Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Feitiço da Lua

Feitiço da Lua

Coisas do coração na visão do sueco Lasse

Em "Minha Vida de Cachorro" (1987), o sueco Lasse Hallstrom tocava corações pela ternura com que partindo de uma história simples, ambientada numa pequena aldeia, se fazia universal - confirmando velha lição do mestre Leon Tolstói ("Se queres ser universal cante a sua aldeia"). Três anos depois, Hallstrom realizou seu primeiro filme nos Estados Unidos.

Cher, a que deu a volta por cima, em alto astral

Um dos maiores exemplos de volta por cima foi o que a cantora Cher (Cherilyn Lapiere, El Centro, Califórnia, 20/05/1946) deu nos anos 80. Identificada apenas como a parceira de Sonny (Salvatore Bono, Detroit, 16/02/1935), numa carreira iniciada em 1964, quando se conheceram num restaurante, logo estouravam um hit - "Baby, Don't Go", iniciando um longo contrato com a Atco/Atlantic. Cher é hoje uma superstar solo.

As magnólias em flor no campo da amizade

Discípulo do crítico Andrew Sarris, do The Village Voice, bíblia semanal da população do Greenvich Village em Nova York, o curitibano Lelio Sottomaior Júnior, em seus telegráficos e objetivos textos cinematográficos gosta de fazer classificações originais para filmes & cineastas. Por certo, se fosse escrever sobre "Flores de Ação" (cine Lido II, 4 sessões, até amanhã), o classificaria como "um filme feminino" - assim como a superprodução que o antecipou na mesma sala, "A Caçada ao Outubro Vermelho" é um exemplo do chamado filme masculino.

"Splendor" compensa filmes que fracassaram na semana

Infelizmente, aconteceu o que prevíamos: dos cinco importantes filmes estreados há uma semana, dois já não estão mais em exibição: "Assassinato sob Custódia" (A Dry White Season), de Euzhan Palcy e "Contos de Nova Iorque", de Martin Scorcese, Francis Coppola e Woody Allen, foram substituídos por "Meu Pai - uma Lição de Vida", de Gary David Goldberg e "Splendor", de Ettore Scolla, nos Cines Lido II e Bristol, respectivamente.

Lemmon, o ator que reflexiona a idade

Jack Lemmon (Boston, 8 de fevereiro de 1925) não é apenas um dos três melhores atores do cinema americano surgidos nos últimos 40 anos, como uma pessoa preocupada com causas nobres. Difícil justificar porque a sua perfeita interpretação do septuagenário Jack Tremont não lhe valeu ao menos uma nova indicação ao Oscar de melhor ator - ele que há 35 anos, em sua terceira atuação cinematográfica ("Mr. Roberts", 55, de John Ford / Mervin LeRoy) recebia a estatueta de melhor coadjuvante.

Afinal os clássicos da MGM chegarão em vídeos

Com toda razão a Metro Goldwyn Mayer foi muito cautelosa em entrar no mercado de vídeo no Brasil. De princípio, esperou que houvesse o necessário saneamento da pirataria - que se ainda não atingiu a 100%, eliminou pelo menos os gangsters mais conhecidos. Depois, havia necessidade de escolher bem quem cuidaria de sua representação, já que dispõe de um dos acervos mais valiosos da indústria cinematográfica mundial.

Nem Cristo tentou mais o espectador

Polêmica não lota mais cinema. Prova disto é que apesar das milhares de centimetragens que a imprensa nacional e regional dedicou para "Última Tentação de Cristo", ameaças de protesto e explosões nos cinemas que o exibiram e as "vigílias religiosas" que as ingênuas freirinhas fizeram na galeria dos Cines Lido I/II - o filme de Martin Scorcese não foi uma atração fatal para os católicos (e não católicos). Estreou no dia 25 de novembro e ao final de uma semana, o Lido l, com seus 550 lugares, apresentava um borderô de 4.208 espectadores, que cairia para 2.650 na semana seguinte.

Lawrence, muito mais do que o sexo de Chatterley

Muito mais do que simplesmente o autor de "Lady Chatterley's Lover", livro símbolo da hipócrita censura - não só inglesa, mas de vários outros países - David Herbert Lawrence (Eastwood, Nottinghanshire, Inglaterra, 11/09/1885 - Vence, França, 02/03/1930) foi um homem inquieto, ligado a movimentos pacifistas e que, numa época de obscurantismo, ousou discutir o sexo e o poder em seus livros, já a partir de sua terceira novela ("Filhos e Amantes / Sons and Lovers", 1913).

A música envolvente que enfeitiça a Lua

A família, a melhor opção. O sucesso de dois dos filmes de maiores bilheterias do ano - "Atração Fatal" (Lido II, em 15ª semana) e "Feitiço da Lua" (Lido I, 10 semanas) e o lançamento de "Nenhum Passo em Falso/A Hora da Brutalidade" (de John Frankenheimer) veio confirmar uma nova tendência do cinema americano neste final de época: filmes moralistas, estruturados para (com) provar que as relações extraconjugais podem levar a complicações sérias - chegando à violência e ao assassinato ou, no mínimo, criando situações delicadas.

A loucura de Barbra que merecia o Oscar

Claudia Faith Draper é uma personagem incômoda. Branca, bonita, de família classe média superior, após anos de casamento transforma-se em prostituta e assassina um cliente. Seus pais, Rose (Maureen Sataplleton) e Arthur Kirk (Karl Malden) preferem vê-la internada num sanatório de doentes mentais do que num julgamento. Rebelde, sem papas na língua, desprotegida, por acaso tem um advogado honesto e humano, designado pela Justiça para defendê-la.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br