Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Francisco Alves dos Santos

Francisco Alves dos Santos

Jornada cineclubista com alta temperatura

Se não é inédito, é raro: alguém se dispor a renunciar cargos que significam senão vantagens financeiras, ao menos prestígio e mordomias indiretas - inclusive viagens nacionais e ao Exterior.

Tavares agora é o presidente da OCIC

Uma boa notícia para quem acompanha o cinema cultural: José Tavares de Barros, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e membro do Conselho Administrativo da EMBRAFILME, é o novo presidente da Organização Católica Internacional do Cinema - OCIC, setor América Latina. Foi eleito durante o congresso da entidade, em Quito, no final de junho. xxx Professor, crítico, cineasta e o grande batalhador pelo Centro de Documentação e Memória do Cinema Brasileiro, Tavares tem sido presença marcante em todos os eventos importantes ligados ao nosso cinema.

O açougueiro do Norte contra cineasta voador

Mais um filme paranaense em fase de finalização. Na próxima semana, Altenir Silva (Bilinha), 24 anos, faz os trabalhos de dublagem e sonorização de "O Açougueiro do Norte Contra o Cineasta Voador", curta, 13 minutos, rodado, como sempre, com seus próprios recursos.

Nelson está nos bairros e ganha livro de Helena

A jornalista Helena Salem, d' "O Globo", acaba de entregar ao editor Sergio Lacerda, da Nova Fronteira, os originais de um livro que há muito se fazia necessário: um estudo sobre a personalidade e obra de Nelson Pereira dos Santos. Aos 58 anos, mais de 30 de cinema, legítimo precursor do Cinema Novo a partir de "Rio Quarenta Graus" (1954), Nelson tem uma obra integra, consciente e profundamente política. Ainda agora, trabalha na finalização de "Jubiabá", novo mergulho na literatura de Jorge Amado, que possivelmente estará no festival de Cannes-87.

Chico na comissão que trará filmes de arte

Francisco Alves dos Santos, coordenador da área de cinema da Fundação Cultural, integra a comissão especial de seis membros que opina sobre os filmes de arte que merecem os benefícios da Resolução nº 128 do Concine, liberando-os da copiagem obrigatória no Brasil. Voltada há um ano e um mês (depois de dois anos de negociações), a Resolução permite a importação de até três cópias por título e foi saudada com entusiasmo pelos cinéfilos: afinal, assim filmes de arte, famosos, mas de pouquíssimas possibilidades comerciais, podem chegar até os circuitos comerciais.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br