Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS FestRio

FestRio

O "Robocop" ganhou também na guerra das bilheterias

Fazia tempo que não acontecia: filas enormes diante do Cine Plaza, serpenteando a Praça Osório. Em apenas cinco dias, mais de 13.000 espectadores lotaram praticamente todas as sessões e mesmo com ingressos a Cr$ 200,00, no fim de semana não sobrou uma única poltrona vaga. Inferior a primeira parte, confuso inclusive em seu roteiro - mas com um recorde de 250 mortes nos 100 minutos de duração, "Robocop - O Policial do Futuro - II Parte", reúne condições para figurar nos primeiros lugares das maiores bilheterias do ano.

A estranha política dos lançamentos nos cinemas

Os números caminham para uma progressão geométrica: do solitários 114 espectadores registrados no barderaux na estréia (31 de maio), no domingo, já passavam de 900 e a tendência é aumentar - já que com o ingresso mais reduzido (Cr$ 100,00) de segunda a quinta-feira, o hábito de frequentar os cinemas se encontra no meio da semana - e não mais nos finais, como acontecia antes.

Um banquete visual a finos paladares

"O meu filme é um melodrama, uma love story. Extravagante". (Peter Greenaway, agosto de 1989, após a primeira exibição de "O Cozinheiro, o Ladrão, sua Esposa e o Amante").

Columbia desperdiça três bons filmes do ano em festival secreto

Baseados em fatos reais - o assassinato do Padre Popieluszko, em 17 de outubro de 1984, devido a violenta repressão ao movimento do Sindicato Solidariedade, torna "Complô conta a liberdade, da cineasta polonesa Agnieszka Holland, exilada na França, daqueles filmes-documentos de visão obrigatória. Afinal, até agora, pouquíssimos filmes abordando as lutas sociais-trabalhistas na Polônia na primeira metade dos anos 80 foram realizados - e com exceção de "O homem de mármore"(1976) e, especialmente "O homem de ferro" (1981), de Andrzej Wajda, nenhum deles chegou ao Brasil.

"Vozes Distantes" e "Pão, Amor e Ciúme [Fantasia]" em vídeos

Só em Curitiba, já passam de 200 as locadoras. O negócio deve ser bom haja visto o número de baiucas que são abertas mensalmente. Entretanto, um experiente consultor de vídeo, Anibal Tomé, concorda: nunca se lançou tanto lixo. E, com exceção de duas ou três locadoras, a maioria tem limitadíssimas opções. Buscam apenas os sucessos de retorno imediato ou os produtos mais baratos - descartando qualquer investimento em vídeo de melhor qualidade.

No romance e na realidade, os ótimos filmes estão chegando

Ora, viva! Afinal um filme de primeira categoria, candidato sério a entrar na lista dos melhores do ano, ganha uma segunda semana de exibição: "Stanley e Iris", de Martin Ritt - um exemplo de obra emotiva, suave, falando de gente como a gente, com dois excelentes intérpretes - Robert de Niro e Jane Fonda, uma belíssima trilha sonora de John Williams e, principalmente, um roteiro esplêndido, permanece em cartaz no Condor. Uma chance de quem ainda não assistiu, conhecer um exemplo de bom cinema.

Um filme sem happy-end: fazer curtas no Paraná

A novela dos quatro curtas-metragens de cineastas locais, iniciada há dois anos quando a Secretaria da Cultura fez um convênio com a finada Embrafilme, ainda não terminou: nenhum dos filmes pode ainda ser devidamente concluído e o clima de desânimo desceu sobre os realizadores. Fernanda Mori, por exemplo, após gastar todas suas economias para tentar finalizar "A Loira Fantasma", acabou, prudentemente, aceitando o convite do empresário Henrique Almeida e se integrando a sua equipe no Amapá, por onde o irmão do empreiteiro Cecílio é candidato ao Senado.

Cinema sem festivais neste ano de imagens desfocadas

E os festivais de cinema, hem? Depois do dia 16 de março, com a extinção da Embrafilme / Fundação Nacional de Cinema e as duras imposições do Plano Brasil Novo - levando também os benefícios da Lei Sarney - ninguém mais sequer se atreve a falar em festival de cinema. Afinal, se há o lado positivo, cultural e mesmo econômico, em eventos destinados a promover, divulgar e (às vezes) estimular negociações de filmes, o custo e o glamour com indispensáveis mordomias que cercam os eventos fazem com que os mesmo sofram, agora mais do que nunca, cortes viscerais.

... mas pelo resto do mundo, eles continuam acontecendo

Internacionalmente, entre os chamados "heavyweights" (pesos-pesados) eventos cinematográficos, a abertura é dada pelo Festival de Berlim, realizado entre 9 a 20 de fevereiro. Com uma sólida estrutura, a exemplo dos grandes festivais do mundo, não sofre problemas orçamentários - ao contrário, é um dos mais ricos e bem organizados, conforme Marcelo Marchioro, diretor teatral e estudioso de cinema, pode confirmar este ano, acompanhando-o nas três semanas em que acontece (no ano passado, Celina Alvetti, que também estava em Berlim como bolsista do Goethe Institut, já o havia coberto).
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br