Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Festival do Cinema Brasileiro de Brasília

Festival do Cinema Brasileiro de Brasília

Os premiados de Brasília

Brasília Eis os vencedores do 23º Festival do Cinema Brasileiro de Brasília, encerrado na noite de terça-feira, 16. Longa Metragem - Melhor filme - "Beijo 2348/72" de Walter Rogério. Diretor: Ivan Cardoso ("O Escorpião Escarlate"). Prêmio Especial do Júri: "Césio 137" de Roberto Pires. Prêmio do Júri Popular: "O Escorpião Escarlate". Ator: Chiquinho Brandão ("Beijo 2348/72"). Atriz: dividido entre Cristina Prochaska ("O Círculo de Fogo") e Joana Fomm ("Césio 137"). Atriz Coadjuvante: Denise Milfont ("Césio 137").

As imagens que desmistificam a nossa Capital da Esperança

"O filme de Vladimir é um tiro de obuz na mira das meias-verdades alicerçadas com o correr dos anos da ditadura. Com preciosas imagens arquivadas ao longo de quase 20 anos, tempo de gestação desta verdadeira ópera popular, além de depoimentos revistos e checados com o passar dos anos. Vladimir entrega agora ao público uma obra que não tem preço, um dos mais lúcidos espelhos da nossa realidade já construídos pelo cinema nacional". (César Mendes, "Correio Braziliense", 16/10/1990) xxx

Um exemplo do melhor cinema documentário

Quem construiu a Tebas de Sete Portas? Nos livros estão os nomes dos Reis. Arrastaram eles os blocos de pedra? (Bertolt Brecht) A epígrafe com um fragmento de um dramaturgo alemão abre "Conterrâneos Velhos de Guerra" é, de certa forma, o ponto de partida ideológico deste contundente documentário: aqueles que construíram Brasília, os candangos vindos do Nordeste, foram expulsos da cidade.

O defunto curitibano vai para festival de Gramado

A competência, dedicação e, sobretudo, credibilidade podem superar as maiores dificuldades. Esdras Rubin, secretário de Turismo de Gramado, é uma prova disto. Quando muitos acreditavam que o mais tradicional dos festivais de cinema brasileiro corria o risco de, pela primeira vez, nestes últimos 18 anos, ser suspenso devido a crise da indústria cinematográfica, extinção da Embrafilme / Fundação do Cinema Brasileiro e afastamento de patrocinadores, Esdras continuou a cuidar do evento como se nada tivesse acontecido.

David Carneiro, o que construiu o Cine Ópera

Nos necrológicos que a morte do professor David Carneiro, 86 anos - que havia completado a 29 de março, mereceu nas edições dominicais da imprensa, um aspecto foi esquecido: o seu lado de empresário cinematográfico e também cinéfilo, paixão que o fez sempre ser um dos mais regulares espectadores - e que só interrompeu devido a idade e às sucessivas enfermidades que sofreu.

Êta mineirada que é solidária na música

Com "Cidade Veloz" (Chorus), Flávio Venturini chega ao seu terceiro elepê fazendo um disco que congrega ritmos e estilos diferentes, reunindo, como diz o letrista e poeta Murilo Antunes, "com a mesma embalagem a experimentação: a calma e a navalha, o simples e o exuberante".

Cinema sem festivais neste ano de imagens desfocadas

E os festivais de cinema, hem? Depois do dia 16 de março, com a extinção da Embrafilme / Fundação Nacional de Cinema e as duras imposições do Plano Brasil Novo - levando também os benefícios da Lei Sarney - ninguém mais sequer se atreve a falar em festival de cinema. Afinal, se há o lado positivo, cultural e mesmo econômico, em eventos destinados a promover, divulgar e (às vezes) estimular negociações de filmes, o custo e o glamour com indispensáveis mordomias que cercam os eventos fazem com que os mesmo sofram, agora mais do que nunca, cortes viscerais.

No campo de batalha

Em administrações passadas, Costinha e Dercy Gonçalves nem obtinham datas no Guaíra. Hoje, uma visão mais liberal entende a importância destes artistas populares. Dercy ali esteve há algumas semanas e nesta quinta-feira é Costinha quem fará uma única apresentação de seu show "Brasil em Busca do Teatro". xxx Até outdoors foram usados pela livraria Ipê Amarelo para anunciar a presença da escritora Raquel de Queiroz hoje, a partir de 18h30, autografando a sua obra completa - cinco volumes lançados pela José Olympio. Uma promoção simpática, que merece grande cobertura. xxx

Quem bom que o documentário de Lúcia esteja em exibição

"Que bom te ver viva", em nossa opinião o mais importante, oportuno (e não oportunista) e sincero filme brasileiro - disparado o melhor de 1989 e um dos 10 mais importantes da década - chegou ontem à tela do cine Ritz (5 sessões, previsão de ao menos duas semanas em cartaz).
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br