Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS New Jersey

New Jersey

A experiência utópica do rap com o P.M.Down

O aparecimento do disco P. M. [Dawn] ("Of [The] Heart, Of The Soul And Of The Cross: The Utopian [Experiencie], Polygram) é anunciado como "sinal de vida inteligente no rap!" (sic).

Imagens de stars, livros de arte e amigo de Lee, Waldir faz a América

A exemplo de outro "Bicho do Paraná", o músico Airto Guimorvan Moreira, 52 anos, hoje um dos percussionistas mais respeitados do mundo, Waldir Cruz, também viajou para Nova York, há muitos anos, com apenas US$ 100 emprestados e uma passagem aérea adquirida com as maiores dificuldades. Se Airto nasceu em Itaiópolis, SC, mas viveu alguns anos em Guarapuava (antes de Ponta Grossa e Curitiba, daqui seguindo para São Paulo), Waldir é guarapuavano do dia 10 de outubro de 1954.

Banderas, uma dupla careca na música pop

Se o PM [Dawn] são dois irmãos de New Jersey, as Banderas são duas escocesas - Caroline Buckley e Sally Herbert. Opostas pelo vértice, as duas fazendo do Banderas o seu cabo-de-guerra particular, como anuncia a [PolyGram] lançando "Ripé", o primeiro disco de dupla. Do lado direito, Caroline, letrista ácida, econômica nas palavras, verborrágica nas idéias, vocalista vulnerável da voz doce. No outro lado, Sally, música de formação clássica, violinista e tecladista de um som multifacetado.
Tags:

Will e Ray, a dupla que embalou muitos romances

O trombonista Will Bradley (Wilbur Schiwichtenberg, Newton, New Jersey, 1912-1978) e o cantor e baterista Ray McKinley (Fort Worth, Texas, 1910), conheceram-se em 1931, tocando numa das mais famosas casas dançantes de Nova Iorque, a Roseland. Nasceu uma parceria entre estes dois músicos - então integrando a Milt Shaw Orchestra, numa época em que a cada esquina havia um gênio instrumentista trabalhando.

As novas estrelas do Rock Rio já estão chegando

A reedição do Rock in Rio Festival, promoção que movimentará o Rio de Janeiro no início do ano, já está tendo seus reflexos nas produções fonográficas. A CBS criou um selo especial para lançar discos dos novos grupos que foram contratados por Roberto Medina, o homem da Arteplan, para esta promoção de milhões de dólares.

As grandes vozes, de Billie a Dionne interpretando Cole

Há alguns anos, quando a CBS lançou um elepê de Billie Holiday (1915-1959) na época (1973) praticamente desconhecida no Brasil, um grande amigo, Arnaldo Fontana, já falecido, entusiasta da cantora, dizia: "Rezo para que este disco faça sucesso e a CBS edite todos os seus discos".

Oppenheimer, o aprendiz de feiticeiro da era atômica

Uma única falha, no máximo, esquecimento, pode ser computada a "O Início do Fim". Nos créditos projetados no encerramento do filme, após as informações sobre o que aconteceu com o general Groves e o físico Oppenheimer - poderia ser relacionado, como homenagem, o nome de todos os cientistas, que permitiram que o projeto Manhattan chegasse ao final.

A época da big bands

Com as mortes de Count Basie (William Basie, Red Bank, New Jersey, 21/08/1904-Florida, 26/04/84), Benny (Benjamin David) Goodman (Chicago, 30/05/1909-Nova Iorque, 13/06/1987) e Woody (Woodrow Charles Herman, Milwaukee, 15/05/1913 - 10/09/87) só restou Dizzy Gillespie (John Birks, Cherow, 21/10/1917) entre os grandes band-leaders, instrumentistas, criadores, improvisadores - enfim figuras exponenciais da época de ouro do jazz.

"O Preço da Paixão" é a melhor estréia da semana

Depois de "Cegos, Surdos e Loucos" (Cine Plaza, 3ª semana), temos "De Médico e Louco todo Mundo Tem um Pouco" (Cine Condor) - o que bem exemplifica uma linha de comédias digestivas, amalucadas, mas realizadas com bom senso de marketing. E numa época em que é preciso conquistar o público cada vez mais arredio das salas, estes produtos cumprem sua função - embora não se deva esperar muito em termos artísticos. Afinal, são projetos de target certo, descartáveis em pouco tempo após cumprir o ciclo cinema/vídeo/televisão.

Curitiba, prejuízo é o preço para aqueles que exibem melhores filmes

Menos de 100 espectadores assistiram "O Preço do Desafio" (Cinema I, hoje, último dia, sessões previstas para às 14, 16, 20 e 22 horas). Na estréia (quinta-feira, 10), apenas a sessão da noite, 20 horas, foi realizada: 7 espectadores. Em termos econômicos, considerando o custo-dia de um cinema (funcionários, aluguel, despesas de projeção e limpeza, etc.), seria natural que o filme fosse substituído já na sexta-feira por outro programa.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br