Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Miles Davis

Miles Davis

A melhor fase de Miles Davis

Enquanto o último álbum do Modern Jazz Quartet, gravado ao vivo, com uma orquestra de câmera, está na praça há três meses pela Atlantic/WEA, e o primeiro álbum-solo do sax-revelação Courtney Pine (revelado originalmente em alguns solos da trilha de "Coração Satânico" (WEA) também saiu. No Brasil, a CBS, que dispõe do maior acervo histórico de jazz está se apresentando para fazer com que o fundamental da obra de Miles Davis chegue ao nosso público.

Artigo em 31.07.1988

Terça-feira, 26, no Cotton Clube, em São Paulo, as irmãs Monique e Sylvia Galdsberg, apresentaram para a imprensa e convidados a relação oficial dos artistas nacionais e internacionais que participarão do Free Jazz Festival, em sua quarta edição, no Rio e São Paulo, a partir do dia 4 de setembro.

Courtney, a revelação

"Coração Satânico" não foi apenas um cult-movie pela sua notável estrutura fílmica (agora possível de ser melhor reavaliada em vídeo selado), mas por trazer na trilha sonora os improvisos de Courtney Pine, considerado a maior revelação do sax tenor nos últimos meses. Trevo Jones, criador da sound track de "Angel Heart" soube aproveitar na sua banda sonora (aqui editada pela WEA) a intensa força musical de Pine, um inglês de 23 anos que vem sendo considerado o mais legítimo sucessor de John Coltrane (1926-1967), assumidamente seu maior ídolo.

O tempo do jazz esquenta com o IV grande festival

Nascido como uma forma do próspero empresário Eduard Guy Manoel em promover a sua empresa no salão de informática no Barigüi, no ano passado, o Sigma Jazz Group deu tão certo que foi o núcleo para deslanchar o Blue Note Jazz Club. Graças ao apoio de idealistas entusiastas de jazz - como Caetano Rodrigues (dono da maior e melhor coleção em CD de Jazz do Paran) e Jorge Natividade, o clube emplacou e chegou - coisa rara neste tipo de associação - ao seu primeiro aniversário há algumas semanas.

O jazz com Sony, Mingus e Desmond

1988 parece que será realmente um ano riquíssimo em termos de jazz. Afora as boas temporadas já realizadas e o apetitoso leque de atrações que as irmãs Silvinha e Monique Galdesberg montaram para a próxima edição do Free Jazz (setembro, São Paulo/Rio), os lançamentos de qualidade sucedem a cada semana, tornando difícil mesmo os mais endinheirados colecionadores acompanhar todas as edições.

Freire-Maia, nosso candidato ao Nobel

Muito mais do que a data redonda em si, os 70 anos de Newton Freire Maia, lembrados ontem, com uma ampla programação organizada por seus muitos amigos, representou um pouco do reconhecimento desta cidade a uma de suas melhores "cabeças" - que pode ser visto como um exemplo em qualquer prisma do caleidoscópio de sua vida: professor, cientista, pai, intelectual, homem de fé e, sobretudo, amigo daqueles que tão bem preenchem a receita do poeta Fernando Brant ("amigo é coisa/para se guardar/ debaidebaixo de 7 chaves/do lado esquerdo do peito").

Os melhores momentos dos bons que já desapareceram

Assistir a um grupo como o Traditional Band é como uma espécie de introdução ao mundo fascinante do jazz. Privilégio de uma minoria de iniciados nos segredos da música instrumental americana até há alguns anos, o jazz se democratizou felizmente! E o interesse é crescente, haja visto que em menos de seis meses o Blue Note Jazz Clube, fundado pelo engenheiro Guy Manoel a frente de um grupo de jazzmaníacos, se consolidou atingindo já sua lotação completa (hoje a noite, aliás, acontece uma reunião especial, com canja da rapaziada do TJB).

E a fussion jazzística começou há muito tempo

Para os conservadores do jazz que poderão se irritar com a exagerada eletrificação de violino de Ponty - e dos músicos que o acompanham, é bom que se diga: desde o final dos anos 50 que em nome de uma fussion o jazz tem sido absorvido por instrumentistas de formação de rock mas, inteligentemente, preocupados com uma linguagem mais profunda. Assim como grandes jazzistas - e basta lembrar Miles Davis - também se aproximaram da eletrificação, do balanço, da comunicabilidade jazzística.

O superfestival das artes em Nova Iorque

Nova Iorque não é mais aquela metrópole do sonho distante - imagem apenas em filmes ou nas canções de Rodgers & Cole Porter. Mesmo com o dólar ultrapassando os três dígitos as viagens para a "Big Apple" cada vez mais entram no cotidiano de segmentos (ainda que privilegiados financeiramente) de brasileiros de muitos Estados e, assim, notícias de quem esteve - ou irá - para aquela cidade já começam a se tornar tão quotidianos como se fosse registros de viagens ao Rio ou São Paulo.

A boa programação no Rio e São Paulo

A programação do Free Jazz Festival não poderia ser mais eclética e abrangente. Instrumentistas de vários estilos e fases para atrair o público jovem. Assim, no Rio de Janeiro, a programação será a seguinte: Dia 2 - Michael Petrucciani, pianista, que fez seu primeiro disco aos 16 anos e que compensa seu pequeno tamanho (não chega a medir um metro e pesa 20 quilos) com uma extraordinária musicalidade e aos 25 anos já tem um estilo personalíssimo.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br