Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Álvaro Dias

Álvaro Dias

Pompília e Samuel, os nossos novos imortais

Vinte e um intelectuais paranaenses terão nesta quarta-feira, 3, oportunidade de mostrarem dignidade e homenagearem duas das maiores personalidades de nossa vida cultural. A eleição - que deve ser por unanimidade - de Pompília Lopes dos santos, 91 anos e Samuel Guimarães da Costa, 72, para as cadeiras 37 e 20 da Academia de Letras do Paraná (*), transcede as limitações daquela entidade fundada em 26 de setembro de 1936 pelo escritor Ulisses Falcão Vieira.

Alexandre ensina como é o jornalismo de bico

Liberto das exaustivas funções de editor-executivo de O Estado do Paraná - cargo no qual dedicou mais de 25 de seus 30 anos de jornalismo - e com a experiência de ter ocupado, na administração Álvaro Dias, a Secretaria de Comunicação Social, o jornalista Mussa José Assis, 48 anos, tem programado para os próximos meses concluir ao menos dois livros práticos sobre jornalismo. Já tendo exercido o magistério no curso de Comunicação da Universidade Católica do Paraná - e ali deixando saudades pela sua didática e competência, Mussa tem muito a ensinar às novas gerações.

Só o auditório do Centro ficou pronto para a sua inauguração

Novos auditórios para a cidade: após os 250 lugares do Palácio Avenida - que inaugurado na última terça-feira, teve neste final de semana sua primeira programação com a Orquestra de Câmara de Blumenau, a cidade recupera outro importante espaço: os 1.800 lugares do antigo Cine Vitória - agora Centro de Convenções de Curitiba.

Governo Requião, ano 0: mudança de guarda

Governo Roberto Requião, hora zero. O velho adágio de que "vassoura nova varre bem" confirmou-se pelos ponteiros do relógios: às 7 horas da manhã de ontem, em algumas repartições - e mesmo no Palácio Iguaçu - já havia gente nos corredores. Janelas abertas, salas limpas, mesas em ordem - um clima de assepsia burocrática nesta mudança da guarda (civil) das coisas do Estado. Mesmo em clima de branca paz - na sucessão tranqüila da administração Álvaro Dias - obviamente que começam nesta semana as primeiras substituições.

No campo de batalha

O Goethe Institut não para de fazer promoções culturais. Em abril, de 2 a 25, mostra em sua sede 25 fotografias em preto e branco de Berlim, Bremen, Muenster e Belo Horizonte, feitas por Carlos Lopes, 29 anos, fluminense de Teresópolis, mas radicado em Belo Horizonte. A exposição chama-se "Stille Sensationen". xxx

Dona Ester e suas plantas medicinais

Se o ritmo continuar, 1991 será um ano rico em termos editoriais. Sem contar o pacotaço de edições que o secretário René Dotti, da Cultura, decidiu colocar na praça antes do encerramento da administração Álvaro Dias (embora conste que sua permanência na pasta já ficou acertada), outras edições locais começam a aparecer. A Secretaria da Cultura programou quase três dezenas de novos títulos, de vários gêneros e formatos, o que dá uma média de mais de um lançamento por dia útil, até o fim deste governo.

No campo de batalha

Daniel Mazza, uma das vozes queridas da noite curitibana, também compositor e violonista, volta a mostrar seu talento no acolhedor bar do Araucária Flat, a partir do dia 15 de março, graças a visão do executivo daquele hotel, Zulmar Goulart. Profissionalmente, um dos campeões em vendas da Comercial Imobiliária Paranaense, Mazza intercala cuidadosamente suas temporadas musicais. xxx

No campo de batalha

Um dos mais ecléticos tecladistas do Paraná, Lalo, retornou há meses da Bélgica - onde morou por 5 anos, e hoje é dono do restaurante Luganos, associado aos seus filhos Maria Luísa e Ladislau, que ali instalaram um moderno sistema de fone-pizza. Os garotos, aliás, estagiaram em restaurantes na Itália buscando receitas exclusivas. xxx

Uma lição do mestre Francis na imprensa

Existem textos que merecem ser afixados defronte nossos olhares pela carga de verdade que trazem. Durante anos, o jornalista Mussa José Assis, 47 anos, ex-secretário de Comunicação Social do governo Álvaro Dias e que, esperamos, retorne agora à nossa redação - cujo comando teve sua marca desde 1965 - manteve sobre o vidro de sua mesa de trabalho um antológico texto de Ernest Hemingway (1899-1961), no qual o autor de "Adeus às Armas" fala sobre a profissão de repórter.

Mussa, esse grande cidadão curitibano

Protegido pelo vidro na mesa que ocupa há 25 anos na redação de O Estado - e da qual só está afastado há cinco meses, por ter assumido a Secretaria da Comunicação Social - o jornalista Mussa José Assis sempre espelhou-se num texto curti, objetivo, em que Ernest Hemingway (1899-1961) fala de que antes de ser um escritor, sempre se considerou um repórter.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br