Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Irene Ravache

Irene Ravache

Almas penadas no terreno que tem caveira-de-burro

Apesar de suas identificações apaixonadas ao brizolismo, o prefeito Jaime Lerner necessitará não só todo o fulgor de sua estrela como também a simpatia da área econômica do governo federal para levar adiante os projetos que tem envolvendo negociações com a Caixa Econômica Federal.

No campo de batalha

Tonicatto Miranda, ex-assessor do Ministério dos Transportes, animador cultural, poeta e que em 13 de maio de 1989, associado a José de Biasi, havia inaugurado uma simpática livraria na Rua Comendador Araújo - Ipê Amarelo - afastou-se da sociedade. Dedica-se agora em tempo integral à assessoria da vereadora Zélia Passos (PT). Sua competência já ajudou em vários projetos que tem contado pontos para a liderança de Zélia como uma de nossas melhores vereadoras. xxx

Imagens coloridas e turísticas de Manzon

Nos anos 50/60, enquanto as platéias dos cinemas recebiam com vaias e irritação os cine-jornais da "Amplavisão" do ítalo-paulista Primo Carbonari ("Conheça primeiro o que é teu, para depois conheceres o que é dos outros..."), os documentários coloridos com a marca do franco-brasileiro Jean Manzon eram aplaudidos. Mesmo com patrocínios diretos, os curtas de Manzon documentavam de forma agradável grandes empresas, obras (especialmente do setor energético), trazendo imagens que constituem hoje um acervo das transformações no Brasil.

Apesar dos problemas, Rio Cine mostrou resistência

Rio de Janeiro - sem contestações e pálidas críticas à política cultural do Brasil Novo, com algumas afirmações de que "como superamos os anos da ditadura, também daremos a volta por cima nestes dias de crise" - nas palavras do cineasta Denoy de Oliveira, a festa de entrega de muitos prêmios do RioCine Festival teve presença e ausências.

Noite cheia de estrelas na III premiação da Sharp

Dizer que nunca se viu tantos nomes da música brasileira por metro quadrado como os que lotaram o amplo auditório D. Pedro I, nome oficial do Centro de Convenções do Hotel Nacional na noite de quarta-feira, não seria exagero. Pois entre os quase 3 mil convidados do grupo Machline para a festa de entrega do 3º Prêmio Sharp de Música estava, naturalmente, uma excelente representatividade de nossa música popular - entremeadas de stars da televisão - atores, atrizes, diretores, produtores, personalidades da vida social, etc.

Maysa sem lágrimas em momentos de amor

A abertura não poderia ser mais suave, embora até um tanto óbvia. No imenso auditório escuro, a projeção de um imenso close up com os olhos que sempre foram sua marca registrada. Chico Anysio, com voz clara, acentuada emoção, dizendo o poema que há trinta anos Manuel Bandeira (1886-1968) dedicou a sua musa na "Estrela da Tarde": "Os olhos de Maysa são dois não sei que

Agora é a Golden Metais que promove o "Oscar" das artes

O sucesso do Prêmio Sharp de Música, idealizado e dirigido por José Maurício Machline, levou outras empresas a criarem promoções semelhantes. Assim, a Golden Metais lançou há alguns meses uma premiação para os melhores do teatro, cinema e televisão. Devido a problemas internos, os resultados dos indicados de 1989 só acontecerá no dia 17 de setembro, no Golden Room do Copacabana Palace.

Um filme polêmico de Israel vence o FestRio em Fortaleza

Fortaleza - A trajetória de uma família israelense por uma região em conflito, nos quais paralelamente ao clima de guerra há também uma explosão de rancores, medos e ansiedade, constitui o tema de "Territórios Ocupados" (Sadot Ierukim), de Isaac Yeshurun, premiado como o melhor filme do 6º FestRio-Fortaleza.

Quem bom que o documentário de Lúcia esteja em exibição

"Que bom te ver viva", em nossa opinião o mais importante, oportuno (e não oportunista) e sincero filme brasileiro - disparado o melhor de 1989 e um dos 10 mais importantes da década - chegou ontem à tela do cine Ritz (5 sessões, previsão de ao menos duas semanas em cartaz).

O hino à vida de Lúcia Murat

Em 1977, no auge da repressão militar, a estudante Lúcia Murat e alguns companheiros do movimento clandestino do qual faziam parte vieram ao Paraná para fazer "sondagens" sobre as condições de luta armada. Como Lúcia tinha parentes na cidade de Palmas, região Oeste, foi para aquela cidade e hospedou-se com um de seus tios, João Vasconcelos. Apesar da discrição, as perguntas que começou a fazer aos moradores da região despertou suspeitas e o óbvio aconteceu: ela e suas companheiras seriam presas.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br