Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Jack Lemmon

Jack Lemmon

Lula traz melhor do cinema em ritmo "BN"

Letrista dos mais inspirados no mais fértil período da Bossa Nova, parceiro de Oscar Castro Neves e outros grandes nomes, Lula (Luís Fernando) Freire foi participante de destaque na renovação da MPB nos anos 60. Depois, seguiu os passos de seu pai, o senador Vitorino Freire e acabou até deputado federal. Distante da política, Luís Fernando é hoje editor de uma das mais sofisticadas publicações de arte já feitas no Brasil, a revista "Ventura", que tem como representante regional a crítica e agitadora cultural Marlene Almeida.

E chega o filme que discute morte de JFK

Desde que a Igreja condenou "Je Vous Salue, Marie" (1984, de Jean Luc Godard) e "A Última Tentação de Cristo" (88, de Martin Scorcese) que um filme não provoca tanta discussão: "JFK - A Pergunta que não quer Calar" (Cine Astor, 14, 17h15 e 20h30; Cinema I, às 15 e 19h30). Mesmo o Instituto Gallup tendo confirmado em julho do ano passado, que 73% dos americanos não acreditam nos resultados do suspeitíssimo Relatório Warren, as teorias que Oliver Stone propõe em seu filme valeram uma tormenta de críticas e acusações, admitindo até que não descarte a possibilidade de sofrer um atentado.

"JFK", mentiras e verdades que o mundo quer conhecer desde 63

Quando um superstar da construção cinematográfica se dispõe a se cansar num périplo internacional para promover a estréia de seu último filme - seja um intérprete, diretor ou mesmo produtor - a imprensa desconfia. No mínimo, é uma estratégia de luxo para reforçar o marketing promocional de uma produção que consumiu milhões de dólares e que no lançamento nos Estados Unidos fracassou.

Tadeu, o piano e a voz num espetáculo moderno

A natural atração que a superstar Marília Pêra provoca com seu elogiado show "Elas por Ela" (Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto, ainda hoje, 21h), fez com que poucos espectadores se ligassem no espetáculo "Mania de Amar", apresentado ontem e que deve ser visto ainda hoje no Teatro Paiol.

Uma coleção com clips dos grandes nomes americanos

Como a indústria do home vídeo cresceu tanto, as distribuidoras de maior criatividade têm que buscar produtos com alguma originalidade. O que está acontecendo ao menos nos Estados Unidos - mas e, dentro de algum tempo, poderá ser repetido no Brasil. O último número de "American Film", que de acordo com os novos tempos foi aberto também para "Video and Television Arts", dedica anúncio de uma página ao lançamento feito pela World Vision Home Video Inc. (P.O. Box 2474, New York, NY 10185, USA) ao lançamento dos primeiros títulos da nova coleção "The Greatest Names of Film History!".

Graças a Lucas, filmes que não chegariam ao circuitão

Enquanto as majors - CIC, MGM, Warner, Columbia, etc. - concentram suas atrações em filmes consagrados, produções que, quando de seus lançamentos nos circuitos de 35mm ganharam grande promoção - e têm assim, um recall junto à faixa acima dos 30 anos - e uma natural curiosidade aos que não assistiram na época, algumas distribuidoras têm, salutarmente, se voltado para produções independentes, que não chegariam ao Brasil no circuitão. São produções modestas, que mesmo em seus países de origem não obtiveram a repercussão - mas que nem por isto devem deixar de interessar a quem gosta de cinema.

Indicações e indicados para o muito desejado titio Oscar

Um dos aspectos mais questionados do Oscar é, justamente, o critério de votação. Pelo próprio fato de tanto as indicações como a escolha final ser feita pelos membros da instituição - hoje ao redor de 5 mil membros (em 1986, eram 4.744), entre profissionais do cinema, a premiação adquire um sentido diferente dos que existem em outras promoções internacionais - sejam escolhas dos críticos, dos júri de festivais ou mesmo de premiações na televisão (Emmy) ou música (Grammy).

E a emoção de Miss Daisy ganhou na festa do Oscar

O sentimentalismo venceu a política na conservadoramente equilibrada distribuição dos 23 Oscars na noite de segunda-feira, 26. Se "Nascido a 4 de Julho", politicamente o mais importante dos filmes indicados neste ano, ficou apenas com dois troféus - montagem (Davis Bremer e Joe Butshing) e direção (Oliver Stone), "Conduzindo Miss Daisy" levou 4 dos 9 Oscars para os quais havia recebido nominations: filme, atriz (Jessica Tandy, 81 anos), roteiro adaptado (Alfred Uhry, autor também da peça original) e maquiagem (Manlio Rochetti, Lyn Barber e Ken Harvey).

"Splendor" compensa filmes que fracassaram na semana

Infelizmente, aconteceu o que prevíamos: dos cinco importantes filmes estreados há uma semana, dois já não estão mais em exibição: "Assassinato sob Custódia" (A Dry White Season), de Euzhan Palcy e "Contos de Nova Iorque", de Martin Scorcese, Francis Coppola e Woody Allen, foram substituídos por "Meu Pai - uma Lição de Vida", de Gary David Goldberg e "Splendor", de Ettore Scolla, nos Cines Lido II e Bristol, respectivamente.

Assim é a VIDA!

"Espera-se envelhecer e teme-se a velhice: quer dizer, ama-se a vida e foge-se à morte" (Le Bruyére, 1645-1969, "Os Caracteres"). Se houvesse uma censura classificatória não só de idade, mas preventiva para emoções fortes em termos geriátricos, talvez até se justificasse que "Meu Pai - Uma Lição de Vida" (Lido II, 5 sessões, até amanhã em exibição) ganhasse a indicação de "desaconselhável (e perigoso) para maiores de 60 anos.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br