Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Flora Purim

Flora Purim

Airto, o melhor também para os leitores de DB

Mesmo, sem gravar há quase dois anos – em 1980, rompeu seu contrato com a Warner, descontente com o tratamento que ali estava tendo – o percussionista Airto Guimorvan Moreira, 42 anos, catarinense de Itaiópolis – mas paranaense de formação – continuam a ser o percussionista de maior prestígio nos Estados Unidos.

Tereza Batista traz as novas e maravilhosas músicas dos Caymmis

Depois de excelente álbum da Família Caymmi, gravado em Montreaux, Suiça - lançado pela Polygram (e já entre os candidatos a um dos dez melhores do ano), a trilha sonora de telenovela "Tereza Batista" (Sigla/Som Livre) encarrega-se de tornar mais conhecidos algumas das melhores faixas daquela produção registrado ao vivo, além de catipultuar também "Amazon River", "The Wraith" e "The Desert" de (e com) Dori Caymmi de excelente álbum "Brasilian Serenata" (WEA), lançado apenas em CD e que, produzido nos EUA em 1991, ganhou indicação ao Grammy na categoria de "melhor álbum world music"

Artigo em 08.04.1992

Fabiano Carlos Zenin, 18 anos, levou um susto há alguns dias, quando reconheceu num simpático cavalheiro, de bigodes finos, que o aplaudia numa das mesas do La [Cibeles]. Era o violonista que ele mais admira - Paulinho Nogueira. Quis homenageá-lo com "Bachaninha Nº 1 " mas ficou tão nervoso que errou na harmonia, o que não impediu de ganhar elogios de Paulinho e da cantora Alaíde Costa, que à noite, no show que fizeram no Paiol, citaram Fabiano com destaque. xxx

A família Caymmi, o nosso maior patrimônio musical

Artur Xexéo, nosso bom amigo, jornalista do primeiro time do "JB", escreveu um texto preciso, excelente sobre um disco que, seguramente, estará em nossa relação dos dez melhores lançamentos do ano: "Família Caymmi em Montreaux"(Polygram, abril/92).

Raulzinho do trombone, das noites curitibanas, chega agora em vídeo

No final dos anos 50, a Escola de Oficiais e Especialistas e Guardas do Ministério da Aeronáutica, no Bacacheri, teve um comandante que era um apaixonado pela música das big-bands americanas. Ao assumir o comando da unidade e ali encontrando uma banda de música que se limitava a um repertório naturalmente "oficial", o brigadeiro não teve dúvidas: decidiu que a mesma deveria ter uma melhoria artística.

Airto e Flora ganham Grammy mas o Brasil fica sem saber

Nem Milton Nascimento ("Txai"), nem Dory Caymmi ("Brazilian Serenade"). Quem levou o Grammy de "Best World Music" foi o quase curitibano Airto Moreira. O que? Por certo muitos indagarão. Afinal, toda a imprensa nacional só falou em Milton e Dory como os candidatos brasileiros à esta premiação máxima de indústria fonográfica americana e mesmo quem acompanhou atentamente as três horas em que durou a festa no Rádio City Music Hall, via Rede Globo, não viu o percussionista Airto ser mencionado entre os vitoriosos.

"Planet Drum", uma ONU percussiva e criativa

Apesar de Mickey Hart, ex-integrante do histórico Grateful Dead, ter seu nome destacado na capa de "Planet Drum", este álbum - premiado com o Grammy - foi resultado da fusão de talentos vindos da Nigéria a Nova York City, num encontro que ultrapassou a simples arregimentação profissional. O primeiro destaque que Hart faz é para Airto Moreira, seu amigo de muitos anos, com quem já havia trabalhado no histórico "Apocalypse Now Sessions" (*). Da Nigéria, veio Bobatunde Olatunji, com seus instrumentos de nomes estranhos como djémbe.

Independentes resistem e agora chegam a era do CD

Ironicamente, enquanto algumas multinacionais como a WEA/Warner (aliás, hoje sem qualquer promoção no Paraná, com um catálogo basicamente do pior rock descartável) impõe o mais supérfluo pop internacional, nossos grandes talentos continuam gravando CDs (e mesmo videolaser) nos Estados Unidos, que permanecem inéditos.

Airto Moreira volta-se agora ao som espiritual e curativo

Um dos projetos mais importantes a serem lançados em CD nos Estados Unidos dentro de alguns meses terá sons curitibanos: pássaros cantando nos bosques de Santa Felicidade, águas do Saltinho e mesmo "ruídos" "capturados" nas noites do Boqueirão. Há seis meses, quando aqui esteve trazendo o então recém adquirido (no Japão) gravador DAT, com microfones da maior sensibilidade, Airto Guimorvan Moreira fez estes registros, conforme registramos com exclusividade.

O Paulinho que ficou americanizado

Se a saída para o músico brasileiro era o portão internacional do Galeão, como teria dito Antônio Carlos Jobim antes de conquistar a América, ninguém melhor do que os percussionistas entenderam este recado. Basta fazer um levantamento do número de instrumentistas de nosso país que acabaram dando certo nos Estados Unidos - entre outros países - para se perceber que os homens do ritmo foram privilegiados.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br