Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Kirk Douglas

Kirk Douglas

Vale a locação - O adeus dos irmãos Marx e a chegada de Marilyn ao cinema

O catálogo da Republic Pictures continua a ser uma das atrações para quem busca filmes importantes na locadoras. Neste final de mês, estão chegando mais dois títulos especiais. O primeiro é a comédia "Loucos de Amor" (Love Happy, EUA, 1949), 85 minutos, que David Miller realizou com roteiro de Frank Taslin (1913-1974), que se tornaria, posteriormente também um mestre da comédia sofisticada. O diretor David Miller, voltou a evidência na semana passada quando o Globo apresentou na televisão o seu filme "A Morte de um Presidente" (Executive Action, 73), sobre o complô para assassinar John F.

Autorizadas ou não, biografias para quem gosta da vida alheia

Enquanto Katharine Hepburn aos 83 anos, prefere confessar sua vida em "My: Stories of my Life", autobiografia que lançada nos Estados Unidos em agosto último lhe rendeu, antecipadamente, US$ 4,3 milhões, biografias não autorizadas de gente famosa continuam a aparecer nas livrarias brasileiras, alcançando vendagens impressionantes para um gênero que até há pouco era visto com restrições pelos diretores.

Quem disse o quê!

Entre mais de 2.000 frases que Tony Crawley reuniu em seu "Chambers Film Quotes", torna-se difícil selecionar apenas algumas para ilustrar melhor o que traz este original livro recém lançado na Inglaterra. Entretanto, com a rápida ajuda de um cinéfilo e professor, Simon Bagna Júnior, da Phil Young's English School, 28 anos, também apaixonado por tudo que se refere ao cinema, eis algumas das jóias garimpadas no "Chambers Film Quotes". "Perdi minha virgindade pela minha carreira". (Madonna, "Film Yearbook", 1989). xxx

O gênio Hemingway retorna com a Civilização de Enio

Sem nunca ter escrito um livro, Enio Silveira é, com toda razão, admirado como uma das mais importantes personalidades de nossa vida literária. É simples! Ao longo destes últimos 40 anos, Silveira, tem sido o mais coerente, corajoso e importante editor brasileiro - na mesma linha de outro pioneiro, este já falecido, José Olympio - exemplos para uma nova geração que hoje lidera a vida editorial brasileira.

O cinema para ler

Após anos de indigência editorial nas áreas das artes, começamos a entrar em dias melhores. Ano a ano, cresce a produção editorial de obras que se voltam ao cinema, música, teatro e artes plásticas - incluindo edições de arte. Mesmo com os tempos bicudos que enfrentamos, e, no caso de edições-brinde de obras de arte tenha havido uma natural recessão com o fim da Lei Sarney (que estimulava investimentos culturais), aliada aos rigores do Plano Collor, ainda se publicou bastante em 1990.

Kirk, Andrei, Akira falam sobre cinema

Nos anos 60, quando eram raras as editoras que publicavam livros de cinema, Enio Silveira, da Civilização Brasileira, não só lançou obras polêmicas como a "Revisão Crítica do Cinema Brasileiro" de Glauber Rocha (1939-1981), como, corajosamente, chegou a criar uma coleção de roteiros pela qual saíram vários scripts dos filmes de Federico Fellini. Hoje pertencente ao grupo Bertrand, a mesma Civilização continua a lançar bons livros de cinema, como as biografias de Kirk Douglas e Marlon Brando - esta recentemente colocada na praça.

O filme que deu um Oscar que o autor não pode ter

Nesta época de Oscar, no qual todos os aspectos são explorados ad nausean pela imprensa e mesmo livros sobre os bastidores da maior festa-marketing da indústria cinematográfica mundial são procurados, tanto nas edições internacionais e como na recém-lançada tradução de "Os Bastidores do Oscar", não deixa de ser oportuno registrar o aparecimento de um modesto filme que ficou na história do Oscar devido a um detalhe: o roteirista premiado não foi buscar o troféu na noite da festa, há 34 anos passados.

Videonotas

Voltada inicialmente apenas a filmes de arte - chegou a lançar "Hiroshima, Meu Amor", de Resnais (indicado para a premiação máxima na escolha da revista "Vídeo News"), a Sagres está rendendo-se ao comercialismo do mercado. Assim é que seu último pacote traz uma insossa comédia de Dick Clemente com Kirk Douglas e a francesa Marlene Jobert ("Um Espião por meu Marido", 1973), o pastiche "O Filho do Capitão Blood", 1972, de Tolio Demicheli, com Sean Flynn - na busca inútil do filão que consagrou seu pai, Erol; e "Uma Winchester entre Mil" (Itália, 1968, de Primo Zeglio).

Um filme de citações

Ao lado da emoção que traz em suas imagens, a empatia para quem sente o cinema em sua dimensão maior, "Cinema Paradiso" - a exemplo de "Splendor" - é também um jogo interessante para os cinéfilos: quem consegue identificar o maior número de filmes que merecem citação explícita em suas projeções na tela do pequeno cinema da aldeia de Giancaldo?
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br