Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Cine Luz

Cine Luz

Nenhuma estréia mas voltam muitos filmes de qualidade

Início de ano, programação cinematográfica tranqüila. Permanecem em cartaz os lançamentos de maior apelo popular feitos no Natal e voltam muitas reprises. Partindo do raciocínio de que todos estão em férias, os exibidores não se arriscam com grandes novidades, preferindo programas de censura livre. Só que desenhos e filmes ingênuos não funcionam nos horários da noite e assim temos programações duplas.

O Oscar ajudará ainda mais a atração maior para o público

A surpreendente indicação de "Atração Fatal" ao Oscar de melhor filme - valendo também a Glen Close a disputa pelo troféu de melhor atriz (anteriormente já concorreu por três vezes), fará com que a carreira deste filme moralista e conservador, mas de grande empatia para o público classe média, estoure nas bilheterias do Condor, cinema em que estreou na semana do Carnaval. Apesar do esvaziamento da cidade durante o reinado do Momo, "Fatal Attraction" já fez ótima bilheteria nos primeiros sete dias de exibição - e agora, com as férias acabando, o público vai lotar todas as sessões noturnas.

Videonotas

A jornalista Rose de Carvalho é uma das mais eficientes profissionais na área da divulgação de cinema no País. Bem relacionada na imprensa nacional, tendo o senso da notícia, Rose sabe como motivar a informação de seus clientes. Portanto, uma boa contratação que a Vídeo Cassete do Brasil fez foi buscar Rose para promover suas produções. A Vídeo Cassete do Brasil é uma distribuidora e locadora de vídeo com um excelente acervo de fitas de ficção, dando atenção a uma área até há pouco esquecida: o esporte. xxx

Afinal, o novo cinema japonês

Quem tem medo do cinema japonês?

Mostras valorizam a semana

O bom senso prevaleceu e Francisco Alves dos Santos decidiu modificar a programação da Mostra do Novo Cinema Japonês, iniciada na segunda-feira no Cine Luz. Ao invés de apenas uma única sessão - às 20 horas - desde ontem, os filmes estão sendo apresentados também em sessões às 15 e 17,30 horas. Afinal, assim há maiores opções para quem se interessa em conhecer trabalhos de novos realizadores japoneses, os quais, não terão distribuição comercial entre nós.

Censura japonesa

As orelhas do cônsul-geral do Japão, em São Paulo, devem ter ficado vermelhas no entardecer da quinta-feira passada, quando o cineasta Mitsuo Yanagimachi, 43 anos, disse cobras e lagartos em relação à tentativa que o diplomata nipônico fez para censurar a exibição de "Festival de Fogo", um dos 14 longa-metragens que o Instituto Japão / Fundação Cinemateca Brasileira trouxe ao Brasil na mostra do Novo Cinema Japonês.

Leon urra em Curitiba para que se ouça a velha guarda

Hoje à tarde, na Divisão de Música Popular do Instituto Nacional de Música / Funarte, no Rio de Janeiro, Hermínio Bello de Carvalho, o incansável animador cultural reúne-se com Albino Pinheiro, presidente da Associação de Pesquisadores da Música Popular Brasileira e outras pessoas preocupadas com a memória de nossa música para estudar a realização de um quinto encontro. Uma proposta viável é que o mesmo possa acontecer em Curitiba, onde houve o primeiro, há 13 anos (28 de fevereiro a 2 de março de 1975, Auditório Salvador de Ferrante).

Carlos, o que viu "rei" Caetano nu

2,30 horas da madrugada de 25 de novembro de 1986. A sala Glauber Rocha - na verdade o teatro-auditório do Hotel Nacional, Rio de Janeiro - está superlotada. Artistas, jornalistas, tietes, convidados, assistem a primeira exibição pública de "O Cinema Falado", de Caetano Veloso. Astutamente, o produtor-empresário Guilherme Araújo havia mantido no mais completo segredo o longa-metragem dirigido pelo compositor.

Público ainda distante do bom cinema nacional

Com exceção dos Trapalhões e da reprise de "Um Caipira em Bariloche", com Mazzaropi (agora disponível também em vídeo), as bilheterias dos filmes nacionais lançados em 1987 em Curitiba foram insignificantes. Refletindo uma realidade nacional, o cinema brasileiro não teve boa performance comercial, apesar da qualidade de muitos filmes em exibição. Assim, se depender do mercado interno, só mesmo filmes como dos Trapalhões e "Eu", de Walter Hugo Khouri, conseguem se pagar e oferecer lucro aos investidores.

Muitos eventos e pouca competição

Professor de cinema da Universidade de Brasília e cineasta calejado em festivais, Pedro Jorge de Castro, 45 anos - e que apesar de ser o seu longa de estréia "Tigipió - Uma Questão de Amor e Honra", premiado com o troféu Pierre Kast no II FestRio, ainda não conseguiu lançamento deste belo filme - ao assumir a direção técnica do II Festival de Fortaleza do Cinema Brasileiro, decidiu modificar as regras do jogo. Assim a mostra principal de longa-metragem em 35mm, caracterizar-se-á como um "festival de seleção", ou seja, não competitivo. Explica Pedro Jorge:
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br