Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Chico Buarque de Hollanda

Chico Buarque de Hollanda

O canto das mulheres no fim de uma década

O ano encerra, como sempre, com superstars fonográficos, capazes de esquentar um mercado que sofre naturalmente, os reflexos da inflação (o disco já ultrapassou a barreira dos três dígitos, deixando de ser um produto ao alcance da empbrecida classe média) e assim a disputa acontece entre estrelas como Roberto Carlos - como sempre, em seu elepê anual, colocado nas lojas somente em dezembro, Simone, Beth Carvalho, Alcione, entre as mulheres mais famosas.

Nas asas do frevo

Asas da América, edição 1989 - novamente selo BMG - traz em seu repertório novos frevos de Carlos Fernando, percorrendo o eixo clássico do Carnaval brasileiro (Rio/Salvador/Recife/Olinda). É o caso de "No Dia em que Cristo Falou", interpretado por Chico Buarque, uma homenagem à Cidade Maravilhosa dedicada a Joãozinho Trinta e seu Cristo dos favelados; "Bahia Maria", na voz de Luiz Caldas; "Menina Pernambucana", com Alceu Valença; "Noites Olindenses", interpretada por Caetano; "Mamãe Aparecida", com o comercialíssimo Michael Sullivan - única presença dispensável neste disco.

Amélia e Clara, revelações veteranas para a nossa MPB

É sempre um risco apontar um(a) intérprete como revelação do ano quando, na verdade, este artista, em inúmeros casos, vem há anos batalhando pelo seu espaço. É o caso de Amélia Rabello, que estará em nossa edição dos melhores de 1989 como revelação do ano, mas que, na verdade, é uma estreante-veterana. Chegou agora ao seu primeiro elepê como solista (Velas/Polygram), mas com a esperiência, a bagagem e o rigor técnico de uma veterana. E não por acaso!

Joyce ao vivo. Maravilhosa!

O canto das mulheres continua belo. Independente das superstars Simone, Beth Carvalho e Marina - há outros discos marcantes, de gente da maior competência. Joyce, por exemplo, após dois álbuns-homenagem (a Vinícius de Moraes e Antônio Carlos Jobim), optou por uma gravação longe dos estúdios: "Joyce ao Vivo", gravado no Teatro Clara Nunes, Rio de Janeiro, nas noites de 13 e 14 de março de 1989, a partir do show roteirizado e dirigido por Túlio Feliciano, revela exatamente a intenção da cantora, passando uma intensa vibração e emoção.

O jazz saboroso que Cuba exporta

Cuba não é apenas sinônimo do (melhor) charuto e socialismo tropical mas, sim, sonoramente, um ilha de grande riqueza como se prova através dos gêneros & talentos musicais que ali surgiram. Se a Nova Trova Cubana - com Sílvio Rodriguez e Pablo Milanez - explodiu na última década, graças à ponte cultural que Chico Buarque (e outros intelectuais do primeiro time) souberam construir - há também outros criadores notáveis da música cubana, sem folclorismos & concessões que começam a acontecer mundialmente.

Bethania e Zizi encantam com toda a sensibilidade

Mesmo sem a intensidade de ciclos anteriores, a presença feminina na MPB se manifesta em vários segmentos e gêneros, provando o axioma de que o canto é das mulheres. Enquanto Simone não aparece com seu novo álbum de fim de ano, embora ganhe uma valiosa presença internacional na trilha de "Goya" (CBS), o musical de Maury Yestom inspirado na vida e amores do pintor espanhol, sua rival Maria Bethania já está há mais de um mês na praça com um álbum vigoroso, sensual e candidato a figurar entre os melhores e mais vendidos do ano ("Memória da Pele").

Um "Dia de Visita" que também foi emocionante

Umberto Martins, 41 anos, tinha todas as razões para sentir-se a pessoa mais feliz no encerramento do Festival. Presente desde a abertura - quando o seu curta, "Dia de Visita", antecipou ao primeiro longa em competição ("Uma Avenida Chamada Brasil" de Octávio Bezerra), viveu, com intensidade as emoções de seu primeiro festival.

Um repertório diversificado

Apesar de nunca ter visto "A um Passo da Eternidade" (A From Here to Eternity, 53, de Fred Zinnermann), Paulo Ricardo gostou da imagem do título e fez de um suave rock romântico a faixa de trabalho para catituagem de seu primeiro elepê solo. Para outro rock também com cinematográfico título - "Viver por Viver", nem sabia que foi o nome de um filme de Claude Lelouch (67) - fez apenas um canto de amor jovem, tão despojado quanto "A Arte de Fazer Amor".

Zuza na direção faz um belo espetáculo com Gilberto Gil

Habitualmente crítico de espetáculos - função que exerceu por mais de 10 anos em "O Estado de São Paulo", Zuza Homem de Mello está agora no outro lado do rio: desta vez é o diretor de um espetáculo que após estrear em Curitiba (domingo, 13), tem apresentações no Rio de Janeiro (Canecão, hoje) e São Paulo (Anhembi, sexta-feira e sábado): Gilberto Gil, Dominguinhos e uma nova cantora baiana - Margareth Menezes.

Gil, deus da Mu dança num momento harmonioso

Aos 47 anos - a serem devidamente comemorados na terça-feira, 27 de junho, Gilberto (Passos) Gil (Moreira) começa a se livrar daquela síndrome de Peter Pan. Em sua inegável criatividade e ligação com o que há de novo no mundo musical, Gil, desde 1963 - quando fez sua primeira música ("Felicidade Vem Depois", 1963, um samba bossa-nova ao estilo de seu ídolo João Gilberto) sempre esteve antenado com o novo.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br