Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Jorge Amado

Jorge Amado

Flashes do Festival

Pelo menos um curitibano terá um vídeo exibido, hor concours, no dia 29: é Henry Gervaisseau, 35 anos, filho de Violeta e Pierre Gervaissseau, que nasceu na capital paranaense - mas que só veio conhecer no ano passado, em setembro - pois seus pais, em 1955, retornaram a França, quando ele tinha menos de um ano de idade. Seu vídeo - "Homenagem ao Dom" focaliza Dom Helder Câmara, arcebispo de Olinda em 1964, quando seus pais foram perseguidos pelo exército, após o golpe que levou seu tio, Miguel Arraes, então governador de Pernambuco, Recife, a prisão.

A viagem de sucesso do livro de Oswaldo

A transposição à tela de "Jorge, Um Brasileiro", motivou que a Editora Nova Fronteira fizesse uma nova edição do romance de Oswaldo França Júnior utilizando fotos do ator Carlos Ricelli - personagem-título - e de Glória Pires, na capa e contracapa.

Idéias atuais de uma mulher de sentimentos

Cristina - Dona Mariah, quais seus autores preferidos? D. Mariah - Atualmente não leio muito autores estrangeiros. Mas já li muito, sobretudo os franceses que lia no original. Anatole France tem a minha preferência apesar de gostar de Victor Hugo, Baudelaire, Balsac... Lia também muito os portugueses: Eça de Queiroz, Fernando Pessoa. Dos escritores da atualidade, naturalmente dois baianos já internacionais: Jorge Amado e João Ubaldo. Cristina - A Sra. citou somente os homens. E as escritoras mulheres? D. Mariah - Não gosto muito não... a não ser Clarice Lispector...

Sambas-de-enredo ou a fórmula do faturamento

Há pelo menos duas décadas os sambas-de enredo se tornaram um dos melhores negócios carnavalescos. Não é sem razão que há brigas de foice e até assassinatos entre sambistas das escolas de samba do Rio de Janeiro para ver de quem será o samba-de-enredo no Carnaval - pois isto não é sinônimo de glória: é muita grana no bolso. Por baixo, baixo, cada compositor de um samba-de-enredo vencedor nos concursos internos das grandes escolas (e são cinco, seis, às vezes até dez os que assinam os sambas) acaba faturando mais de três milhões de cruzados novos - em direitos autorais e conexos.

No campo de batalha

* Mais uma premiação para Denise Stocklos: dia 4, em São Paulo, recebeu o Troféu Lei Sarney, que veio acompanhado de um polpudo cheque de mais de um milhão de cruzados. Ganhou na categoria de teatro, por seu belíssimo trabalho, em mímica, de "Maria Stuart".

Paranaense Regina traduz as indicações de Cleo

Embora residindo em Paris há alguns meses, Regina Abujamara Machado, paranaense de Jacarezinho, continua a ser requisitada para a tradução de livros. Um de seus últimos trabalhos é "Assoa o Nariz, Cleópatra", de Françoise Xenakis (Editora Rocco, 223 páginas, Cz$ 2.200,00).

O "Tatu" vai para quem vê o real com a emoção

Um olhar emotivo e sensível sobre a velhirce, enfocando o outono da vida de três octagenárias senhoras que moravam na cidade de Crateús (400 km de Fortaleza), deu a Nirto Venâncio, 32 anos, jornalista, com seu primeiro filme, o troféu "Tatu de Ouro" como melhor curta-metragem.

As muitas faces da sensibilidade

Domício e Leila Pedroso, que há dez anos passados montaram a grande retrospectiva em homenagem a Poty, trabalham há meses para a coordenação técnica da mostra "Poty, o Ilustrador" (Solar dos Leões, Avenida João Gualberto, 570 - inauguração dia 24, terça-feira, 20h30; aberta a visitação pública a partir das 14h do dia 25, até o dia 17 de junho).

Memórias de Scliar, o gráfico e o cineasta

Desde que chegou a Curitiba, na tarde de quarta-feira, o pintor Carlos Scliar está desdobrando-se para atender múltiplas solicitações. Poucos artistas plásticos são tão estimados como este gaúcho de prestígio internacional, um dos grandes mestres da pintura brasileira e que apesar da fama se mantém simples cordial e amigo - características dos verdadeiros talentos. Na noite de quarta-feira, um de seus mais caros discípulos, Carlos Eduardo Zimmermann - um dos nomes da nova geração de artistas paranaenses em projeção nacional - o recebeu com um jantar.

Uma leitura visual da saga de Jubiabá

"O bom filme deve ser igual à música. Um supracódigo. O importante é passar a emoção, ser bonito, ter um olhar original". (Nelson Pereira dos Santos em entrevista à jornalista Helena Salem, durante as filmagens de "Jubiabá").
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br