Login do usuário

Aramis

Artigos por data (1991)

O nosso "Totó" do Luz que amava a máquina encantada

Há quase um ano, quando foi um dos convidados homenageados na sessão especial que organizamos numa manhã no Cine Bristol (antigo Marabá, ex-Teatro Hauer) para a exibição do lírico "Cinema Paradiso", Harry Luhm era o espectador mais emocionado.

Harry Luhm, o homem que salva os velhos filmes

Se um dia o curioso e referencial "The Guinness Book of Movies - Facts & Feats" - dedicar uma edição ao vídeo no Brasil, o nome de um curitibano terá que forçosamente ali constar: o de Harry Luhm, primeiro brasileiro que conseguiu legendar a cópia de um filme estrangeiro em nosso país.

35 anos de imagens das debutantes curitibanas

Em 1955, quando houve uma grande reforma na sede urbana do Clube Concórdia e se iria realizar o último baile das debutantes no antigo Salão, Harry sugeriu ao presidente Hans Garbers que o evento deveria ser filmado. A idéia foi aceita e Harry contratou o cinegrafista Germano Ziliam - veterano profissional das imagens do Paraná, que até hoje não mereceu nenhum reconhecimento por mais de 40 anos de atividades, que fez um documentário de 14 minutos, com as 15 debutantes daquele ano - hoje respeitáveis avós e bisavós.

O pacote com all stars com música dos mestres

O primeiro suplemento da Sony Classical é uma notável amostragem do que vem por aí. Abandonando, naturalmente, o vinil, mas oferecendo em perfeitas gravações CD e em fita cromo, o pacote de 12 títulos traz a última gravação do pianista Vladimir Horwitz (1904-1989) - interpretando peças de Chopin, Yadn, Liszt e Wagner - é um perfeito Igor Stravinski (1882-1971) com a London Sinfonieta, sob regência de Esa Pekka Salomen e tendo Paul Crossely como solista em peças do mestre russo - num registro feito em Londres, há três anos.

Sony chega com o melhor da tecnologia clássica

Os japoneses chegaram musicalmente. Adquirindo há dois anos a CBS, a poderosíssima Sony chega ao Brasil, incorporando a poderosa pioneira Columbia (depois CBS), a mais tradicional marca da fonografia, fundada nada mais, nada menos do que por Thomas Alva Edison (1847-1931) - o (ou um dos) inventor(es) do primitivo phonographo.

O reggae dos gatosos da Baixada Fluminense

Embora já funcionando com a nova designação - Sony Music (Brasil) - o selo CBS - e suas várias etiquetas associadas - não desaparecerá imediatamente. Por enquanto, o título Sony fica reservado para a produção classe A, especialmente clássicos (e jazz) vindos do Exterior.

Rosana made in States

Bonitinha, com ingredientes que a fizeram ter uma carreira impulsionada por alguns êxitos, Rosana gravou agora um elepê no Exterior. "Doce Pecado" foi feito em Los Angeles, com produção do americano Ronnie Foster (o mesmo de "Luz", de Djavan e vários trabalhos com Stevie Wonder), o que prova que a menina já rendeu lucros suficientes para a CBS fazer um investimento pesado.

Programas especiais de música

A Rádio Estadual do Paraná, numa promoção da Secretaria de Estado da Cultura, apresenta a seguinte programação para a semana de 18 a 24 de fevereiro:

Nas coisas do amor, o filme tamanho-família

"As Coisas Engraçadas do Amor" (Lido II, até quinta-feira, 5 sessões), é mais uma evidência de que a linha família-criança, que vem marcando uma parte considerável da produção americana, continua a dar bons resultados. Mesmo longe de se transformar num sucesso como "Esqueceram de Mim" (Cine Astor, 9 semanas), e mesmo sem alcançar "Três Solteirões e um Bebê", de Coline Serreau, que o mesmo Leonard Nimoy realizou há 4 anos, este "Funny About Love" é agradável e suave - daqueles que devolvem ao cinema a condição de diversão familiar.

No campo de batalha

Daniel Mazza, uma das vozes queridas da noite curitibana, também compositor e violonista, volta a mostrar seu talento no acolhedor bar do Araucária Flat, a partir do dia 15 de março, graças a visão do executivo daquele hotel, Zulmar Goulart. Profissionalmente, um dos campeões em vendas da Comercial Imobiliária Paranaense, Mazza intercala cuidadosamente suas temporadas musicais. xxx

Wilson Martins, o que se tornou um "brasilianista"

Wilson Martins, o mais internacional e respeitado dos scholars saídos do Paraná - embora paulista da capital, às vésperas de completar seus 70 anos (no próximo dia 21 de março), sempre identificou-se com Curitiba - é agora, oficialmente, considerado um brasilianista. Ao menos no conceito de outro brilhante professor, José Carlos Sebe Bom Meihy, paulista de Guarantinguetá, 48 anos (a serem completados também em março, dia 15), o professor Wilson Martins está entre os 60 brasilianistas que, vivendo no Exterior há muitos anos, se mantém fiel aos estudos e questões culturais brasileiras.

O mais notável dos scholars do Paraná

Anualmente, o professor Wilson Martins e sua jovem esposa, Annie, reservam os meses de junho e julho para virem a Curitiba. A presença do casal já faz parte do calendário cultural nestes dois meses e, normalmente, os muitos amigos que eles aqui tem, organizam um festival de encontros e recepções. Há dois anos, a vinda do professor Martins coincidiu com a reedição de seu mais polêmico livro, "Um Brasil Diferente", que, ao ser lançado em 1955, motivou acirrados debates na Biblioteca. Reeditado em 1989, em co-edição com a Secretaria da Cultura do Paraná e a editora T. A.

Heriberto, a paixão de um homem pelo Atlético

A paixão de Heriberto Ivan Machado pelo Clube Atlético Paranaense vem desde o dia em que ganhou de seu pai, também um fanático pelo clube fundado em 26 de março de 1924, uma chuteira, uma bola "e junto um livro com regras do futebol", acrescenta. Bom de bola, chegou a integrar o juvenil do Atlético e, mais tarde, defendeu as cores do Pinheirão, no bairro do Bigorrilho.

Tempo de guerra e reflexões na tela

Terminou o horário de verão e a época das vacas magras cinematográficas. Antecipando a festa do Oscar (25/03), chegam não só filmes indicados em várias categorias (como "O Poderoso Chefão 3", já programado para o dia 15, no Condor), como obras importantes, com diferentes leituras de temas interessantes.

Histórias do nosso futebol (II) - Levi, 37 anos valorizando os craques de nossa várzea

A capa de "Futebol / Paraná / História", de Heriberto Ivan Machado e Levi Mulford Chrestenzen (edição dos autores, 658 páginas, lançado há duas semanas) traz uma foto em que três garotos assistem um jogo de futebol na várzea. Num feliz flagrante de Hermanito Christensen, 67 anos, irmão de Levi, de costas, três meninos - de boné, calças com suspensórios - vibrando num jogo como era tão comum acontecer nos improvisados estádios que se multiplicavam nos bairros de Curitiba.

Histórias de nosso futebol (III) - O mais curto dos jogos e um juiz que quase acabou louco

Embora seja, fundamentalmente, uma obra expositiva e cronológica da evolução do futebol no Paraná, o livro que os pesquisadores Levi Mulford e Heriberto Ivan Machado realizaram após anos de pesquisa traz fatos curiosos - inclusive detalhando estórias que, até hoje, faziam parte do folclore futebolístico - mas sem maiores detalhes.

Said, o pioneiro na edição de sua "A Civilização Árabe"

Há exatamente 25 anos, graças ao idealismo de um dos mais eruditos emigrantes árabes que já chegou ao Paraná, Said Mohamad El-Khatib (Kerde-Troha, Líbano, 20/12/1917 - Curitiba, 30/08/1988), era publicada o entendimento de um povo e de toda uma região do Planeta: "A Civilização Árabe".

A época feliz do Kuwait que dava dólares até ao "Quem"

Normalmente, amanhã seria um dia de recepções de primeira categoria nas embaixadas de um pequeno e riquíssimo país árabe. Afinal, a Data Nacional sempre justifica que ao menos as embaixadas e consulados recepcionem convidados para encontros de autoridades, diplomatas e outras personalidades. Só que este ano não é de festas: o Kuwait (Kuait em algumas grafias) vive seus piores momentos desde setembro do ano passado quando foi invadido pelas tropas do ditador do Iraque, Sadam Hussein.

O cinema para leitura agrada cada vez mais

O mercado editorial diversifica-se. Se os best-sellers produzidos em linha industrial - como os que a Record tão bem sabe escolher para garantir sua presença entre as que têm maiores êxitos - sucedem-se para uma faixa de consumidores pouco exigentes, amplia-se cada vez mais o interesse por gêneros específicos ou mesmo de obras jornalísticas.

Luiz Renato introduz "one way" no mercado

Pioneiro do Vídeo no Paraná, ao fundar em 22 de maio de 1980 o Tape Clube do Paraná, Luís Renato Ribas está entre os donos de locadoras de maior prestígio no Brasil. Prova disto é que nos últimos meses foi o único empresário do setor convidado para três importantes eventos - uma convenção da Warner, em Atibaia, a festa com que comemora um milhão de cópias vendidas e, especialmente, para ser um dos debatedores de questões de vídeo-locação em seminário organizado por Rodolfo Neves, em São Paulo.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br