Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Cine Luz

Cine Luz

"Paradiso" cinematográfico: os bons filmes estão nas telas

Uma semana com quatro atraentes estréias - uma delas, com toda certeza, entre as melhores do ano - faz com que jogadas às Cinzas deste Carnaval melancólico e sem personalidade que se encerrou, o espectador que não se deixe imbecilizar pela videomania tenha opções de ver filmes no prazer da tela ampla. Pois, para quem ama o cinema, assistir a um filme em 35mm, numa sala especial - mesmo com todos os inconvenientes, é ainda um programa estimulante.

"O Preço da Paixão" é a melhor estréia da semana

Depois de "Cegos, Surdos e Loucos" (Cine Plaza, 3ª semana), temos "De Médico e Louco todo Mundo Tem um Pouco" (Cine Condor) - o que bem exemplifica uma linha de comédias digestivas, amalucadas, mas realizadas com bom senso de marketing. E numa época em que é preciso conquistar o público cada vez mais arredio das salas, estes produtos cumprem sua função - embora não se deva esperar muito em termos artísticos. Afinal, são projetos de target certo, descartáveis em pouco tempo após cumprir o ciclo cinema/vídeo/televisão.

Apesar do boicote, Shoah continua na semana que tem Vênus e Batman

Se o V FestRio, em novembro do ano passado, teve uma musa ela foi, com certeza, a alemã Sonja Kirchberger. Alta, belíssima e, sobretudo, sensual esta ex-bailarina clássica, que estreou nas telas em "Armadilha para Vênus", desfilando ao lado do (feliz) diretor Robert Van Ackeren, se tornou mira de olhares, de Câmaras de televisão e fotógrafos. Especialmente após o filme ter sido exibido, na parte competitiva, representando a República Federal da Alemanha.

A Revolução Francesa no cinema

Com "Cinema & Revolução" (Cine Luz, apenas 3 sessões, a partir de hoje), a Aliança Francesa traz oito filmes, em cópias 16mm, legendadas em português, que refletem diferentes enfoques da Revolução Francesa. São de diferentes épocas e realizadores - quatro deles totalmente inéditos comercialmente, mas os demais também desconhecidos por uma nova geração. O que faz desta a programação mais interessante nesta semana.

A vida (e morte) de Joe, o dramaturgo, no cinema

Enquanto "Dangerous Liaisons", a segunda versão à tela do clássico romance de Pierre Chordelos de Laclos (1741-1803) abriu no último dia 10 o 39o. Festival Internacional de Cinema de Berlim - numa confirmação do talento do inglês Stephen Frears, finalmente reconhecido nos EUA, chega à Curitiba o seu polêmico "O Amor Não Tem Sexo" (Prick Up Your Ears), realizado em 1987 e que vem causando discussões em vários países - ao mesmo tempo que promove uma redescoberta da obra do dramaturgo inglês Joe Orton (1933-1967), biografado neste filme.

Afinal, filmes de ação para lotar os cinemas da cidade

Para que Aleixo Zonari, o simpático comandante local do circuito Fama Filmes, volte a sorrir - após semanas de rendas indigentes na maioria dos cinemas de seu grupo - estreou ontem "Máquina Mortífera 2", que no esquema de violência-ação pretende repetir o êxito de bilheteria da primeira parte, realizada há dois anos e que foi um dos grandes êxitos de bilheteria da temporada de 1987/88. Em termos de qualidade, não há que se esperar muito...

Oito estréias para que o público lote os cinemas

E, mais uma vez, aconteceu: Numa mesma semana, repleta de atrações paralelas em teatro, há uma conspiração de lançamentos com múltiplas estréias (e reprises) que, no mínimo, merecem serem vistas pelo público. Assim, haja tempo e energia para disciplinar agendas e acompanhar a programação cinematográfica - e o mais grave é que muitos dos (bons) filmes que desde ontem estão em cartaz ficarão apenas uma semana em exibição.

Só com ajuda do Banestado a Maria chegou ao Guairão

Só mesmo com uma generosa subvenção do Banestado (ao redor de NCz$ 60 mil) foi possível as duas apresentações de "Maria de Buenos Aires" em Curitiba, no último fim de semana. Com um custo de produção que fica em mais de US$ 30 mil por apresentação, a bilheteria - que não alcançou nas duas noites (sexta-feira e sábado) sequer US$ 20 mil, cobriria a despesa. Afinal, são 36 pessoas, entre cantores, músicos e pessoal técnico, mais cenários imensos - que custaram US$ 30 mil para chegar ao Brasil. xxx
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br