Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS José Maria Santos

José Maria Santos

No campo de batalha

Apesar da recessão artística - que já começou - neste fim-de-semana um espetáculo classe "A" deve justificar a ida ao Four Seasons, do Bourbon Tower: o empresário Mozart Primo, disposto a movimentar aquele espaço sofisticado - mas até agora ocioso em termos de atrações - traz o maior violonista brasileiro - Baden Powell. De quebra, a big band do veterano Osval, com standards da época de ouro da música americana. Baden apresenta-se amanhã e sábado. xxx

Lá, entre as estrelas, Zé Maria, um homem de teatro

São muitos os aspectos que fazem de José Maria Santos um trabalhador cultural da maior importância. De origens humildes, sem maiores pretensões intelectuais, encarnou o próprio aspecto de nossa arte subdesenvolvida e desprotegida. Pertencente a uma geração de Curitiba dos anos 50 que fazia teatro com idealismo e amor, sem qualquer possibilidade de sobreviver com as peças que eram encenadas na época, José Maria encontrou nas aulas do curso que Aristides Teixeira coordenava no Sesi um primeiro embasamento para a carreira que acabaria por abraçar integralmente.

O recesso literário de dona Flora, a cronista

Autora de dez livros de crônicas - nas quais sempre falou de fatos, pessoas e coisas, numa linguagem simples, afetiva e de grande comunicação - dona Flora Munhoz da Rocha parou de escrever regularmente nos últimos meses. Apesar de dizer que sempre teve facilidade na elaboração de seus textos - "para mim, as palavras sempre saíram com rapidez e escrever nunca foi difícil" - dona Flora tem espaçado suas colaborações na imprensa. Rigorosa na seleção dos textos que ganham permanência em forma de livros, ela não quer estimular antologias com trabalhos que, anteriormente, foram descartados.

Um muro de arrimo para lembrar nosso Zé Maria

A temporada de Antônio Fagundes com o monólogo "Muro de Arrimo" de Carlos Queiroz Telles (Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto, até domingo, 21h) possibilitará aos que acompanham o teatro em nossa cidade lembrarem-se, mais uma vez, da admirável personalidade de José Maria Santos, falecido no dia 5 de janeiro deste ano. Pois o bom Zé Maria, exemplo maior de trabalhador de teatro, foi um dos primeiros atores-empresários a montar esta peça de Carlos Queiroz Telles.

O teatro Barracão do Paraná para uma praça em São Paulo

Anuncia-se quatro super-teatros para São Paulo mas é possível que um dos próximos espaços a serem abertos naquela capital seja de proporções mais modestas e, pasmem!, bancado pelo governo do Paraná. Será o projeto Barracão chegando a paulicéia desvairada, com um teatro prático, simpático, construído em madeira, painéis de Poty Lazarotto e Vicente Jair Mendes e beneficiando um dos bairros de maior agito cultural - Pinheiros, onde, no início dos anos 80, o Lira Paulistano, marcou época.

No campo de batalha

Uma demonstração da importância de "O Urso": "Première", uma das mais sofisticadas revistas do cinema dos Estados Unidos, dedica três páginas, a cores, em sua edição de dezembro último, ao filme de Jean-Jacques Annaud. xxx Ilustrado com fotos de cenas, mostrando as dificuldaes na realização deste filme que teve como "astros" dois ursos, a repórter Kathy Bishop descreve, detalhadamente, como muitas cenas foram feitas. Por exemplo, a seqüência final, na qual o ursinho Douce é perseguido por uma feroz puma, rio abaixo, custou semanas de preparo e muita habilidade dos treinadores.

Zé, tiro no pé e aplausos no palco

Num dos mais divertidos momentos de "Um Casal do Barulho" (auditório Salvador de Ferrante, 21h), o personagem "o homem" (José Maria Santos), irritado com as discussões com sua mulher, Antônia (Regina Bastos), apanha um "38" e atira em sua direção. Há uma semana, na última quinta-feira, apesar de toda sua experiência teatral - mais de 30 anos - Zé atrapalhou-se e errou o alvo: acabou acertando em seu pé esquerdo. Naturalmente, o tiro era de pólvora seca, mas suficiente para provocar rápidas queimaduras.

As queixas de um ator que fez até um teatro

Embora não seja homem de carregar mágoas, José Maria Santos lamenta um fato: o pouquíssimo aproveitamento que os artistas paranaenses têm por parte das agências de publicidade. Especialmente em relação a propaganda oficial, acredita que poderia haver a maior presença dos nossos artistas. - "Forma-se aquele círculo vicioso: são prestigiados artistas globais, do momento, porque são conhecidos. Mas como nossos artistas nunca aparecem - ou raramente são chamados - continuam a ser desconhecidos".

Depois de coçar Sarney, Zé volta com Dario Fó

José Maria Santos é, em termos paranaenses, aquilo que o veteraníssimo Paulo Autran sempre diz, desde que a fala entrou em "Liberdade, Liberdade" (1964). - Sou e serei sempre um homem de teatro! Pois o nosso bom Zé Maria, 55 anos, 35 de teatro, lapiando apaixonado, também há muito tempo vive de sua arte no palco. Só lamenta que não haja condições para montagens mais audaciosas, melhores recursos de produção e uma política cultural da qual, corajosamente, sempre soube ser um leal oposicionista. Sem querer ser nostálgico, José Maria fala, de cadeira, da decadência de nosso teatro.

"Lá" vai o bom Zé, mais uma vez nas estradas da comédia

José Maria Santos, 55 anos, 35 de teatro, está novamente na estrada. Com seu Galaxie 1967 adaptado para transportar bagagens e cenários, o mais profissional dos homens de teatro do Paraná faz um circuito pelo Interior de São Paulo com a peça de maior sucesso de sua vida - "Lá", do gaúcho Sérgio Jockyman, que desde fevereiro de 1971 já teve mais de 1.200 apresentações.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br