Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Cinemas de Curitiba

Cinemas de Curitiba

Assim é a VIDA!

"Espera-se envelhecer e teme-se a velhice: quer dizer, ama-se a vida e foge-se à morte" (Le Bruyére, 1645-1969, "Os Caracteres"). Se houvesse uma censura classificatória não só de idade, mas preventiva para emoções fortes em termos geriátricos, talvez até se justificasse que "Meu Pai - Uma Lição de Vida" (Lido II, 5 sessões, até amanhã em exibição) ganhasse a indicação de "desaconselhável (e perigoso) para maiores de 60 anos.

Na semana do Oscar, curta o sexo, mentiras e videotape

... and the Oscar goes to... E o Oscar foi distribuído eqüitativamente. Com exceção de "O Campo dos Sonhos", os outros quatro filmes que tiveram as principais nominations acabaram ganhando premiações - mais ou menos importantes de forma que com a super-super festa vista por um bilhão de espectadores em todo o mundo, via tv-satélite, é claro que os filmes devidamente oscarizáveis devem prosseguir em cartaz.

Agora, vamos ouvir novamente os veteranos Jolson e Powell

Alegrai-vos nostálgicos do (melhor) cinema musical americano. Uma preciosa coleção reeditando êxitos avulsos de oito grandes estrelas-vozes dos golden years de Hollywood acaba de ser colocado nas lojas graças a WEA, detentora dos direitos da ACA Records - por sua vez sucessora da Decca, que entre 1930/60 teve um elenco milionário.

A viagem dos operadores aos tempos da manivela

O título poderia ser "a mais emocionante das sessões". Como direito a estas lágrimas de saudades. E não foram poucos os senhores reunidos na manhã de quarta-feira, 7, que tiveram olhos umedecidos e sentiram um nó na garganta. Também não era para menos! Durante 130 minutos, viam na tela imagens de um pouco daquilo que viveram, sentiram e (mais) amaram: o cinema. A mágica usina de sonhos iluminados que, numa aldeia no interior da Sicília ou na Curitiba dos anos 30, como em qualquer outra cidade do mundo, tinha o mesmo encanto e fascínio. Daí a sua universalidade.

Não perca pelo título esta divertida comédia

Um dos aspectos mais divertidos do folclore cinematográfico é o que se refere aos títulos que os filmes estrangeiros recebem no Brasil. Desde os anos 20, quando a indústria cinematográfica americana começou a fazer seus produtores chegarem até nós têm sido cometidos verdadeiros atentados em termos de "adaptar" os títulos originais para que haja um "interesse" do público. Pérolas da imbecilidade são freqüentes e a mais recente delas é a que a United International Pictures, no Rio de Janeiro, deu a "Parenthood": O TIRO QUE NÃO SAIU PELA CULATRA.

No campo de batalha

1) - Dois dos mais belos rostos internacionais presentes no festival não estão nas telas, mas sim no júri de longa-metragens. A espanhola Assumpta Serna, que Pedro Almodovar lançou em "O matador", (e que há três anos esteve no Rio, quando aquele filme disputou pela Espanha) e que recentemente participou das filmagens, na Bahia, da produção americana "Wild orchide". Já a francesa Helena Bonham Carter, cabelos pretos, pele branquíssima, apesar dos conselhos para não se expor ao sol fortíssimo, na manhã de quarta-feira, já parecia queimadinha.

Quem bom que o documentário de Lúcia esteja em exibição

"Que bom te ver viva", em nossa opinião o mais importante, oportuno (e não oportunista) e sincero filme brasileiro - disparado o melhor de 1989 e um dos 10 mais importantes da década - chegou ontem à tela do cine Ritz (5 sessões, previsão de ao menos duas semanas em cartaz).

Trapalhões disputam público com os Caça-Fantasmas e Viagens ao Futuro

"Os Trapalhões na terra dos monstros", desde ontem em lançamento nacional (em Curitiba, cines São João, Lido II e Itália) deverá permanecer dois meses em cartaz, com casas lotadas. O mesmo esquema de cinema descompromissado, juntando-se a Aragão, Dedé Santana, Mussum e Zacarias, outros nomes popularizados pela televisão - como a ninfeta Angélica, o cantor Conrado, a top model Vanessa de Oliveira, Gugu Liberato, grupo Dominó, mais Benjamin Cattan e a veterana Gerogia Gomide.

Abismo oceânico é a única estréia na semana de Natal

Nesta penúltima semana do ano, com festas e preparativos para as férias de verão, a temporada cinematográfica é de vacas gordas. Lançamentos especiais, com público alvo nas platéias infanto-juvenis, em condições de qualidade. Mas rendas abaixo do que se esperaria - considerando-se anos anteriores. O que é natural, já que a crise financeira atinge a classe média e "c" - ainda as que mais frequentam os cinemas, já que nas classes "a" e "b" superior, a opção fica por conta do vídeo cassete.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br