Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Cinemateca do Museu Guido Viaro

Cinemateca do Museu Guido Viaro

Também assim não há público que resista

Quarta-feira, 21, 19h45. Na portaria do edifício-sede da Caixa Econômica Federal (entrada rua José Loureiro), chegam dois casais que haviam programado assistir, no auditório do 15o. andar, a projeção dos 10 vídeos sobre artes plásticas na promoção denominada Rio Arte Vídeo. Apresentada como uma realização conjunta da Secretaria de Estado da Culutra/ Coordenadoria dos Museus/ Caixa Econômica Federal (conjunto cultural), e que havia merecido um sofisticado poster (como, aliás, sempre acontece nos eventos desta pasta) e anunciava o início para aquela ocasião.

Cinema para ler - Dois livros sobre cinema brasileiro

Um dos melhores exemplos de aplicação de recursos pela Lei Sarney foi dado no ano passado pelo Banco de Crédito Nacional. Associando-se a Art Editora, casa publicadora de Marcos Marcondes que faz apenas projetos especiais - e a cujo idealismo deve-se a indispensável "Enciclopédia da Música Brasileira" (dois volumes, 1966, esgotada), saiu "História do Cinema Brasileira" (554 páginas, edição de capa dupla, planejamento gráfico de Teobaldo Semionato).

Um filme amargo sobre a escravidão dos haitianos

Premiado no Festival de Cinema de Havana no ano passado e o mais impressionante filme exibido durante a XVII Jornada de Cinema da Bahia (Salvador, 8 a 4 de setembro), "Açúcar Negro" tem, finalmente, projeções em Curitiba (Cinemateca do Museu Guido Viaro, hoje e amanhã, 20h30). Seu realizador, o canadense Michel Reigner, veio ao Brasil, a convite de Guido Araújo, diretor da Jornada - e estendeu sua estada a São Paulo, onde "Sucre Noir", apresentado pela Fundação Cinemateca, provocou também grande impacto.

A Fucucu nega-se a exibir um dos melhores filmes de 1988

Francisco Alves dos Santos, carinhosamente chamado de "frei" Chico ou o "bom Chico", é há mais de uma década um defensor do bom cinema. Ex-seminarista, começou como modesto colaborador de assuntos de cinema do extinto semanário "A Voz do Paraná", teve apoio de muitos amigos que sempre o admiraram e se tornou conhecido nacionalmente, ao ponto de que quando Valêncio Xavier, idealizador e fundador da Cinemateca do Museu Guido Viaro deixou aquelas funções, Chico o substituiu naturalmente.

Uma revisão do Brasil nas "Histórias do Cotidiano"

Noilton Nunes, 46 anos, bastante conhecido em Curitiba pelos cursos práticos de cinema que orientou na Cinemateca do Museu Guido Viaro nos bons tempo em que Valêncio Xavier sabia dirigir aquela unidade da FCC, é um cineasta persistente. Trabalhou anos para conseguir montar e concluir "O Rei da Vela", com os milhares de pés rodados por José Celso Martinez Corrêa, da antropofágica montagem da peça de Oswald de Andrade feito pelo Teatro Oficina.

A boa escolha para os curta-metragens

Foi aquilo que se poderia classificar de uma "feliz coincidência": ou autores dos quatro roteiros premiados para ganharem imagens e sons, em curtas metragens, financiados através de convênio entre a Secretaria da Cultura/ Museu da Imagem e do Som e Embrafilmes, representam trabalhos de profissionais de diferentes formações, mas que justamente situam-se entre os mais talentosos de nosso pequeno universo cinematográfico.

No campo de batalha

O número cinco do boletim informativo da Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná também decidiu tocar num assunto que há 60 dias tem sido muito discutido: a demissão da professora e crítica Adalice Araújo da direção do Museu de Arte Contemporânea. A atual diretoria da associação, presidida pelo fotógrafo Eduardo Nascimento, decidiu adjetivar-se "gestão inquieta" e reivindica a criação de uma Coordenadoria Estadual de Artes Plásticas e o Conselho Estadual de Artes Plásticas. xxx

Premiação a Severo faz revalorização de Kozák

Tímido por natureza, Fernando Severo, 30 anos, está vencendo duas inibições: de falar em público e modesto que é, contar mais sobre o seu trabalho, reconhecido por um imparcial júri no recém-encerrado XVI Festival do Cinema Brasileiro de Gramado: o seu curta "O mundo perdido de Kózak" ganhou o Kikito de melhor roteiro - e, na opinião de muitos poderia merecer também uma segunda premiação: melhor montagem.

No campo de batalha

Emoção, aplausos, discussões: "Terra para Rose", de Tetê Moraes, com uma hora e vinte minutos de projeção, foi o filme mais importante de todos os apresentados neste XX Festival de Brasília. Documentando o drama dos sem-terras que invadiram a Fazenda Anoni, nos municípios de Sarandi e Ronda Nova, no Rio Grande do Sul, entre 1985/87, Tetê realizou um filme fascinante, que teve aqui a sua primeiríssima exibição.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br