Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Maurício Quadrio

Maurício Quadrio

O cravo bem temperado com João e as sonatas de Bach com Gould

Enquanto a Odeon desativou totalmente o seu setor erudito, que teve sua melhor fase quando o ultra-competente Maurício Quadrio ali se encontrava e a Polygram, vítima de uma precária estrutura e representação regional, perde terreno com seus lançamentos clássicos (embora disponha de excelentes catálogos), a CBS, ganha espaço entre as faixas que sabe prestigiar o que existe de melhor na música dos grandes mestres e duas outras marcas - a WEA e a Ariola, também começam a investir neste setor.

Clássicos (II)

Na semana passada registra-mos as dificuldades de gravações dos músicos eruditos no Brasil - e especialmente da difusão dos nossos compositores que se dedicam a música clássica. Por isto, quando gravadoras dão oportunidades a que se tenha registros de nossos autores em bem cuidadas interpretações, julgarnos que o rato merece especial registro. É o que faremos hoje em relação a algumas expressivas produções que saíram recentemente - e que podem ser encontradas em loja, que trabalham com discos de qualidade, como a F. Sartori e Arte & Talento, em Curitiba,

Momento Musical Odeon

Meio difícil entender porque a Odeon lançou no início deste ano uma coleção chamada << Momento Musical >> começando no volume 7 e encerrando no 15. Isto porque, apesar de várias consultas feitas, não encontramos os seis primeiros volumes desta coleção . Seria natural, que uma coleção numerada viesse em seqüência. Se o primeiro pacote - ou << formada >> , como Maurício Quadrio costumava dizer - saiu há alguns tempo, não devia faltar nas lojas, agora que apareceu um complemento.

Artigo em 11.10.1981

LEE RITENOUR e BILL MONROE, dois exemplos de guitarra em diferentes estilos. Aos 20 anos, Lee possui uma bagagem de trabalho que faria a glória de qualquer músico veterano. Nascido em Los Angeles, aos 6 anos já tocava guitarra e aos 10 tinha seu próprio estilo. Influenciado por Wes Montgomery, Benson, B. B. King, Joe Pass, John McLaughlin e Howard Roberts, há 9 anos terminava o curso de guitarra clássica da University of South California e em 1974 trabalhava com Sergio Mendes.

Óperas de Gershwin e mestres do violão

Paralelamente a básica edição da obra pianística gravada por Guiomar Novaes, numa coleção primorosa e bem cuidada, como caracteriza tudo o que Maurício Quadrio realiza, a WEA, ao entrar no setor erudito está também atingindo outras faixas do público de bom poder aquisitivo que freqüenta, com regularidade as prateleiras especializadas.

Viva, a Pablo retorna!

No ano passado, uma das mais tristes notícias que os apreciadores do bom jazz tiveram foi a de que a Pablo Records cessaria suas edições no Brasil através da Phonogram, que desde 1975 vinha colocando no Brasil as excelentes produções desta etiqueta fundada por Norman Granz (ex-Verve), com o nome em homenagem ao artista Pablo Picasso (1881-1973), que inclusive chegou a desenhar o seu logotipo, pouco antes de morrer.

Clássicos

Apesar da crise no meio fotográfico, que leva mesmo poderosas multinacionais a desativarem seus setores clássicos e jazz, (a Odeon, por exemplo, dispensou o competente Maurício Quadrio e paralisou a área), a CBS continua a fazer lançamentos do setor: editou mais dois discos de jazz (um com a excelente cantora Betty Crater, que esteve no II Festival de Jazz, em abril/80, em São Paulo) e vários lançamentos de música erudita.

Billy Eckstine, só amanhã

Para os que tem menos de 30 anos, o nome de Billy Eckstine (William Clarence Eckstein, Pittsburgh, Pennsylvania, 1914), talvez não signifique muito. Mas para quem acompanha a música americana dos anos 40/50, por certo se alegrará com a inesperada oportunidade de assisti-lo amanhã, sábado, em uma única apresentação no auditório Bento Munhoz da Rocha Neto.

Lúcio Rangel dá nome para estimular a MPB

Uma das melhores iniciativas da Funarte, através de sua Consultoria de Projetos Especiais, foi reestruturada para melhor: o concurso de monografias iniciado em 1977, tendo por tema Pixinguinha (e vencido pelo jornalista Sérgio Cabral, que está nos vídeos da cidade, fazendo o comercial da Rádio Brasil FM, que só executa MPB), passou agora a ter o nome de "Projeto Lúcio Rangel de Monografias", em homenagem ao pioneiro do jornalismo crítico musical brasileiro, falecido há poucos meses.

Chiquinha, Vadico & Jacob

Felizmente a memória da música brasileira, embora sempre carecendo de fosfatos, tem recebido algumas (válidas) contribuições. Mesmo a Continental, hoje com novos diretores, tendo interrompido há mais de um ano a válida série de reedições, que João Luiz Ferreti, com sua cultura e bom gosto, ali vinha realizando, a RGE e, agora, a K-Tel, está sabendo utilizar o muito que Ferreti sabe para selecionar faixas e preparar textos para suas reedições.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br