Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Maria Bethânia

Maria Bethânia

Artigo em 31.08.1981

Até agora, passados cinco meses deste magro (em termos fonográficos) 1981, poucos dos lançamentos feitos pelas fábricas, mereciam, numa análise mais rigorosa, a categoria de "discos do ano" - capazes de serem selecionados para a escolha dos melhores, em dezembro próximo. Felizmente agora começam a aparecer discos da melhor música brasileira, produzidos com esmero, cuidado e que, tranquilamente, justificam a nossa adjetivação.

Campeões

Afinal aconteceu: o novo lp de Roberto Carlos, está na praça: Saindo com 1.500.000 cópias vendidas - recorde absoluto e termos de indústria fonográfica nacional, o "Rei" disputa o gordo mercado deste final de ano com Chico Buarque ("Vida"), Elis Regina (estreando na Odeon) e Maria Bethania ("Talismã"), entre os cantores que têm um mercado seguríssimo - suficiente para dar a CBS condições de arcar com os riscos de todos os seus outros artistas, afora lançamentos na área jazzística e musical. Em time que dá certo, técnico não muda jogador.

Os amigos de Erasmo

Se Roberto Carlos conseguiu envelhecer com o seu público passando da ingenuidade da Jovem Guarda para músicas românticas e até audaciosas, falando em transas sexuais ("Cavalgada", "Café da Manhã", etc), quem não soube ter cintura para alcançar um público mais maduro, dançou. Que o diga Demétrius, Carlos Gonzaga, Tony e Cely Campelo, Ronnie Von, Deny e Dino, Leno e Lillian, Antonio Marcos, Martinha e tantos outros que, inutilmente, tentaram sobreviver, mas acabaram naufragando pois os jovens tem memória curta.

Disco do Ano

Por uma coincidência muito feliz aparecem simultaneamente os lps escritos de João Gilberto e de sua ex-esposa Miucha ( Maria Eloisa Duarte de Holanda). Há 2 semanas registramos os discos de Ana de Holanda ( Bandeirantes) e Cristina (RCA), duas outras irmãs de Chico. Miucha vinha fazendo até agora uma carreira amparada no prestigio de seu amigo Antônio Carlos Jobim , com quem dividiu 2 elepês, ou em participações especiais. Na Polygran fez um modesto compacto duplo que passou desapercebido. Agora, finalmente, aparece em um Lp de Simone ou Maria Bethania para merecer admiração.

Anistia para não faltar Chocolate no Carnaval

Dentro da realidade do Carnaval curitibano Chocolate (Mansuedem Prudente dos Santos, 49 anos) é um dos personagens mais característicos. Saindo às ruas para brincar no Carnaval "desde que me entendo por gente", Chocolate é uma espécie em franca extinção: o carnavalesco 365 dias por ano.

Mundo Musical

Confirmado na segunda-feira: o compositor Chico Buarque de Hollanda acertou com a Ariola, o poderoso grupo multinacional que está se implantando no Brasil para disputar - com o peso de milhões de marcos - o mercado fonográfico, que hoje, em nosso País, já é o quinto do mundo. Se Milton Nascimento receberá Cr$ 30 milhões, o advanced do autor de "A Ópera do Malandro" foi mais alto: um milhão de dólares, o que, no câmbio oficial, dá cerca de Cr$ 45 milhões.

Com o poder da Ariola talvez o Brasil conheça a nossa Denise

Por incrível que pareça, só agora, com a implantação de uma poderosa multinacional fonográfica no Brasil - a Ariola, pertencente à Bertelsmann Corporation, sólido grupo empresarial alemão que só em 1979 faturou Cr$ 92 bilhões - uma compositora e cantora paranaense (de Ponta Grossa) terá sua vez de ser mais conhecida no Brasil: Denise de Kalafe, há 10 anos radicada no México, é desde princípios do ano passado, contratada da Ariola por onde já fez dois elepês, um dos quais intitulado "Cuando hay amor...

Lançamentos

Interessantíssimo é a estréia de Marina, uma morena que a WEA havia contratado há quase 3 anos e que surge agora com um elepê com ampla possibilidade de torna-la em pouco tempo, um nome conhecido nacionalmente: "Simples como fogo". Mariana Lima, carioca, 23 anos, vivendo de muitos anos nos EUA, é uma síntese de influência das mais diversas (e positivas): da bossa nova aos Beatles, de Jair Rodrigues a Billie Holiday.

Sambistas

A programação de marketing das grandes gravadoras já estabeleceu cronogramas fixos para a disputa do mercado em determinadas faixas. E na área das sambistas os campos estão definidos: a Odeon ataca com Clara Nunes, que de elepe para elepe vem vendendo cada vez mais, a RCA tem Beth Carvalho (ex-Tapecar) para dividir o orçamento dos fãs e a Phonogram vem tendo na ascendente Alcione uma candidata forte a garantir excelentes vendas.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br