Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS EMI/Odeon

EMI/Odeon

Os 10 melhores lançamentos instrumentais brasileiros-1991

1. "Bonfá's Magic" - Luiz Bonfá (Caju); 2. "Retratos/Radamés Gnatalli" - Chiquinho do Acordeon/Rafael Rabello/Orquestra de Cordas Brasileiras (Kuarup); 3. Rafael Rabello & Dino 7 Cordas (Caju); 4. "Tocar" - Geraldo Flach (RGE); 5. "Profissão, Músico" - Wagner Tiso (Polygram); 7. Paulo Moura e Ociladocê Interpretam Dorival Caymmi (Choros); 8. "Visões" - Leo Gandelman (Polygram); 8. Egberto Gismonti (EMI-Odeon); 9. Altamiro Carrilho - 50 anos de choro (Visom) e 10.

Música Brasileira - As reedições chegam com qualidade

Por múltiplas razões, a reedição se tornou uma forma de gravadores tradicionais - ou mesmo produtoras independentes, na área nostálgica - para enfrentar estes tempos de recessão. Afinal, para as gravadoras que dispõem de grandes acervos não custa quase nada providenciar remontagens de gravações de artistas que passaram pelos seus estúdios. Infelizmente, a maioria dos lançamentos é feita de uma forma caça-níquel - e nisto a Continental é campeã absoluta - recolocando dezenas de vezes no mercado, com títulos e capas diferentes, as mais esdrúxulas montagens.

Beth, Marina e Leila, as vozes deste final de ano

Entre a choradeira das gravadoras, mais do que nunca queixando-se de uma natural (e até justa) retração dos consumidores frente ao empobrecimento cada vez maior da classe média - que normalmente se constituía numa faixa-alvo dos negócios fonográficos - mesmo os chamados "grandes lançamentos" de final de ano estão sendo repensados. Este ano, não teremos um álbum de prestígio de Chico Buarque ou Edu Lobo, o (ótimo) disco de João Bosco ("Zona da Fronteira", Sony) já saiu em outubro e a esperança, qualitativamente, é o novo álbum acústico de Milton Nascimento.

O velho Cocker retorna sem precisar a ajuda dos amigos

Enquanto no Brasil, os grandes nomes da música do passado são esquecidos precocemente - e só graças a idealistas como Leon Barg é que tantos valores da época de ouro podem ser ouvidos em CDs - no próprio mundo do rock, tão mutável em seu consumismo, veteranos tem sua vez.

Os 10 melhores lançamentos instrumentais brasileiros-1991

1. "Bonfá's Magic" - Luiz Bonfá (Caju); 2. "Retratos/Radamés Gnatalli" - Chiquinho do Acordeon/Rafael Rabello/Orquestra de Cordas Brasileiras (Kuarup); 3. Rafael Rabello & Dino 7 Cordas (Caju); 4. "Tocar" - Geraldo Flach (RGE); 5. "Profissão, Músico" - Wagner Tiso (Polygram); 7. Paulo Moura e Ociladocê Interpretam Dorival Caymmi (Choros); 8. "Visões" - Leo Gandelman (Polygram); 8. Egberto Gismonti (EMI-Odeon); 9. Altamiro Carrilho - 50 anos de choro (Visom) e 10.

O infantil descartável e o retorno de J. Brown

O extraordinário sucesso da telenovela "Carrossel" (SBT/TV Iguaçu) promoveu bastante a sua trilha sonora, basicamente voltada a faixa infantil com uma montagem criada por Nelson Edson dos Santos, reunindo fonogramas da COMEP / FLIPPER / EMI / ODEON / Maravilha e editados em elepê da Barclay.

No campo de batalha

Clima tenso ontem no edifício do BADEP: desde as primeiras horas da manhã começaram a ser dispensados, oficialmente, os 325 funcionários da casa. Todos, naturalmente, já com advogados trabalhistas contratados para uma demanda que vai obrigar o governo a gastar muitos bilhões de cruzeiros em indenizações trabalhistas. xxx

Leon, Chico, Manzo e outros caçadores de sons perdidos

Até o final dos anos 70, quem pretendesse conhecer a chamada época de ouro da música popular brasileira tinha poucas opções de escutar as grandes vozes, músicos e autores do período que cobre as décadas de 20 a 50.

As trilhas de "Wild at Heart", Ninjas e Ana Raio e Zé Trovão

Mesmo atrasando-se no lançamento do filme - exibido no ano passado, logo após ter sido premiado com a Palma de Ouro em Cannes - a Polygram marcou um tento ao editar no Brasil a interessantíssima trilha sonora de "Coração Selvagem" (Wild at Heart), de David Lynch - o cineasta cult de maior evidência nestes últimos anos.

Mais uma bela antologia com obras de Milton Nascimento

A abertura do mercado de CD está fazendo todas as gravadoras - e mesmo etiquetas menores - remexerem seus arquivos para produzir reedições das mais variadas. Quando dispõe de grandes nomes em seu acervo - mesmo que hoje estejam em outras fábricas - a tarefa fica facilitada. Em outros casos, acordos operacionais - pois os tycoons fonográficos sempre se entendem, possibilitam montagens especiais. É o caso agora de "Canção da América", álbum duplo com "O Melhor de Milton Nascimento", que a Polygram montou, com direção de Mayrton Bahia e um trabalho de compilação de Luiz Pereira (Lelé).
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br