Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Gal Costa

Gal Costa

Zuza na direção faz um belo espetáculo com Gilberto Gil

Habitualmente crítico de espetáculos - função que exerceu por mais de 10 anos em "O Estado de São Paulo", Zuza Homem de Mello está agora no outro lado do rio: desta vez é o diretor de um espetáculo que após estrear em Curitiba (domingo, 13), tem apresentações no Rio de Janeiro (Canecão, hoje) e São Paulo (Anhembi, sexta-feira e sábado): Gilberto Gil, Dominguinhos e uma nova cantora baiana - Margareth Menezes.

Música Brasileira está em alta em Nova Iorque

O I Festival de Música Instrumental Brasileira no Town Hall, em Nova Iorque (dias 10 e 11 de março), com patrocínio do Bamerindus, representa uma espécie de consagração de uma bem sucedida invasão sonora que a nossa MPB está fazendo nos EUA - via Big Apple/Los Angeles.

Capinam e Abel ganham afinal seus discos

Poucas vezes a edição de dois álbuns de montagens com fonogramas diferentes, reunindo vários intérpretes, obteve uma acolhida tão simpática (e ampla) junto à grande imprensa. A própria SBK Songs, etiqueta que, em 1988, foi a grande revelação no meio fonográfico, deve ter se surpreendido pelo interesse que a série Songbooks, reunido obras de letristas da MPB, despertou.

Gal é agora o nome de perfume sensual

Gal Costa, hoje uma das mais belas vozes do Brasil, em escalada internacional (dia 15 de março, concerto ao lado de Tom Jobim, no Tower Hall, em Nova Iorque) possivelmente virá a Curitiba para uma apresentação muito especial. Desta vez não será no auditório Bento Munhoz da Rocha Neto nem no Curitibano ou outro clube capaz de bancar o seu cachê. Será num local sofisticado, em data e local ainda não escolhidos, para privilegiados convidados. Com um detalhe: nem Gal vai cobrar nada pela apresentação, nem haverá ingressos à venda - apenas convites numa listagem muito bem selecionada.

Consuelo, a arquiteta dos baianos de sucesso

A curitibana Consuelo Cornelsen poderá utilizar um slogan lembrando um anúncio que fazia sucesso nas revistas dos anos 50: "9 entre 10 estrelas de Hollywood preferem Palmolive". Só que para Consuelo, o slogan seria: "9 entre 10 baianos bem sucedidos preferem o toque de bom gosto da arquitetura de Consuelo".

Dona Mariah, a mãe de Gal, vem lançar "Vidas da Vida"

Uma boa notícia: talvez a vinda de Gal Costa a Curitiba seja antecipada para o próximo fim de semana. Não que o lançamento oficial de sua linha de perfumaria vá acontecer imediatamente (conforme aqui registramos na coluna de domingo), mas, sim a bela superstar viria para um evento bem mais afetivo e familiar: prestigiar a noite de autógrafos de "Vidas da Vida", livro de crônicas-contos de sua mãe, Mariah Costa Penna. ***

Dona Mariah, as lições de uma jovem de 84 primaveras

Aos 84 anos - completados no último dia 9 de fevereiro, ela oferece a imagem da juventude e energia. Em sua simplicidade, tornou-se mais do que a amiga de toda uma geração de baianos que se tornaram nomes famosos nas artes brasileiras a partir dos anos 60: cantores, compositores, músicos, artistas plásticos, escritores - ou simplesmente gente, a quem parece transmitir sua receita de felicidade e simplicidade de saber bem viver.

O circo místico (e mágico) na maturidade de um ballet

Mesmo não tendo subido no palco do auditório Bento Munhoz da Rocha Neto para receberem placas comemorativas aos 20 anos de existência do Ballet Guaíra, duas pessoas foram cumprimentadas por todos que conhecem e acompanham a nossa vida cultural.

Mais de 200 candidatos na espera dos troféus

Eis a relação completa dos indicados para o Prêmio Sharp da Música, nas oito categorias. Pop/rock Arranjador: Ari Mendes (lp "Angela Ro Ro", Eldorado); Leo Gandelman (lp "Nico Rezende", WEA) e Portinho (lp "18 anos sem sucesso", com o Joelho de Porco, Eldorado). Revelação masculina: Ed Motta (lp "Ed Motta e Conexão Japeri", WEA); Fábio Fonseca (WEA) e João Figar (3M). Música: "Brasil" (Cazuza, George Israel, Nilo Romero), com Gal Costa; "Faz parte do meu show" (Cazuza/Ladeira, com Cazuza); "Ideologia" (Cazuza/Frejat, com Cazuza).

A noite de Cazuza na dignidade da coragem

Quando Cazuza entrou pela terceira vez no palco do Golden Room, na noite de terça-feira, 25, para receber o troféu que "Brasil" mereceu como música do ano, tirou o turbante - marca registrada de seu visual - e comentou: - Este turbante eu comprei em Nova York. É um turbante palestino que eles usam em conversações de paz. Na guerra, o turbante é vermelho. Hoje eu estou numa noite de paz.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br