Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Aleixo Zonari

Aleixo Zonari

Boneco dourado influi na dança da exibição

Só ontem à tarde, a programação dos principais circuitos de exibição do Brasil, ficou definida para os próximos dias. Com a relação dos premiados na 64ª Festa do Oscar, executivos da Fama Filmes - a começar pelos irmãos Arnaldo e Aleixo Zonari - determinaram o remanejamento dos programas em exibição, refletindo os resultados das premiações.

Boca de Ouro, Spielberg e Harry & Sally

Várias - e atraentes - opções nas telas. De princípio, um fato altamente significativo: o lançamento nacional (junto com outras praças) de uma produção brasileira de um milhão de dólares: "Boca de Ouro", refilmagem que o tv-man Walter Avancini, em sua estréia como diretor de cinema em 43 anos de teatro e novelas, realizou da famosa peça de Nelson Rodrigues. O filme reúne nomes consagrados da tevê, como Tarcísio Meira, Cláudia Raia, Osmar Prado e traz, numa tentativa de mostrar que é (?) atriz, a modelo Luma de Oliveira.

"Sammy e Rose", a única estréia

Com a inteligente decisão de Aleixo Zonari em manter, por mais uma semana, em exibição, o excelente "Harry e Sally - Feitos um para o Outro" (Cine Astor) e, mesmo não tendo encontrado uma boa bilheteria, a refilmagem de "O Boca de Ouro", continuar no Cine Plaza, praticamente há apenas um lançamento nesta semana: no Cine Ritz, "Sammie & Rose", produção inglesa, 1977, direção de Stephen Frears ("Minha Querida Lavanderia", "Ligações Perigosas"), que teve seu pré-lançamento, há três anos, no FestRio e que só agora está sendo lançado no circuitão.

A mais emocionante das sessões

Já conquistou dois dos mais importantes prêmios internacionais: especial do público em Cannes, no ano passado e o Globo de Ouro, melhor filme estrangeiro exibido em 1989, concedido no final de dezembro pela Associação de Imprensa Estrangeira de Nova Iorque. Fácil, fácil, é o favorito para levar também o Oscar de melhor filme estrangeiro na noite do próximo dia 26 - embora concorra com quatro outras importantes produções (1).

Crianças encolhidas e mestre da música são boas estréias

Apesar de alguns filmes se manterem em cartaz, vindo ainda do final do ano passado - como "De Volta para o Futuro II" (Condor/Lido I), "Os Trapalhões na Terra dos Monstros" (Cines São João e Lido II, sessões da tarde) e "Os Caça Fantasmas II" (agora, em programa duplo, com "La Bamba", No Morgenau), começa a existir uma renovação na programação.

Estreantes vencem no Festival de Curitiba

Dois estreantes em longa-metragem, 35mm, acabaram sendo os principais vencedores do I Festival de Cinema Cidade de Curitiba: Alain Fresnot, 38 anos, com "Lua Cheia" e "Maria Letícia", 42, com "1º de Abril - Brasil" ganharam nas categorias principais: melhor filme e direção. E com isto viajarão - quando quiserem - para a República Federal da Alemanha, utilizando as passagens que a Lufthansa ofereceu como premiação principal.

Os bons filmes que voam na programação

São curiosos os caminhos da programação cinematográfica. Enquanto uma comédia limitada, com um tema ingênuo e que se apropria, no máximo, para lançamento em dezembro, às vésperas de Natal, como "Os fantasmas contra-atacam" - idiota título que "Scrooged", o famoso conto de Charles Dickens, recebeu numa adaptação modernosa, ganhou três semanas de exibição no cine Lido 1 (só quinta-feira ali foi substituído por "U2 - Rattle and Hum"), no Astor, nas últimas três semanas, foram queimados três dos filmes mais interessantes do ano.

Nos palcos de Curitiba, ainda um autor inédito

Em São Paulo, na última semana de novembro, houve uma feliz coincidência: a estréia de "O Amor Não Tem Sexo" coincidiu com o início da temporada de "O Olho Azul da Felicidade" (The Loot), primeiro sucesso de Joe Orton (1964) - com direção do curitibano Marcelo Marchioro.

Afinal, filmes de ação para lotar os cinemas da cidade

Para que Aleixo Zonari, o simpático comandante local do circuito Fama Filmes, volte a sorrir - após semanas de rendas indigentes na maioria dos cinemas de seu grupo - estreou ontem "Máquina Mortífera 2", que no esquema de violência-ação pretende repetir o êxito de bilheteria da primeira parte, realizada há dois anos e que foi um dos grandes êxitos de bilheteria da temporada de 1987/88. Em termos de qualidade, não há que se esperar muito...
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br