Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Ary Barroso

Ary Barroso

Violonistas

São tão raros os discos de solistas de violão que os lançamentos merecem registros, mesmo quando ocorridos já algum tempo - como no caso dos álbuns de Turíbio Santos e Julian Breach, ambos do elenco internacional da RCA, interpretando as mesmas peças - 12 estudos para violão de Heitor Villa-Lobos (5 de março de 1887-17 de novembro de 1859) ou as avançadas propostas de Stênio Mendes, somando ao violão, também a craviola (invenção de seu tio, o consagrado Paulinho Nogueira), vozes e percusão.

Cantores/compositores (III)

Um tema fascinante a ser explorado em trabalho de profundidade: estudar as influências geográficas na formação musical dos compositores, em suas canções, em sua visão artística ou comercial. A idéia surge-me ouvindo vários cantores e compositores, que independente de suas terras natais, podem se agrupar nos chamados "grupos" paulista ou carioca. Por exemplo, há 15 anos, quando Vinícius de Moraes declarou, no auge da Bossa Nova de que São Paulo era o túmulo do samba, houve quase uma revolução. Protestos, movimentos, ensaios, críticas, etc.

As canções do dinheiro

Primeira mão nacional: o Banco do Brasil vai comemorar em outubro a inauguração da agência número mil - em Macapá - com uma série de eventos. Com toda a razão: em todo o mundo existem apenas três bancos que possuem mil agências. xxx

Waldir & Dilermando

Dois veteranos instrumentistas que já deram muitos momentos de felicidade à música brasileira estão com novos discos na praça ambos, infelizmente sem o tratamento merecido. O primeiro deles é o grande Waldir Azevedo (Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 1923), autor de clássicos como "Delicado", "Brasileirinho" e ""Pedacinho do Céu" e que há anos encontrava-se afastado da vida musical brasileira. Residindo em Brasília, sofreu um acidente em que só não perdeu um dos dedos da mão esquerda por milagre.

Justiça a Déo

Ao se propor a realizar a série de reedições para a Continental, utilizando o seu impressionante acervo, o pesquisador João Luiz Ferreti decidiu que não se restringiria aos nomes conhecidos e ainda com uma popularidade capaz de garantir boas vendas, mas também procuraria revalorizar artistas injustamente esquecidos. E tanto é que o volume 20, é dedicado a um cantor dos mais importantes durante pelo menos duas décadas (30/40) e que hoje não é lembrado por muitos poucos: Déo (Ferjalla Rizkalla, 10 de janeiro de 1914 - 23 de setembro de 1971).

Odair & Gonçalves

Pouco a pouco os compositores e intérpretes vão entendendo que de nada adianta as piruetas e alocubrações pop internacionalistas e que apesar de todo o mercantilismo (e indiotização de parte dos consumidores jovens) do mercado, o negócio mesmo é se voltar para as coisas de nosso País. Odair Cabeça de Poeta, líder do grupo Capote, é um exemplo disso: surgiu há 5 anos, na onda pop, com uma linha indefinida, acompanhado por músicos como Koelho Marinho, Edgar e Geraldo Rosas, mas não chega a obter destaque no elepe " Grupo Capote no Forrock" (Continental, SLP 10.1000, 1073).

A música de Noel, Ary, Tom & até RC

A exemplo da odeon, a Phonogran também vem criando várias coleções para agrupar importantes reedições: Série Histórica, Autografos de Sucesso, A Arte De... (esta também com alguns lançamentos novos, como os excelentes álbuns duplos dedicados a Nina Simone e ao violonista Paco de Lucia). A esta séries, acrescenta-se agora a série "A Música de ..", com três primeiros títulos bastante expressivos e um quarto lançado por compreensíveis razões comerciais. Aproveitando material de seu farto catálogo, o produtor Sérgio M.

A música de Noel, Ary, Tom & até RC

A exemplo da odeon, a Phonogran também vem criando várias coleções para agrupar importantes reedições: Série Histórica, Autografos de Sucesso, A Arte De... (esta também com alguns lançamentos novos, como os excelentes álbuns duplos dedicados a Nina Simone e ao violonista Paco de Lucia). A esta séries, acrescenta-se agora a série "A Música de ..", com três primeiros títulos bastante expressivos e um quarto lançado por compreensíveis razões comerciais. Aproveitando material de seu farto catálogo, o produtor Sérgio M.

Em todas as rotações... Em todas as direções...

Na próxima sexta-feira, no gabinete do professor Roberto Parreiras, coordenador do Plano de Ação Cultural do Ministério da Educação e Cultura, no Rio de Janeiro, a diretoria da Associação dos Pesquisadores da MPB, mais o jornalista J. Ramos Tinhorão, reune-se para discutir um grande projeto: levantamento da discografia brasileira e planejamento do dicionário enciclopédico da MPB. Duas antigas idéias que agora, com apoio oficial, poderão ser concretizadas, graças ao entusiasmo de Maria Alice, assessora do MEC para a área de música popular. xxx
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br