Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Érico Veríssimo

Érico Veríssimo

A mineirice do Grande Mentecapto na tela.

Gramado - Mesmo que não saia com o Kikito de melhor filme deste festival porque, afinal, surpresas podem acontecer (e os resultados só foram anunciados na noite de ontem, impossíveis assim de serem registrados neste espaço), "O Grande Mentecapto" obteve a maior aceitação do público - o que o fez o maior favorito ao troféu do júri popular - e entre (muitos) méritos tem o de conseguir aquilo que poucos filmes têm obtido: uma fácil, deliciosa e emocionante comunicação.

Os curtas e médias que não chegam aos cinemas

Como Francisco Alves dos Santos e Geraldo Pioli, do setor de cinema da Fucucu, estiveram em Gramado, assistindo o festival, é de se esperar que já tenham agilizada a inclusão de Curitiba no roteiro das salas especiais em que serão exibidos os curtas e médias, em 16 e 35mm, que ali foram levados. Nos próximos dias, no Cine Clube Estação Botafogo (Rio de Janeiro) e no Museu de Imagem e do Som (São Paulo) os interessantes filmes, nestas metragens, poderão ser vistos pelos interessados. Complementa-se assim, ao menos para os cinéfilos cariocas e paulistas (e Curitiba, como fica?

Esquenta a competição neste fim de semana

Gramado - É difícil circular no Centro de Convenções do Hotel Serrano. São centenas de pessoas - entre artistas, cineastas, produtores, jornalistas, etc., etc. - que se acotovelam pelo amplo hall, lotam a sala Érico Veríssimo - na qual acontecem as projeções dos filmes em 16mm e os debates dos filmes em competição, espalham-se pelos outros espaços deste moderno local que tem no festival de cinema o seu principal evento anual.

No campo de batalha

1) - Difícil, com antecipação, fazer previsões das premiações de hoje à noite. Após a exibição hors concours de "Lili, a Estrela do Crime", de Lui Farias (que representou o Brasil no último FestRio, ao lado de "O Mentiroso", de Werner Schulmann), serão anunciados os vitoriosos desta 17ª edição do Festival de Gramado. Em termos de voto popular, os preferidos são "O Grande Mentecapto", entre os longas, e "A Garota das Telas", de Cao Hamburger - filme de animação que fascina o público (é até covardia colocá-lo em competição após já ter sido premiado em outros festivais). xxx

"Dançando com um Estranho", a boa estréia vem da Inglaterra

"Super-Homem IV: em Busca da Paz", novamente com Christopher Reeve, Gene Hackman, Jackie Cooper e Margot Kinner - mas trazendo também a bela loira Mariel Hemingway (neta do eterno "Papa" Hemingway) é a atração principal da semana (cines Palace-Itália e Itália), mas há outras opções.

Caça aos piratas traz melhoria para mercado

O negócio está em tamanha alta que até mereceu matéria de capa do "Caderno 2" de "O Estado de São Paulo", 09/01/88: a entrada para valer no mercado de vídeo de grandes produtoras-distribuidoras, enquanto outras, menores, capricham em seus lançamentos.

No campo de batalha

Agora bem organizada estruturalmente, a Globo lança a "Globo-Revista Literária", com edição de Jaime Rodrigues e trazendo interessantes textos sobre seus grandes editados: Mário Quintana, Jorge Luis Borges e Érico Veríssimo. xxx O catálogo da Globo é amplo e variado e, pela primeira vez é possível encontrar toda a obra de Mário Quintana, em edições baratas e cuidadosamente produzidas: "80 Anos de Poesia", "Baú de Espantos", "Nova Antologia Poética", "Apontamentos de História Sobrenatural" e seu livro infantil "O Batalhão das Letras", ilustrado por Vera Muccillo. xxx

O som com Glass está em Koyaanisqatsi e Mishima

Se fosse planejado, talvez não desse certo. Mas nas bruscas mudanças de programações a coincidência aconteceu: na mesma semana, a dupla chance de se curtir dois filmes com trilhas sonoras do mais famoso compositor minimalista do momento, o americano Philip Glass, 48 anos, que passou a ser consumido vorazmente no Brasil - ao ponto de já existir cinco elepês com suas obras entre nós.

Troféu Kikito ao vencedor, mas sem dinheiro

GRAMADO - A seriedade e prestígio do Festival de Cinema que desde 1973 se realiza nesta paradisíaca cidade serrana é hoje tão forte que nem o fato do cancelamento dos prêmios em dinheiro aos vencedores desta 15ª edição fez com que se reduzisse o interesse pelo evento.

Guerra no Oeste em realidade e ficção

Com mais de 30 títulos em catálogo e numa salutar ascendência entre as editoras regionais, a Criar, de Curitiba, tem nada menos que 11 títulos programados para lançar nos próximos meses. Diversificando sua produção, o editor Roberto Gomes, 41 anos, catarinense de São Francisco do Sul que há quase 20 anos optou por Curitiba, está vendo a antologia "Contos Cubanos do Século XX", lançada durante a 9ª Bienal Internacional do Livro, obter uma justa projeção nacional, o que talvez obrigue a antecipar o segundo volume, inicialmente previsto apenas para 1987. xxx
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br