Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS MPB

MPB

O piano maravilhoso nas teclas de Geraldo Flach

Geraldo Flach é um gaúcho generoso, amigo e, sobretudo, talentoso. Está hoje para a moderna música instrumental brasileira no Rio Grande do Sul como, no passado, Lupiscínio Rodrigues estava como compositor: um criador dos mais competentes ao fazer - e interpretar a sua música. Se o inesquecível Lupe mal batia uma caixa-de-fósforos - mas deixou obras antológicas - Flach, na maturidade de seus quase 50 anos, é um artista que domina o instrumento (piano), arranjador de primeira linha e sobretudo compositor dos mais inspirados.

O mestre Moura revisita em afro o mestre Caymmi

Depois do último fim de semana com um espetáculo musicalmente cool, na união perfeita do virtuosismo do baixo de Arismar do Espírito Santo com os harmoniosos teclados de Amilson Godoy, a temporada musical do Paiol terá a partir de hoje outro belíssimo momento instrumental - desta vez com temperatura mais elevada: Paulo Moura, com um repertório calcado especialmente na sua leitura afro-jazzística da obra de Dorival Caymmi, espécie de amostragem ao vivo do seu último álbum ("Chorus"), já considerado como um dos melhores do ano.

No campo de batalha

Carlos Marassi e Leila Magalhães, da Realiza Eventos, estréiam na área de produção de shows com um espetáculo musical de bons fluídos: a única apresentação (hoje, 21h, auditório Salvador de Ferrante) do Quinteto Onze e Meia.

Eterna elegância nos teclados de Pedrinho

Uma homenagem merecida: em comemoração aos 30 anos de carreira profissional, a RGE dedicou a Pedrinho Mattar uma produção especial: "A Arte do Piano Popular", caixa com cinco discos nos quais estão reunidas mais de 50 faixas mostrando a versatilidade deste eclético pianista.

Helton, vivendo para promover a melhor MPB

Qual a receita para fazer de um bar-restaurante mais do que um estabelecimento comercial, um ponto de encontro cultural? Muitos procuram a fórmula para conquistar um público legal num ambiente descontraído, amigo - em que o importante não seja o luxo e a sofisticação, mas a qualidade. Da comida, da bebida, do serviço, da música e, especialmente, das pessoas que o freqüentem. Um mestre com PhD nesta área é um mineiro-paulista que tem hoje a melhor casa musical paulista em termos de convivência e programação: Helton Altman, do "Vou Vivendo" em São Paulo.

Avaré e Cascxavel realizam seus festivais

Os dois festivais de música popular de maior importância entre as centenas que acontecem no Brasil realizaram-se no último fim-de-semana em Cascavel (PR) e Avaré (SP). Separadas por 600 km, as duas cidades promovem anualmente eventos competitivos abertos a compositores, intérpretes e instrumentistas de todo o país.

Vange, uma voz que une o pop ao tropicalismo

O nome é estranho e a capa tão vanguardamente criado por Jimmy Leroy com a utilização de fotos de Rochelle Costi e Yara Amélia Rocha que a confusão pode até se estabelecer: será esta Vange uma nova cantora americana - ou mesmo o nome de mais um grupo pop? Nada disto. Vange Leonel, cantora e compositora, não é uma estreante e seu primeiro disco, como vocalista do grupo Nau, foi lançado em 1987 pela gravadora CBS. Ela resistiu e agora a nova Sony investe em seu primeiro disco solo.

Revival bossa-novista com Rita, Tim e show ao vivo

Os bons fluídos de "Chega de Saudade", de Ruy Castro (Companhia das Letras) continuam no ar. Houve uma saudável reavaliação do mais feliz período da MPB nos últimos 40 anos, Johnny Alf e os Cariocas voltaram a gravar e Rita Lee e Tim Maia também reapareceram com álbuns "soft", no astral da harmonia e o romantismo da Bossa Nova.

No campo de batalha

Francisco Alves dos Santos, que durante 15 anos fez um belíssimo trabalho de prestigiamento ao cinema brasileiro, continua a merecer admiração de cineastas e promotores culturais. Foi convidado por Esdras Rubim, diretor do Festival de Gramado, para cobrir o festival - que, aliás acompanha há 12 anos. Já Guido Araújo, diretor da Jornada Internacional de Cinema da Bahia, designou o bom Chico para coordenar no Paraná a participação dos videastas e cineastas a 18ª edição deste encontro que acontecerá de 20 a 26 de setembro em Salvador.

O canto nordestino do carioca Manhães

Para o público, parece um estreante. Mas seu curriculum é impressionante: quase 100 discos de samba. Só que como produtor - aquela figura que fica numa posição (quase) obscura, especialmente quando os artistas são populares, tipo Marquinhos Satã, Zeca Pagodinho, Almir Guibeto, Dominguinhos do Estácio, Grupo Fundo de Quintal, Jorge Aragão, Mauro Diniz, Reinaldo, Jovelina Pérola Negra, etc. Para o público destes artistas, raramente há preocupação de saber "quem" produziu o disco.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br