Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Isto É

Isto É

Artigo em 13.02.1982

Há dois anos o arquiteto paulista Sergio Prado, 36 anos, quase criou um racha entre os profissionais do Instituto de pesquisas e Planejamento Urbano de Curitiba.

Quem diria, Zaruch acabou no palco beijando Déborah Bloch!

Aos 46 anos, o jornalista Luiz Júlio Zaruch, desde 1971 o porta-voz oficial do prefeito Jaime Lerner, realizou, inesperadamente, um desejo desde seus tempos de aluno do colégio religioso: subir ao palco de um grande teatro e contracenar com uma atriz famosa nacionalmente.

"Noções Unidas", o riso da realidade brasileira

Uma charge de Dante Mendonça na primeira página de O Estado do Paraná vale às vezes por um editorial. As colunas de Millor Fernandes no "Jornal do Brasil" e "Isto É" assustam mais aos políticos do que furiosos editoriais d' "O Estado de São Paulo". O humor sarcástico de Jô Soares - seja na revista "Veja" ou no seu talk show na SBT/TV Iguaçu, conquistam cada vez maiores faixas de audiência.

Uma aula de Brasil com a "Memória Viva" de Aloísio

"Porque, na verdade, o verdadeiro cinema, no seu sentido completo e no seu sentido verdadeiro e íntegro, é o que os senhores fazem. É a aproximação do fenômeno em qualquer direção, na direção científica, na direção didática, na direção puramente lúdica. O documentário é, por natureza, o verdadeiro cinema". (Aloísio Magalhães, no discurso de abertura do Encontro Nacional de Documentarista Cinematográficos, em Brasília, 16 de novembro de 1981).

Maria Rita, o canto que o Brasil precisa ouvir

Cada vez que a Dell'Art traz a Curitiba um grande espetáculo como a Orquestra Filarmônica de Moscou - último domingo, no Guaíra, nos bastidores, eletricamente eficiente, está uma jovem capaz de resolver qualquer problema de última hora. Ela é Maria Rita Stumpf, gaúcha de São Francisco de Paula, 33 anos, que hoje é, com razão, o braço direito de Miriam Dauelsberg. Só que por trás da coordenadora geral de produção que há mais de 5 anos trabalha com a Dell'Art, está um dos grandes - e até agora imerecidamente, desconhecidos - talentos da música brasileira.

A ficção com a boa imagem

O projeto ainda está em sigilo - pois pode até nem dar certo. Um veterano jornalismo, com pendores literários e, hoje na tranqüilidade de uma semi-aposentadoria, está pensando em desenvolver uma novela com toques autobiográficos, tendo por título e tema central o tradicional Bar-Restaurante Palácio.

O exemplo do festival feito com competência

A Secretaria da Cultura está procurando, desesperadamente, alguns mecenas que tornem possível a continuidade do Festival de Música de Londrina para evitar que, às vésperas do evento, repita-se o que tem acontecido em anos anteriores: falta de recursos, improvisações e muitas divergências. No próximo dia 15, inicia no Solar do Barão um curso de verão de música, que de proporções modestas vem tentando crescer - embora limitado em suas dificuldades financeiras.

Agora a vanguarda chama-se John Zorn

No ano passado, a moda foi curtir - com atraso de muitos anos - Tom Waitts, especialmente depois que apareceu como ator no "Daunbailô" de Jim Jamurschi. Este ano, parece que o modismo será a curtição em torno de John Zorn, 34 anos, saxofonista novaiorquino, que com seu lp "Spillane" (WEA) chega junto a um público urbano, de faixa entre 24/35 anos, que se interessa pelas inovações sonoras.

No campo de batalha

Dentro do amplo programa de eventos culturais que marcaram ontem, 19 de dezembro, o transcurso da data comemorativa à emancipação política do Paraná, esteve o lançamento oficial do Concurso Nacional de Contos, reeditando, assim uma promoção criada há 20 anos por Paulo Pimentel, quando governador do Estado.

O Brasil vivo de Aloisio Magalhães

"O cinema documentário é o verdadeiro cinema" (Aloísio Magalhães) Dois dos mais importantes filmes do FestRio acabaram desapercebidos no porre audiovisual que caracteriza uma mostra desta dimensão: "Memória Viva", de Octavio Bezerra e "Brascuba", de Orlando Senna e Santiago Alvarez. O primeiro, no último dia da competição, acabaria esquecido se não tivesse merecido ao menos um prêmio especial do júri - dividido com as produções vindas da China Comunista ("A Última Imperatriz") e União Soviética ("Kin-dza-dza").
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br