Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Jardim de Alah

Jardim de Alah

Personagem esquecida pela história oficial

Brasília - Embora "A República dos Anjos" seja a primeira grande produção dirigida pelo uruguaio Carlos Del Pino, 42 anos, há 23 no Brasil, ele tem uma grande experiência no cinema . Fez parte do Cinema Novo, trabalhando em diferentes funções, com realizadores como Cacá Diegues ("Os Herdeiros" e "Joana Francesa"), Geraldo Sarno ("Coronel Delmiro Gouveia"), na trilogia de Ama Carolina, entre outros. Há 15 anos chegou a fazer um longa-metragem, praticamente inédito: "O Leão do Norte".

Agora é a Golden Metais que promove o "Oscar" das artes

O sucesso do Prêmio Sharp de Música, idealizado e dirigido por José Maurício Machline, levou outras empresas a criarem promoções semelhantes. Assim, a Golden Metais lançou há alguns meses uma premiação para os melhores do teatro, cinema e televisão. Devido a problemas internos, os resultados dos indicados de 1989 só acontecerá no dia 17 de setembro, no Golden Room do Copacabana Palace.

Só 26 filmes nacionais foram lançados em 1989

Projetos não faltam, realizá-los é que são elas. No cinema, mais do que em qualquer outra área da indústria cultural, a inquietação é grande. Afinal, qualquer projeto de curta, média ou, especialmente, longa-metragem, exige orçamento na casa dos muitos mil dólares - e nesta época de crise, inflação galopante e expectativas dos novos tempos (duros) econômicos, investir em cinema é algo que fica cada vez mais distante.

O filme de um milhão de dólares contará "A República dos Anjos"

Durante quase três horas o soldado disparou a metralhadora contra a menina vestida de branco, na madrugada de um verão de 1925. Ela falava com os anjos, enfrentava balas e foi capitão do exército na revolução constitucionalista de 1932. Tinha nessa época 23 anos de idade.

Um Chico Mendes julgado na competição dos curtas-metragens

Fortaleza - Como eficiente assessor da Embrafilme, o jornalista Sebastião França, faz questão de contar a boa notícia: por determinação do ministro José Aparecido de Oliveira, da Cultura - após ouvir o apelo do secretário René Dotti (de quem França foi assessor especial por seis meses) a Fundação do Cinema Brasileiro vai agilizar a sua participação para que os quatro curtas-metragens, co-produzidos pelo governo do Paraná, sejam, enfim, finalizados. Não é sem tempo.

No épico goiano, a bela Denise vive Santa Dica

As filmagens de "Santa Dica - A República dos Anjos" iniciaram em 5 de agosto no próprio Povoado da Lagoa, município de Pirenópolis (famoso por suas cavalhadas), onde viveu a mística Dona Dica. Em Goiás Velho também foram feitas algumas seqüências. Muitos exteriores, que exigiram grande sacrifício do elenco e da equipe técnica - passaram os três meses praticamente acampados, nas locações. Mas o entusiasmo por esta realização foi tão grande "que o desconforto nem nos incomodou", diz a bela Valeria Frascino, uma morena sensual que interpreta a cigana Antonieta.

Ecos do festival

Como aconteceu uma inesperada reunião de integrantes de Conselhos Estaduais de Cultura de vários Estados no Auditório Brasílio Itiberê, as sessões da retrospectiva do cinema francês foram transferidas para a Cinemateca. Hoje, entretanto, voltam a acontecer naquele espaço, com dois programas interessantes: um desenho animado sobre as aventuras do Barão de Munchausen e o excelente "Duas Inglesas e o Amor" (Les Deux Anglaises et le Continent, 1971), de François Truffaut (1932-1984). xxx

Mesmo na pobreza, haverá 22º Festival de Brasília

Nos últimos 26 anos o Festival de Cinema Brasileiro de Brasília tem uma longa história de dificuldades em sua sobrevivência. Na época mais difícil da ditadura militar, a resistência democrática que representava aquele evento irritava setores do governo que, por alguns anos, chegaram a suspendê-lo. Nos últimos anos, dificuldades financeiras e, por último, em 1988, divergências entre a presidência da Fundação Cultural do Distrito Federal - ocupada pelo Maestro Marlos Nobre - com as pessoas que o organizavam, também levaram a ter edições praticamente improvisadas.

No campo de batalha

"Que bom te ver viva" já poderia ter sido visto em Curitiba. Lucia Murat se dispôs a trazê-lo para o encerramento do Festival do Cinema Brasileiro, organizado pelo colunista Alcy Ramalho Filho em setembro último. Infelizmente, por excesso de longas que ali competiram, faltou espaço para que o excelente documentário tivesse sua apresentação hor concours. xxx
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br