Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Francisco Beltrão

Francisco Beltrão

O Poeta morreu na estrada mas suas canções ficarão

Há exatamente um ano, um domingo, no principal clube de Pato Branco, Luiz Gonzaga Júnior fazia a sua última apresentação. Em excursão pelo Sul - que havia iniciado oito dias antes, no Teatro do Paiol, com o espetáculo "Cavaleiro Solitário", mostrava uma nova fase, como intérprete solo, acrescentando a um repertório já cinhecido por inúmeros sucessos oito novas canções.

O cinto de segurança rompeu no acidente que matou Gonzaguinha

Somente hoje à noite, após o final de "Pense N'Eu - Gonzagão/Gonzaga/Gonzaguinha" (Avenida Luiz Xavier, à partir das 19h), Renato Costa, advogado, animador cultural e maior responsável por este evento em homenagem a Luiz Gonzaga e, especialmente, Gonzaguinha - na data do 1º ano de morte do autor de "Explode, Coração" - revelará, um fato da maior gravidade e que, por um ano, foi de conhecimento de

Memórias da Oposição (VIII - Final)

A vitória de até então desconhecido advogado Francisco Leite Chaves ao Senado, na campanha de 1974, teve aspectos tão curiosos que merece que voltemos ao assunto - abordado ontem com base nas memórias de Sylvio Sebastiani em "Por Dentro do MDB".

Homenagem aos Gonzagas transferida para abril

Em abril do ano passado, Luiz Gonzaga Jr e o seu produtor, o advogado Roberto Costa, levados pelo compositor Cláudio Ribeiro ao governador Roberto Requião, acertaram a realização de um grande evento em homenagem a Luiz Gonzaga (Exu, Pe, 19/3/1912- Recife, 2/8/1989) que deveria acontecer na segunda quinzena de dezembro. Uma semana depois, a trágica morte de Gonzaguinha, em acidente rodoviário nas proximidades de Francisco Beltrão - e na qual Roberto Costa sofreu gravíssimos ferimentos (permanecendo quase dois meses em coma), sepultava também o belo projeto.

A morte de Gonzaguinha e a ressurreição de Renato

Renato Manoel Costa, gostaria de legalmente poder alterar seu registro civil para indicar duas datas de nascimento: a primeira, há 33 anos, 12 de agosto de 1957, em Bragança Paulista, SP; a segunda, em Francisco Beltrão, em 29 de abril de 1991. Na última quarta-feira, 29, em Curitiba, Renato Manoel comemorou com alguns amigos, que aqui fez, os "meus primeiros nove meses desta nova vida que Deus me concedeu".

A solidariedade que ressuscitou Renato

Dedicando-se exclusivamente a administrar a carreira e os negócios de Luiz Gonzaga Júnior, através de sua editora Moleque, Renato Manoel Costa já vinha estruturando, em termos legais, a Fundação Asa Branca, no patrimônio que Luiz Gonzaga havia destinado, na cidade de Exu, 700 km do Recife, para sediar um generoso projeto cultural.

Renasce Renato, o que quase morreu com Luiz

Em Brasília, na casa de seus pais - Alberto e dona Berta Costa - o advogado Renato Manoel Duarte Costa convalesce do gravíssimo acidente que na manhã de 29 de abril, na estrada entre Marmeleiro e Renascença, provocou a morte do compositor Luiz Gonzaga Júnior e do empresário artístico Aristides Pereira, de Cascavel.

Rendas crescem e o velho Cacique volta a funcionar

A época de vacas gordas cinematográficas continua. Filas imensas como nos bons tempos dourados da outrora iluminada Cinelândia curitibana, serpenteiam todos os dias as ruas Ermelino de Leão, fazendo de "Ghost, do outro Lado da Vida" um fenômeno: há 26 semanas em cartaz, já passou dos 120 mil espectadores. "Esqueceram de Mim" alcançou 100 mil espectadores e "Dança com Lobos" (Cinema I, Astor) ultrapassa os 50 mil espectadores. "Tempo de Despertar", no Plaza, em 4 semanas, também continua a emocionar: 25 mil espectadores já foram assisti-lo. xxx

A grande missão de Luiz Gonzaga Júnior

Levado por um de seus melhores amigos no Paraná, o radialista, jornalista e compositor Cláudio Ribeiro, o compositor Luiz Gonzaga Júnior teve um encontro na manhã de ontem com o governador Roberto Requião.

Parada obrigatória para pensar

"Começaria tudo outra vez Se preciso fosse, meu amor A chama em meu peito ainda queima, Saiba, nada foi em vão!" (1975) Parada Número Um - Sábado, 20 de abril de 1991, 12 horas. Em meu escritório, ao qual afetivamente chamo de "Estúdio Vinícius de Moraes", na Rua , 24 de Maio, trabalho em alguns textos, quando sou surpreendido com a chegada de um dos melhores amigos, o incansável animador cultural, radialista e compositor Cláudio Ribeiro. Cumprimentando-me, vai dizendo: - "Trouxe uma visita de surpresa. Que você vai gostar...".
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br