Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Caetano Veloso

Caetano Veloso

Dominguinhos, cada vez melhor e mais romântico

Pela sua própria popularidade de Norte a Sul e opções de utilização nos mais diferentes gêneros musicais, além de "sozinho fazer um baile" - como dizia um velho acordeonista de São José dos Pinhais - este instrumento tem uma popularidade única. Afinal, piano é ainda imagem de música de elite (mesmo quando no popular) e o violão é mais para ser ouvido do que dançado - restando, portanto, ao acordeom, a função de estímulo aos arrastapé da vida

No dia 26, a entrega do "Grammy" nacional

A intenção é manter os resultados no mais absoluto sigilo, no melhor estilo do Grammy e do Oscar. Assim, o diretor do Instituto Paulista de Pesquisas de Mercado, Antonio Leal de Santa Inês, está supervisionando com o maior cuidado a votação final para a entrega do Troféu Villa-Lobos, na promoção da Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Ao ser instituída, em 1974, O Troféu era apenas para os que vendiam mais discos, mas neste ano, além dos campeões comerciais, haverá também premiações de qualidade.

Filme-tese faz a revisão do que foi o tropicalismo

Brasília Na abertura de "Infinita Tropicália", o média metragem de Adílson Ruiz sobre Os Anos 60, o compositor baiano Tom Zé, 50 anos, dirige-se à platéia e indaga: - A curta seqüência é propositalmente mal focalizada, num intuito de protesto contra uma das maiores queixas dos cineastas em relação ao mercado exibidor: a medíocre qualidade de projeção hoje, aliás, uma das preocupações da própria Embrafilmes.

Gay, vida, morte, amor. Vale tudo na temática dos filmes do FestRio

Rio de Janeiro O amor, a vida e a morte. Parece até título para um melodrama - mas que, após os quatro primeiros dias deste III Festival Internacional de Cinema, Vídeo e Televisão marca o clima dos filmes em competição, já vistos - ou , mesmo, muitos dos que estão sendo apresentados nas inúmeras mostras paralelas.

O som explícito da Garganta Profunda

Uma bela, talentosa e desinibida curitibana, Julcilene Kassou, 21 anos, múltipla instrumentista (sax, baixo, teclados), formada pela Faculdade de Educação Musical, ex-estudante de arquitetura e agronomia, é a mais nova integrante de um dos melhores grupos vocais do País, o Garganta Profunda que neste final de semana se apresenta, pela primeira vez, em Curitiba (auditório Salvador de Ferrante, hoje, 21 horas, amanhã, 16 horas, ingressos a Cz$ 70,00). xxx

Os Caymmis, esta família de luzes e cores musicais

A velha escrava contava Ai vovó aprendia Vovó contava mamãe Velhos casos que sabia Velhas estórias da Bahia (Dorival Caymmi, uma canção inédita só agora gravada: "Velhas Estórias"). xxx As canções são conhecidas desde a nossa infância. Crescemos ouvindo ele falar dos pescadores que morrem no mar - que é bonito, bonito; da Dora, rainha do frevo e do maracatu; da Marina, morena que já é bonita com o que Deus lhe deu; da vizinha do lado, que quando passa, com seu vestido de grená, todo mundo diz que é boa ou da Maracangalha, passárgada de sonhos e desejos.

Geléia Geral

Há 14 anos, voltando a gravar após ausência de anos, João Gilberto incluía entre 10 maravilhosas faixas, uma (rara) composição própria, com três diferentes títulos - VALSA/COMO SÃO LINDOS OS YOUGIS/BEBEL. Apenas em scat - canto sem letra - e mostrando toda sua maravilha vocal (que o faz, para sempre, o nosso cantor favorito), João prestava uma emotiva homenagem a sua filha, Bebel, então ainda criança - filha de seu casamento com Miucha (Buarque de Holanda).

Geléia Geral

Durante 20 anos, Nana Moustakis permaneceu ignorada no Brasil. Agora, em menos de 40 dias, a Polygram lança dois de seus elepês. Primeiro foi "Alone", puxado por um hit - "Only Love", catapultada ao ser incluída na trilha sonora de "Selva de Pedra". Agora, a exemplo do que fizeram outros artistas franceses, Nana gravou um disco em português ("Liberdade"), cuja música-título foi extraída da ópera "Nabuco", de Verdi. Uma coleção de dez lindas canções, entre elas "O Nosso Lar" (J. P.

O cinema (muito) falado de Caetano

Horas após assistirmos, em sua estréia mundial, ao filme "O Cinema Falado", em exibição hors concours durante o III FestRio (novembro/86), e relatando em O Estado do Paraná a polêmica que se seguiu, provocada pelas (justas) vaias que o cineasta Arthur Omar ("Tristes Trópicos", "O Som") estimulou durante a projeção na Sala Glauber Rocha (Hotel Nacional, RJ), escrevíamos que este seria o filme que mais discussões provocaria e ganharia os melhores espaços na imprensa nacional. E não deu outra!
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br