Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Distrito Federal

Distrito Federal

Pedro Jorge documentou "Vale dos Dinossauros"

Um dos mais ativos cineastas e intelectuais de Brasília, Pedro Jorge de Castro, 48 anos, cearense de Aurora, não se deixa abater pela crise do cinema brasileiro. Radicado há mais de 10 anos em Brasília, onde é um dos mais competentes e estimados professores do departamento de Comunicação Social da Universidade, na área de cinema, Pedro Jorge está sempre em atividade.

No campo de batalha

Mais uma vez, "Bric a Brac" homenageia Paulo Leminski: o número seis desta publicação cultural editada em Brasília pelos poetas Luís Turíbia e Lúcia Leão e Roza, traz um poema manuscrito que Leminski deixou inédito sobre o Distrito Federal. "Bric a Brac" - neste número impresso em papel reciclado, "como uma contribuição ecológica" - traz um importante depoimento de Caetano Veloso à Augusto de Campos, gravado no Rio de Janeiro. Além de uma série de poemas arte-finalizados em computador, apresenta também o imaginário riquíssimo da dra.

Três vídeos do Paraná em disputa no I FENAVI

Vitória - Três vídeos de Tiomkim (Oswal Dias Siqueira Filho), 35 anos, e Beto Carminatti, 28 - representam o Paraná no I Festival Nacional de Vídeo de Vitória, iniciado ontem nesta cidade.

"A Paisagem Natural" foi o grande vencedor da Jornada

Salvador - A ecologia, a solidariedade humana e a visão bem humorada da vida urbana valeram os prêmios mais importantes da XVIII Jornada Internacional de Cinema da Bahia, encerrada quinta-feira à noite. "Paisagem Natural", um documentário de 21 minutos que o paraibano Vladimir de Carvalho, 56 anos, rodou há dois anos para integrar o projeto "Brasília - A Última Utopia" (*) foi o grande vitorioso, com o Tatu de Ouro como melhor filme da jornada, melhor curta e valendo ainda a Walter Carvalho, seu irmão mais moço, o Tatu de Bronze de melhor fotografia.

As cidades e o meio ambiente nos documentários da Jornada

Salvador - Encerrada a XVIII Jornada Internacional de Cinema da Bahia, com uma programação que incluiu mais de 150 filmes e vídeos - 106 dos quais em competição - uma constatação óbvia: mesmo com todas as limitações que a produção alternativa (e mesmo marginal) que este evento reúne desde 1971, de realizadores de vários países do terceiro mundo - comprova que as imagens possuem uma força de documentação, denúncia e mesmo promoção que nenhum outro veículo garante.

Um festival (consagrado) em cenário europeu

Apesar de um orçamento menor que os Cr$ 200 milhões que o governo do Distrito Federal investiu no XXIV Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (3 a 10 de julho), Gramado inicia amanhã a 19ª edição de seu XIX Festival. Premiações menores que de Brasília - que também ofereceu o estímulo de Cr$ 5 milhões de aluguel para os filmes inéditos que lá concorreram - não reduziram o interesse dos realizadores pelo festival que acontece desde 1972 numa das mais acolhedoras cidades turísticas do Brasil.

O filme que a ecológica (sic) Curitiba não soube assistir

Exibido durante um mês em Curitiba o mais importante filme brasileiro realizado nestes últimos anos - "Césio 137 - Pesadelo em Goiânia" não teve sequer 500 espectadores. Em cerca de 90 sessões realizadas nas duas primeiras semanas, a partir do dia 13 de setembro, no cine Ritz e depois do dia 27, no distante cine Guarani, a média de ocupação não atingiu ao menos 5 espectadores/sessão.

Brasília, a capital da esperança para o cinema brasileiro renascer

Na noite de 9 de julho, quando o cineasta Rogério Sganzerla, 45 anos, subiu ao palco do Cine Brasília, para receber um retrato emoldurado com a imagem de José Mojica Marinz ("Zé do Caixão") defronte o túmulo de Carmen Miranda - oferta de seu amigo Ivan Cardoso, em nome da Associação Brasileira de Cineastas, como prêmio pelo seu média-metragem "Assim é Noel", houve a única manifestação político-cinematográfica da noite - excluída às vaias dadas a Neville de Almeida (e a atriz Claudia Raia) por sua premiação como melhor diretor ("Matou a família e foi ao cinema").

Maria Luíza, a competência na direção de uma fundação

Quando um governador ou, especialmente, prefeito, tem a felicidade de escolher as pessoas certas para as funções de confiança uma administração torna-se soft e competente. Foi o caso de Joaquim Roriz, que eleito para o governo do Distrito Federal teve o bom senso de prestigiar a área cultural convidando uma das mais estimadas pessoas de Brasília para o cargo de diretora executiva da Fundação Cultural do DF: a professora Maria Luiza Dornas.

Guilherme leva em solo no palco o "Sargento Getúlio"

Na última sexta-feira, em Blumenau, o ator, diretor e dramaturgo Ricardo Guilherme, da universidade Federal do Ceará, teve participação especial no Encontro de Escolas de Teatro. Desejava, em seu retorno, passar em Curitiba para tentar viabilizar uma temporada de "Sargento Getúlio" em algum de nossos palcos. Infelizmente, devido a compromissos maiores na capital cearense, não pôde, desta vez, acertar a inclusão de Curitiba entre as cidades brasileiras que assistirão a um dos espetáculos mais sólidos e impressionantes produzidos este ano.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br