Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Dick Farney

Dick Farney

CDs do ano - A volta de Luís Bonfá, em sua melhor forma e estilo

Afinal, neste final de ano, chega um dos álbuns mais aguardados: o retorno de Luís Bonfá, que há 18 anos não tinha um novo disco lançado no Brasil ("Jaracandá" aqui saiu em 1973 pela RGE), embora sua discografia chegue a 50 títulos nos Estados Unidos. Reconhecido como um dos influenciadores da Bossa Nova, compositor, violinista e mesmo cantor eventualmente, com uma obra internacionalmente reconhecida, Bonfá é, para a geração idiotizada pelas FMs que colonizam corações & bolsos, um ilustre desconhecido.

Eloy vai a Cannes ver se o Boticário ganha os leões

Pela primeira vez um publicitário paranaense participa do mais famoso festival de filmes comerciais do mundo com obras nas quais deu sua contribuição. Eloy Zanetti, paranaense de Jacarezinho, 44 anos comemorados festivamente no último dia 7, viajou ontem para Lisboa, de onde seguirá para Cannes no início de julho (*).

Um encontro da Bossa para ajudar ao Lúcio

Lúcio Alves não grava há quatro anos. Poucos de seus fãs conseguiram seu último elepê, "Romântico", gravado num show no restaurante Inverno & Verão, de São Paulo, e que foi uma iniciativa de Romualdo Zanoni, ex-dono daquela casa (e que hoje reside em Florianópolis) em homenagear o grande cantor dos anos 40/50.

Leny, a nossa jazz singer

Reconhecidamente a melhor cantora de jazz do Brasil, a carioca Leny Andrade, 46 anos completados no dia 25 de janeiro, só nos últimos anos passou a ter um reconhecimento merecido. Com 37 anos de carreira - aos nove já se apresentava no Clube do Guri, na Rádio Tupi e, mais tarde, nos programas Silveira Lima e César de Alencar, Leny foi uma das grandes vocalistas da Bossa Nova. A partir de 1961, no Beco das Garrafas no Rio de Janeiro (Bacará, Bottles), tornava-se uma intérprete criativa, marcando músicas como "Estamos aí" (Maurício Einhorn/Durval Ferreira), que se tornou seu próprio prefixo.

Presença saborosa de vozes afinadas

Melhor do que nenhum outro record-man, o eclético Maurício Quadrio sabe a arte de remexer arquivos e reciclar produções. Faz isto há quase três décadas e graças à sua sensibilidade, bom gosto e, sobretudo, senso de mercado, excelentes reedições são sempre providenciadas - para alegria dos mais jovens, que não tivessem acesso aos lançamentos originais ou, então, aos que desejavam substituir gravações tão ouvidas que se encontram gastas.

A bossa trintona de Carlinhos Lyra

Aproximando-se dos 30 anos - considerando-se como data básica a gravação de "Canção do Amor Demais", de Elizeth Cardoso (*) - a Bossa Nova, felizmente, (re)existe. E algumas provas sólidas foram dadas no ano passado - mas que merecem registros ainda agora.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br