Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS John Lennon

John Lennon

Bowie, estatus e hipocrisia visual

Que não e perca pelo título! O nome do êlepe do P.M. Dawn que a Polygram/Island está colocando no mercado chama-se nada menos que "P.M. Dawn of the heart, of the soul and of the cross: the utopian experience". A capa tem um visual dos mais bonitos - com imagens que sugerem uma solidão em geleiras destes interpretes /autores criolos, com um ritmo do mais marcantes - todos de autoria de A Cordes, com diversos parceiros. xxx

Belchior, uma obra com personalidade

BELCHIOR (Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes) cearense de Sobral, 45 anos a serem comemorados no próximo dia 26 de outubro, está entre os mais inteligentes compositores brasileiros. Com formação humanista - foi seminarista, quando aprendeu latim e grego, estudou música desde a infância e uniu as influências nordestinas a sua formação de jovem que, nos anos 60/70 ouviu muita música internacional como programador de uma rádio em Sobral.

Videonotas

A Warner continua a fazer lançamentos de categoria. Em seu último pacote, trouxe "Imagine", o documentário com material inédito de John Lennon e um dos melhores filmes de Francis Ford Coppola, "Vidas sem Rumo" (The Outsiders), que realizado no mesmo ano (1973) e baseado também em livro da mesma autora (S.E. Hinton) que motivou a obra prima "O Selvagem da Motocicleta" (The Ramble Fish), trouxe um elenco de jovens que explodiriam como grandes atores nos anos 80: Tom Cruise, C. Thomas Howel, Ralph Macchio, Patrick Swayne, Robe Lowe, Emílio Esteves e Matt Dillon. xxx

Kimiko, revelação vocal

O fascinante no jazz é que ao lado da maravilha que representam a audição de grandes nomes do passado - mas que pelas suas idéias avançadas soam sempre como novidade - surgem sempre revelações extraordinárias. E na área vocal, uma nova revelação é a cantora japonesa Kimiko Itoh ("Follow Me", CBS), da qual pouco se sabe, já que a CBS, normalmente tão atenta em bem divulgar seus produtos, desta vez não distribuiu releases a respeito.

As memórias de Niven e de outros artistas

O boom de biografias, memórias e mesmo perfis (nem sempre laudatários) de quem é (ou foi) importante tende a crescer neste ano. O resultado favorável de uma dezena de biografias de artistas, lançadas no ano passado anima as editoras a continuar investindo no gênero - que é fértil. Basta dizer que não há um mês sem que saiam novos livros de astros do cinema, cantores famosos ou mesmo realizadores - seja de filmes, teatro ou compositores e maestros.

Geléia Geral

Dentro da multiplicidade da chamada música negra, eis que chega o curioso Tone Loc ("Loc'Ed After Dark", WEA/Island/Delicious o Vinyl). Nascido Tony Smith, mais adotando o pseudônimo de "Loc" (que lembra louco), chegou as paradas de sucesso em apenas 8 semanas, suficiente passaporte para internacionalizar seu material sonoro, que ele próprio assim define: "É como entrar num estado de hipnose. Eu sento perto de uma mesa e começo a bater nela com ritmo. Quando vem algo que eu gosto, imediatamente escrevo".

Nei Lisboa, o marginal assumido do som gaúcho

Há mais ou menos cinco anos o gaúcho Nei Lisboa esteve em Curitiba, estimulado por sua amiga Cida Moreira (que, louve-se, foi a primeira a reconhecer seus méritos) e fez uma frustrante temporada no Teatro da Classe. Menos de 30 pessoas apareceram nas três noites em que ali esteve.

A vida de Miller e o livro de Virginia

O brasileiro está cada vez mais querendo saber da vida alheia. E das pessoas importantes. O que é ótimo! Nunca se publicaram tantas biografias, memórias, depoimentos, relatos pessoais, nas mais diversas áreas, como agora. Quanto mais apimentado, melhor para as vendas. Embora nenhuma editora tenha ainda se atrevido a lançar as biografias "não oficiais" de Elvis Presley e John Lennon nos quais Albert Goldman deita e rola em maldades sobre estes dois ídolos da juventude dos anos 50/60, não faltam biografias de atores, atrizes, escritores, homens de sucesso, maestros, etc.

No rock, a volta dos Queens e David Bowie

O dragão insaciável que se conhece como consumismo pop internacional joga no mercado mais de meia centena de novos grupos a cada mês numa mistura geral da qual se destacam nem sempre os melhores - mas os que tem a sorte de receberem os melhores temperos de marketing. Isto explica a quantidade incrível de conjuntos, solistas, vocalistas, etc., que hoje tem uma presença internacional - pois bastou emplacar em alguma metrópole para que representantes das grandes gravadoras façam lançamentos praticamente simultâneos.

O boom das biografias (sérias ou de fofocas)

Vista com restrições por editores durante muito tempo, a biografia é hoje um gênero em escalada no Brasil. Cada vez aumenta mais o interesse dos leitores em conhecer a vida e obra de pessoas que nos mais diferentes setores se destacaram - como "self made men" ou dentro de circunstâncias especiais, alcançaram notoriedade.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br