativo desfilar de clássicos que vão de filmes produzidos há 50 anos ("Thara's Thing", de "O Vento Levou"), 35 anos ("Love Is As Many Splendored Thing", de Suplício de uma Saudade"), "Shane" (1953) ou, naturalmente, "As Time Goes By" (1942), que o pianista Dooley Wilson imortalizou no mais famoso dos filmes de amor ("Casablanca") - para só citar alguns exemplos.

Perfil - Paciornik, Pio, as borboletas e índios

Dois dos mais conhecidos e queridos médicos de Curitiba - Moisés Paciornik e Pio Taborda Veiga - são amigos de infância, contemporâneos de cadeiras escolares e curiosamente ajudaram a nascer e crescer pelo menos 50 mil dos habitantes desta cidade. Paciornik, 75 anos, ginecologista comemorados na sexta-feira, 4, oitavo livro ("Quem Mata Índios?") e Taborda Veiga, 78, pediatra, também tem outra particularidade: são os dois últimos curitibanos conhecidos que não trocam suas gravatas-borboletas pelas tradicionais.

Pinheiro Machado, um exemplo de bom editor

Entre uma nova geração de editores brasileiros que mesmo enfrentando as limitações de um mercado muito aquém das possibilidades que teria (como exemplo, lembramos o que registramos no último domingo, sobre a existência de apenas 81 pontos de vendas de livros no Paraná), alguns publishers de visão estão impulsionando suas casas editoras de forma exemplar.

Faraco, um contista que começa aparecer

Ao lado de um exemplar catálogo internacional - no qual estão desde romances policiais de Ross MacDonald ("Encontre-me no Necrotério") e J. B. Livingstone ("Morte no Museu Britânico", "Quem Matou Sir Charles"), e poemas da russa Anna Akhmátova ou o "Livro dos Abraços" de Eduardo Galeano, a L&PM valoriza especialmente os brasileiros.

Texto de Artaud abre novo espaço cultural

Retornando de São Paulo, onde foi reciclar-se criativamente assistindo as vanguardistas encenações que o seu maior amigo João Cândido Galvão, curador da 21ª Bienal, trouxe na área do teatro - a "Trilogia Antiga", o "Suz/O/Suz" e "When We Dead, Awaken" (com direção do lendário Bob Wilson), Marcelo Marchioro, após a campestre encenação de "Sonhos de uma Noite de Verão" (Centro de Criatividade, até dezembro) sonha com um projeto mais audacioso: montar no espaço do Solar dos Leões, um espetáculo que assistiu em sua última temporada nova-iorquina e que faz com que um pequeno público partici
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br