Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Biblioteca Pública do Paraná

Biblioteca Pública do Paraná

O nosso cinema nesta I Mostra

Apesar da característica de ser uma Mostra Latino-Americana, o evento que movimenta Curitiba desde domingo, buscou prestigiar o verdadeiro cinema paranaense. Nada menos que 11 dos curtas e médias metragens que estão sendo projetados (16 horas, auditório Paul Garfunkel; 18,30 horas, cine Lido I) são realizações de cineastas de nosso Estado.

Hermínio, a permanente defesa de nossa cultura

Para deslanchar uma semana extremamente musical, a partir do dia 10, que incluirá shows de Ivan Lins, Luiz Melodia, Mae East, e finalmente, Paulinho da Viola, nada melhor do que a presença de uma das pessoas que mais tem trabalhado em favor da MPB: Hermínio Bello de Carvalho.

"Tigipió", quando o conto chega a tela

A adaptação de obras literárias para o cinema foi um dos pontos em debate ontem, pela manhã, na mesa redonda sobre "Literatura e Roteiro no Cinema Brasileiro". Um dos expositores foi, justamente, o cineasta Pedro Jorge de Castro, 42 anos, professor da Universidade Federal de Brasília e que estreou no longa-metragem com "Tigipió - Uma Questão de Amor e Honra", baseado num conto que seu conterrâneo, o cearense Herman Lima (1897-1981) publicou em 1934.

Os médias-metragens na busca do melhor espaço

"A Classe Roceira", documentário que a curitibana Berenice Mendes rodou há dois anos sobre os sem-terras e que recebeu as duas principais premiações - troféus Samburá e Benjamin Abrão - no II Festival de Fortaleza do Cinema Brasileiro, é ainda inédito para o público de Curitiba. Mesmo com a lei que obriga os cinemas das cidades com mais de 200 mil habitantes a programarem nas sessões em que são exibidos filmes estrangeiros a projeção de um curta-metragem nacional, filmes como o de Berenice - aplaudidos e elogiados - continuarão vetados.

Hermínio, uma autobiografia!

Ele é poeta, letrista, produtor fonográfico, diretor de shows, bom amigo e excelente copo. Tem o dom de fazer coisas bonitas em tudo que se propõe, seja uma música, um show, um livro. Seus amigos espalham-se pelo mundo e é um dos batalhadores pela cultura de raízes, valorizando tudo que é brasileiro da gema. Já houve até quem o quisesse como Ministro da Cultura ou presidente da FUNARTE - sem falar na Secretaria da Cultura do Rio de Janeiro. Mas ele prefere ser apenas um agitador cultural lutando pela MPB, fazendo projetos belíssimos - como o Bello de seu nome.

Ascêncio e os professores

O secretário Ascêncio Garcia Lopes, do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia, não está sendo muito habilidoso na condução nas negociações para a incorporação da Escola de Música e Belas Artes do Paraná e Faculdade de Educação Musical do Paraná. Apesar de ter sido procurado por comissões de professores das duas escolas, que pleiteavam o direito de opinarem na elaboração do projeto que trata de uma fusão em temperatura tão elevada e com ingredientes mais apimentados do que a comida baiana, até o momento o ilustre secretário não se dignou a ouvir os mestres.

No campo de batalha

Marlene Flores Travassos, pesquisadora e animadora de eventos, está na cidade fazendo importantes contatos. Atualmente, é assessora de relações públicas do empresário José Luís Moreira de Souza, presidente da Capri, grupo com ramificações em vários setores. Entre outros projetos, José Luís é co-produtor de um filme, de pretensões internacionais, para lançamento em 1988. xxx

No campo de batalha

Preços dos aluguéis atingindo a estratosfera. Para conseguir um apartamento de cobertura, à altura do cargo que ocupa, a nova consulesa da República Federal da Alemanha assinou contrato que dará ao (feliz) dono de um penthouse próximo ao Hospital Militar nada menos que Cz$ 150 mil mensais. Reajustados a cada 90 dias pelas oscilações da OTN. xxx

No campo de batalha

Fato estranhável que o jornalista Milton Ivan Heller constatou na Divisão de Documentação Paranaense da Biblioteca Pública do Paraná em suas pesquisas sobre os anos de repressão, para o livro-reportagem que está escrevendo: desapareceram todas as coleções de jornais do Paraná entre janeiro a abril de 1964. xxx

Nas memórias de Wainer, a saga da "Última Hora"

Um dos projetos mais urgentes na área da documentação paranaense é a microfilmagem de todas as coleções de jornais existentes na Biblioteca Pública do Paraná. Fonte primária para qualquer pesquisa que se relacione ao nosso Estado, o manuseio das coleções vem provocando sua deterioração, a tal ponto que muitos volumes já se encontram em precárias condições. Todos os jornais são preciosos mas alguns, pela quantidade de informações são mais consultados.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br