Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Leon Cakoff

Leon Cakoff

Uma produção faraônica na pedreira do Leminski

Ao reservar quase Cr$ 5 milhões para financiar o curso de Ética - pagando o apreciável cachê de Cr$ 60 mil por palestra - a Secretaria Municipal da Cultura mostra não só uma excelente situação financeira como também acena para remunerações altas a todos que, de agora em diante, se dispuserem a participar de qualquer evento patrocinado pelo município de Curitiba.

Um amplo fórum para o debate da cultura

O vereador Jorge Bernardi (PDT) aproveitou a sessão de segunda-feira, 13, na Câmara Municipal, para levantar uma ótima idéia: a criação de um conselho municipal de cultura e, especialmente, a promoção com auspícios do Legislativo, de um seminário em que vários aspectos da questão cultural sejam, discutidos em profundidade. Uma proposta excelente, aplaudida por todos e que se torna necessária para possibilitar que seja realmente definida uma política cultural oficial - já que na atual administração, nunca foi apresentada pela FCC um projeto a respeito.

O longa-metragem de ideal, esforço e amor pelo cinema

Para não ficar apenas na pesquisa, preservação de filmes e cursos práticos de cinema, Valêncio Xavier também conseguiu estruturar uma programação diária de exibições.

O cinema para ler

Após anos de indigência editorial nas áreas das artes, começamos a entrar em dias melhores. Ano a ano, cresce a produção editorial de obras que se voltam ao cinema, música, teatro e artes plásticas - incluindo edições de arte. Mesmo com os tempos bicudos que enfrentamos, e, no caso de edições-brinde de obras de arte tenha havido uma natural recessão com o fim da Lei Sarney (que estimulava investimentos culturais), aliada aos rigores do Plano Collor, ainda se publicou bastante em 1990.

Desafio hindu abrirá mostra que custará 20 mil dólares

Mesmo sendo um cinéfilo desde a infância, fã especialmente do cinema estrangeiro, o prefeito Jaime Lerner terá que estar descansado na noite do próximo dia 5, segunda-feira, para não dormir (ou sair durante a projeção) quando for assistir "O Mahabharata", que abrirá a extensão curitibana da XIV Mostra Internacional de Cinema - e que se estenderá por três semanas.

Um festival só para quem conhece inglês

"O Mahabharata", filme com quase três horas de projeção, que abrirá o segmento de Curitiba da XIV Mostra Internacional de Cinema - promoção que custará oficialmente Cr$ 2 milhões aos contribuintes curitibanos (embora, extra-oficialmente, já fale-se que o valor poderá chegar ao dobro) é uma adaptação cinematográfica de um poema épico hindu calcado num roteiro teatral de nove horas que Jean-Claude Carrière escreveu há seis anos para Peter Brook, 65 anos, um dos mais intelectualizadores diretores de teatro e cinema da Inglaterra, de quem, recentemente, aqui foi visto, com atraso de 11 anos, seu

Ausência holandesa frustra início da mostra de cinema

Uma baixa já na abertura do segmento curitibano da 14a. Mostra Internacional de Cinema de São Paulo: para frustração do público que compareceu ao Cine Ritz, domingo, 4, o filme programado - "City Life" - foi substituído à última hora por um pífio filme de segunda categoria, "Five Corners", produção de 1987, e que já havia sido exibido na mostra, em São Paulo, há alguns anos.

Sendero Luminoso e assassinato de dom Romero nas telas do IV FestRio

Fortaleza São dois os temas dos seminários que estão sendo realizados paralelamente ao FestRio-Fortaleza: "O Cinema e a Questão Social" e "A Revolução Francesa e o Cinema". Dentro destas temáticas mais de 20 filmes especiais foram selecionados pela coordenadora do evento, a jornalista e videomaker Cláudia Furiati, para permitirem ao público interessado em ver grandes momentos do cinema como elemento vivo e eterno de reflexão sobre a sociedade, sua questão social e aspectos da revolução francesa - cujo bicentenário comemorou-se este ano.

Cinema 24 horas para quem desejar os filmes de arte

Responda rápido: qual o espectador que, após uma jornada de 8 horas de trabalho, estaria disposto a assistir um filme de arte, com legendas em inglês ou francês, numa sessão da meia noite? Pois é? Mesmo com todo entusiasmo que tem pelo melhor cinema, a jornalista Malu Maranhão, uma das poucas pessoas que acompanhou toda a primeira fase do rastolho da XIIi Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, trazida a Curitiba, queixava-se: - "É pena, mas não dá para encarar as sessões de meia noite. A não ser para quem não trabalhe".
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br