Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Fundação Cultural de Curitiba

Fundação Cultural de Curitiba

No campo de batalha

A atriz carioca Clarice Dersier Luz, hóspede oficial da Fundação Cultural de Curitiba (Araucária Flat, diária a Cr$ 106.000,00) durante o mês de janeiro, voltou para dirigir uma leitura cênica-musical inspirada em "Flauta Mágica", de Mozart, que não teve, estranhamente, nenhuma divulgação na imprensa - e que hoje, consta, terá uma segunda apresentação no Solar do Barão. No elenco de leitura, uma jornalista e atriz de talento: a estimada Tônica (Antônia Elia Chagas), que, por sinal, foi quem coordenou eficientemente a divulgação da X Oficina de Música de Curitiba. xxx

No campo de batalha

Parece que as ordens do prefeito Jaime Lerner não estão sendo respeitadas pela presidência da Fucucu. Na quinta-feira, pela manhã, havia determinado que as sessões dos cinemas pertencentes a Fundação Cultural de Curitiba passassem a funcionar realmente corridas - sem intervalos de 30 a 45 minutos como vem acontecendo. Sexta-feira, não só o Luz - que exibe "Caso de Força Maior" continuou a manter um longo (e totalmente desnecessário) intervalo de 30 minutos, como também o Cine Ritz, onde estreou "Rapsódia em Agosto", de Akira Kurosawa, está fazendo intervalos de 20 a 25 minutos.

Noite Vazia (II) - Músicos, órfãos da madrugada, cada vez com menos artistas

O fechamento dos bares-restaurantes Cristal e Habeas Coppus, dois dos raros endereços que, com palco, bom equipamento de som e uma grande simpatia de seus proprietários pela valorização dos melhores instrumentistas, reduz ainda mais o já estreitíssimo mercado de trabalho dos músicos no Paraná. Cadastrados na seção regional da Ordem dos Músicos do Brasil, 30 mil associados se reduzem a menos de 3 mil efetivamente tentando trabalhar no Paraná e menos de 10% conseguindo com imensas dificuldades, sobreviver apenas desta profissão.

Os sambas-de-enredo que poucos sabem cantar em nosso Carnaval

Com humor, criatividade e amor que tem pela cidade, Hélio Leites, 40 anos, há quase dois meses já comunicava ao Sr. Nelson Santos, presidente da comissão executiva do Carnaval de Curitiba, que, pela segunda vez, a mais alternativa das agremiações momescas de Curitiba - a Ex-cola de Samba "Unidos do Botão" (com "ex" mesmo) sairia uma semana antes do Carnaval para um minimalista desfile pela Boca Maldita, apresentando seu samba-de-enredo e os sete mini-carros confeccionados por seus 21 integrantes.

Do lazer abandonado ao largo da desordem

A carta-denúncia de Jorge Carlos Sade (Praça Garibaldi, 85), datada de 15 de janeiro último, é a seguinte: "Dizem que a casa é a cara do dono!" A Praça Garibaldi, o dito setor histórico, seria o retrato de Curitiba? Baderneiros, drogados, bêbados, cheiradores, assaltantes, maloqueiros, botecos e bares de lixo e de luxo, putaréu, violência, despoliciamento, gangues varzeanas, ratatuia infecta e contagiosa, dia & noite-noite & dia infestam o eixo Praça da Ordem-Alto do São Francisco. Eis a Curitiba ecológica! Isso é o retrato da Prefeitura, da dita Secretaria do Meio Ambiente?

A guerra dos meninos

No dia 4 de agosto, um domingo que antecedeu a abertura do 19º Festival de Gramado do Cinema Brasileiro, uma magnífica reportagem do jornalista Roldão Arruda, no "O Estado de São Paulo", denunciava a morte de centenas de crianças. Coincidentemente, três dias depois, o público que assistia ao documentário "A Guerra dos Meninos", um dos médias em competição, via na tela as imagens sobre a tragédia que, indiretamente, o jornalista havia se referido.

Direito de resposta

Em nome da Coordenação de Cinemas da Fundação Cultural de Curitiba, solicito espaço para correções referentes à matéria publicada na coluna "Tablóide" do dia 30 de outubro passado. No seu artigo, o colunista usou o termo "imbecilidade" para agredir esta Coordenação, mas não percebeu que ele mesmo foi imbecil "oito" vezes ao cometer os seguintes erros: 1. Já no título da matéria o nome do filme "Talk Radio" foi invertido e transformou-se em "Radio Talk";

As verdades nas telas da incompetência da Fundação

O chefe do Setor de Cinemas da Fundação Cultural de Curitiba, Paulo Roberto Rego Barros Biscaia Filho, em carta publicada ontem nesta coluna, tenta justificar os critérios (sic) para a programação das salas oficiais da Prefeitura, fazendo vários comentários sem, em momento algum, explicar os fatos mais graves que vêm ocorrendo. 1. De princípio, o sr. Rego se detém em apontar erros técnicos e de informação que aqui teríamos cometido no texto sobre o filme "Talk Radio: Verdades que Matam", publicado no último dia 30 de outubro.

Fogo pesado contra Loureiro no Guaíra

Pela primeira vez na história das artes cênicas no Paraná a categoria uniu-se totalmente na elaboração de um documento contundente - resultado daquela que na opinião de experientes profissionais, foi "a mais inflamada assembléia geral já feita com artistas paranaenses" - em que é exigido, literalmente, a demissão da atual diretoria da Fundação Teatro Guaíra - agora reduzida a uma autarquia com muito menos autonomia.

Gibi agora é curtição para adultos

Há 26 anos, quando o jornalista Mussa José Assis assumiu a chefia de redação de O Estado do Paraná e dentro de uma série de reformas e inovações, aqui introduzimos a primeira página dedicada a quadrinhos na imprensa brasileira. Aquilo que hoje é comum nos grandes jornais nacionais, teve o seu pioneirismo em nosso jornal - pois até então, apenas tímidas colunas abordavam as HQ, como tema para interpretações a análises - entre as quais dos pioneiros Sérgio Augusto ("Jornal do Brasil", antes no extinto "Correio da Manhã") e Moacy Cirne ("O Globo").
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br