Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Heitor Villa-Lobos

Heitor Villa-Lobos

O violão de um novo mestre trazendo Villa e Ginastera

A obra de Heitor Villa-Lobos é de tamanha importância que todas as gravações que se façam para divulgá-la no Brasil e Exterior devem ser saudadas com entusiasmo. E quando um virtuose da dimensão de Eduardo Fernandez acopla a 5 prelúdios e 12 estudos que o mestre Villa criou para violão, mais a sonata para violão, opus 47, de Alberto Ginastera (1916-1983) estamos diante de uma pequena jóia. É o caso deste CD, selo London/Polygram, lançado há algumas semanas.

Banquete para os ouvidos com as audições eruditas

O setor clássico é, naturalmente, a menina dos olhos de ouro no planejamento das edições em CDs. Facilmente explicável: se constitui na faixa de consumo de melhor poder aquisitivo e também a mais exigente. Portanto, Maurício Quadrio, da Sony Classical, ex-CBS, que desde o ano passado há havia abandonado as edições em vinil, optou por CD/cromo para a produção que sairá este ano com o novo selo.

Semana de poucas estréias

Nesta terceira semana do ano as estréias ainda são raras. Afinal, os exibidores não querem desperdiçar os bons títulos em época de férias e muita gente (ainda) viajando. O lançamento mais importante é "Coração Selvagem" de David Byrne (Ritz, 5 sessões), premiado em Cannes no ano passado - e aqui registrado por Tiomkin, da equipe que passa a escrever sobre cinema em "O Estado". Uma comédia com muita ação estreou na semana passada no Condor e permanece em cartaz: "Alta Tensão" (Bird on a Wire), de John Badham ("Os Embalos de Sábado à Noite").

Arthur revisita Villa

Chegando aos 50 anos - completados dia 16 de julho último - o carioca Arthur Moreira Lima no alto de um prestígio internacional que o inclui no podium dos mais respeitados pianistas do continente vem, há mais de 10 anos, diversificando cada vez mais sua carreira.

Muita música instrumental de qualidade à disposição

Edgard Duvivier é um exemplo da nova geração de instrumentistas com formação internacional. Filho de família das mais tradicionais do Rio de Janeiro, estudou saxofone em Berkeley e vem desenvolvendo uma carreira segura, extremamente sofisticada. O casamento com a cantora Olívia Byghton - uma das vozes mais perfeitas surgidas nos últimos anos - aproximou dois seres de extrema sensibilidade.

O canto gregoriano em vozes dos bons monges

Uma das gravações mais interessantes do catálogo da Imagem é uma produção da Vanguard, lançada já há muitos anos - mas que se constitui no Brasil, uma das poucas opções para se conhecer a música gregoriana: Trata-se do álbum gravado pelos Monges Beneditinos de Santo Wandrille de Fontenelle, que mesmo não sendo profissionais do canto, fizeram um álbum tão enternecedor, com 15 cantos, que recebeu o Grand Prix Du Disque, na França.

Ofensas a Dalva não tiram iluminada alegria de Pery

Pery Ribeiro estava feliz na quinta-feira, 8, durante as horas que passou em Curitiba. A homenagem prestada a sua mãe, a cantora Dalva de Oliveira (Vicentina de Paula Oliveira, 1917-1972), com a edição do álbum duplo "Estrela... Saudade" (Revivendo, março/90), apresentado oficialmente em solenidade na Sala Antonio Mililo da Secretaria da Cultura foi um justo reconhecimento ao talento de uma das maiores cantoras brasileiras.

Um pacote com o som melhor dos clássicos

No pacote de dez fitas-CDs, o lançamento mais interessante é a primeira gravação mundial do musical "Magdalena", que Heitor Villa-Lobos (1887-1959) compôs em Nova Iorque, entre janeiro a março de 1947, durante a segunda viagem do compositor aos EUA. Numa época em que o musical atingia os pináculos na Broadway - especialmente com os trabalhos da dupla Rodgers & Hammerstein ("Carmen Jones", "Carcussel", "Oklahoma"), Villa-Lobos aceitou o convite da Los Angeles Civic Light Opera Association, para produzir aquilo que denominou de uma "aventura musical". Sobre o libreto de H. Brenan e H.

No campo de batalha

O pintor João Ozório Brzezinski em temporada francesa. Maior amigo de Juarez Machado, desde os dias que o artista catarinense chegou, anonimamente em Curitiba, no início dos anos 60, Brzezinski, 49 anos, passou 30 dias na mansão estudo que Juarez possue em Paris. Algumas viagens a países vizinhos e principalmente centenas de quilômetros nos museus e galerias nos 30 dias que o bom João ficará no Exterior. xxx
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br