Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Goethe Institut

Goethe Institut

Edson visita Frida mas quer "Espírito" no palco

Apesar de todo entusiasmo da simpática professora Birgit Muhlhaus, que após sete anos de Buenos Aires, assumiu a direção do Instituto Cultural Brasileiro/Germânico / Goethe Institut, em Curitiba, não foi possível viabilizar a vinda do dramaturgo Martin Walser ao Brasil neste ano, o que daria maior dimensão a estréia de sua peça "Uma Visita para Frida".

No campo de batalha

Organização germânica de Vera Lúcia Huebner, a eficiente assessora do programa cultural do Instituto Goethe: há meses vem se preocupando em divulgar o novo endereço da instituição (Rua Reinaldino Schaffenberg de Quadros, 33, esquina com a Ubaldino do Amaral). Dia 23, reúne a imprensa para mostrar como ficou a nova sede. *** "Análise Conjuntural", house-organ editado pelo Ipardes, publica em seu

Surge embrião de novo centro de cultura

Se alguém perguntar para um grupo quem conhece o ICBA, é provábel que ninguém se manifeste. Se, ainda, perguntar quem já ouviu falar no Instituto Cultural Brasil-Germânico poucos vão responder. Agora, se a pergunta for sobre o Goethe, com certeza a reação será bem mais intensa. A instituição foi criada pelo governo da Alemanha Ocidental para difundir a cultura germânica pelo mundo. Hoje existem 149 unidades espalhadas por 65 países. E, em Curitiba, o Goethe-Institut tem desenvolvido ótimos trabalhos, sozinho ou associado a instituições brasileiras.

No campo de batalha

O cineasta e ecologista Frederico Fullgraf não pára. Acaba de chegar de longa viagem a Alemanha, com retorno via Nova Iorque, trazendo muitas novidades. Uma delas é um embasamento internacional para a recém criada Fundação Terra de Pesquisas Ecológicas e Educação Ambiental. Para expor os projetos desta nova instituição - mais do que simples preservacionista, também operacionalmente ativa em vários setores - Fullgraf chega a Curitiba na próxima semana. xxx

Munchausen, o maior mentiroso do mundo

Nova Iorque, 12 de março de 1989: o "Coronet", um dos maiores cinemas do mundo, está superlotado: apesar do frio e chuva, filas imensas circundam o quarteirão. Na Big Apple, como havia acontecido em Paris e Londres (e depois em outras metrópoles), a estréia de "As Aventuras do Barão de Munchausen" atraía multidões. Afinal, a Columbia montou um esquema especial para recuperar os quase US$ 40 milhões investidos nesta realização complicada, que se arrastou por mais de um ano com filmagens em vários países.

Afinal, filmes de ação para lotar os cinemas da cidade

Para que Aleixo Zonari, o simpático comandante local do circuito Fama Filmes, volte a sorrir - após semanas de rendas indigentes na maioria dos cinemas de seu grupo - estreou ontem "Máquina Mortífera 2", que no esquema de violência-ação pretende repetir o êxito de bilheteria da primeira parte, realizada há dois anos e que foi um dos grandes êxitos de bilheteria da temporada de 1987/88. Em termos de qualidade, não há que se esperar muito...

Haja tempo para assistir os filmes destes Festival

Apesar da modéstia e falta de maior experiência da parte de seus organizadores, o I Festival de Cinema Cidade de Curitiba (até domingo, no Cine Ritz) traz opções a quem se interessa em conhecer especialmente curtas, médias e longas que habitualmente não freqüentam os circuitos comerciais.

No campo de batalha

Constantino Viaro, superintendente da Fundação Teatro Guaíra, convidou, oficialmente, Marcelo Marchioro para dirigir a ópera "Tosca", de Puccini, que com direção musical do maestro Alceo Bocchino, será produzida em outubro. Antes, porém, Marcelo dirige um novo espetáculo em São Paulo (Teatro Paiol, da qual é agora diretor administrativo): "Cais D'Oeste" de Bernard Marie Koltes (1949-1989), autor totalmente desconhecido no Brasil. xxx

Mulheres, esculturas e caricaturas alemãs

Afinal, um diferencial no catálogo da individual de Celso Silva da Silva, gaúcho de Porto Alegre, 36 anos, curitibano por adoção, que mostra seus trabalhos na sala Theodoro de Bona do Museu de Arte Contemporânea. Ao invés de buscar textos elogiativos (e muitas vezes vazios, quando preparados por "amigos") para o seu catálogo (um belo e simples designer de Deborah Schwanke), preferiu um texto poético, enxuto e que, modernamente, expõe, com modéstia, a sua proposta. Merecendo transcrição, embora no original, pela diagramação, alcance maior significado.

Um solo de violoncelo

Handel (Fuga em Dó Maior), Epple (Fantasia ao Anoitecer), Zenamon (Iguatu) e sete peças de Bach estão no programa do recital de violoncelo que Matias de Oliveira Pinto apresenta às 20h30 de hoje no Instituto Goethe (Rua Reinaldo de Quadros, 33), integrando as comemorações pela nova sede da entidade com matriz na Alemanha e pelos 40 anos de promulgação da Constituição Alemã.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br