Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Goethe Institut

Goethe Institut

Toquinho, autógrafos e a bela música de sempre

Entre os espectadores mais atentos (e fascinados) na estréia nacional de "Made in Coração" (sexta-feira passada, Teatro Guaíra) estava o professor Albert Von Muttius, diretor do curso de direito da Universidade Christian-Albrecht, de Schleswig, que vindo a Curitiba a convite do Goethe Institut, recusou qualquer outro programa a noite - para assistir ao compositor Toquinho. Depois do espetáculo, encontrado-o no hall do Araucária Palace Hotel, o jurista alemão, acompanhado de sua esposa, uma belíssima loira, abordou Toquinho e, em inglês, fez questão de se apresentar.

Vídeo independente amplia cada vez mais a realidade

A necessária abertura também para o vídeo, fez com que a Jornada de Cinema da Bahia - a exemplo do que acontece no FestRio - passasse a oferecer múltiplos programas. Assim, mesmo sendo ainda uma promoção modesta dentro de sua realidade, as sessões se multiplicaram, com os vídeos agrupados tanto na área competitiva como informativa - distribuídas no auditório do Instituto Goethe, como no salão Atlântico do Hotel da Bahia (ao menos nos primeiros dias, pois, na segunda-feira a aparelhagem ali instalada pifou).

Os direitos humanos na Jornada da Bahia

Desde a I Jornada Baiana de Curta-Metragem (13 a 16 de janeiro de 1972), que Guido Araújo idealizou e realizou graças ao apoio e entusiasmo de Rolland Schaffner, então diretor do Goethe Institut, em Salvador, esta promoção sempre se caracterizou pelos eventos paralelos à área competitiva. A proporção em foi se consolidando - crescendo já em 1973 para Jornada Nordestina de Curta-Metragem (3 a 12 de setembro) incluía um encontro preparatório do II Encontro dos Pesquisadores do Cinema Brasileiro, paralelamente a um seminário do filme Super-8 - bitola que tinha sua euforia naquela época

Na batalha das rendas, até o filme com Sonia foi um fracasso

Não é só o futebol. O cinema também pode ser adjetivado de caixinha-de-surpresas. Especialmente em termos de bilheteria. Eis um bom exemplo: "Rebelião em Milagre", segundo longa dirigido por Robert Redford, marcando praticamente a estréia de Sônia Braga numa produção americana (afinal, "O Beijo da Mulher Aranha", de Babendo, foi feito em São Paulo e só finalizado nos EUA) vem tendo uma excelente cobertura desde que foi iniciado, há quase dois anos.

Também assim não há público que resista

Quarta-feira, 21, 19h45. Na portaria do edifício-sede da Caixa Econômica Federal (entrada rua José Loureiro), chegam dois casais que haviam programado assistir, no auditório do 15o. andar, a projeção dos 10 vídeos sobre artes plásticas na promoção denominada Rio Arte Vídeo. Apresentada como uma realização conjunta da Secretaria de Estado da Culutra/ Coordenadoria dos Museus/ Caixa Econômica Federal (conjunto cultural), e que havia merecido um sofisticado poster (como, aliás, sempre acontece nos eventos desta pasta) e anunciava o início para aquela ocasião.

Olhar múltiplo para o que há de melhor

Até parece clima de FestRio! Múltiplos programas simultaneamente, obrigando quem se interesse em conhecer obras que normalmente não chegam aos circuitos comerciais - e muito menos nas comerciais locadoras de vídeo - a se desdobrar para assistir o que há de bom em oferta. A etapa final da Retrospectiva do Cinema Alemão (sala Brasílio Itiberê) e "Cinema Japonês: Grandes Momentos" (Cine Ritz), a "Rio Arte Vídeo" (auditório da Caixa Econômica Federal do Paraná, 10º andar) acavalam as programações - sem contar ainda filmes atraentes no circuito comercial.

Tu & Eu neste final de semana

O espetáculo colorido que resgata a infância até a descoberta da personalidade "Tu & Eu", do autor alemão Friedrich Karl Westocher - volta a se apresentar ao público, com duas apresentações amanhã (1h30 e 16h) e domingo (10 e 16), no mini-Guairinha. Sob a direção de Hugo Mengarelli, atuam Darson Ribeiro, Francisco Moura e Lena Horn. Numa co-produção do grupo Moenda e Goethe Institut, "Tu & Eu" encerra a problemática do Outro, ou seja, o ser humano precisa necessariamente da sua outra face para sobreviver ao mundo.

Nas imagens de Orlando, a memória da fábrica Wenske

Há menos de um ano - exatamente no domingo, 13 de março de 1988, dedicávamos nossa coluna para antecipar detalhes do livro "Fitas Bandeiras Wenske", com fotografias de Orlando Azevedo. Uma das fotos que Orlando nos cedeu, por sua beleza, mereceu inclusive ser capa do "Almanaque". Agora, finalmente, o livro está pronto. Seu lançamento aconteceu dia 6, quinta-feira, no Museu de Arte de São Paulo - paralelamente a uma mostra das próprias fotos que compõe este volume de arte, investimento de mais de Cz$ 10 milhões das secretarias da Cultura e da Indústria e Comércio do Paraná.

As vítimas da Fucucu

Infelizmente, parece que até mesmo o Goethe Institut/Instituto Cultural Brasileiro-Germânico, que há mais de dez anos traz, generosamente centenas de promoções para que a Fucucu justifique sua existência, também não mereceu maior consideração na mostra de dez filmes inéditos, intitulada "Nova Geração de Cineastas Alemães".
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br