Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Teatro do Paiol

Teatro do Paiol

Leny e Vânia, dois talentos musicais

Duas cantoras do primeiro time de nossa música popular apresentam-se na cidade neste fim de semana. Leny Andrade, a grande intérprete da Bossa Nova, única do "scat" jazzístico que tornou personalíssimos os standards como "Estamos Aí" (Durval Ferreira / Maurício Einhorn) mostra que, aproximando-se dos 50 anos, continua com o mesmo vigor e vitalidade do início de carreira - e ainda com maior experiência. Uma artista da dimensão de uma Elza Fitzgerald, que é o exemplo do talento que levou anos para ter o reconhecimento merecido (de hoje a domingo, Teatro Paiol).

Paulo Tapajós, uma missa iluminada de canção/amor

Convinha, nesta primeira coluna de 1991, falar de coisas alegres, de pássaros, de música, de cores e de amizade. Jamais um obituário. Assim, o obituário para um amigo que morreu no penúltimo dia do ano que acabou não pode ser triste. Tem que ser sem lágrimas, lembrando sua imensa dimensão, a sua grandeza de artista, homem, pai, companheiro e sobretudo, ser humano: PAULO TAPAJÓS (GOMES).

Uma missa para Paulo Tapajós

Hoje ao entardecer - 18h30 - os amigos e admiradores de Paulo Tapajós (Gomes) lhe prestarão uma homenagem póstuma: na Igreja da Ordem, o padre Júlio oficiará a missa "in memorian" do grande brasileiro que faleceu no último dia 29, sábado, no Rio de Janeiro.

A "Curitiba" de Hilton Valente vale um disco

A decisão do experiente compositor e arranjador Roberto Nascimento em se fixar em Curitiba, contratado pela Audisom - um dos bons estúdios da cidade - vai se refletir numa maior opção para as agências de publicidade em busca de bons produtores de jingles e trilhas sonoras. Aos 51 anos, curriculum artístico que indica múltiplas experiências e parcerias ilustres - inclusive com Cartola, um ótimo elepê gravado na antiga Tapecar, Roberto Nascimento foi, nos últimos anos, atuante arranjador e músico na Globo, ali fazendo muitos (e bons) trabalhos.

No campo de batalha

Suzana Lobo é uma das mais talentosas e competentes artistas plásticas do Paraná. Discreta, sem oportunismos e badalações sociais que catapultam tantas mediocridades do setor, faz um trabalho seguro.

O talento brabo da bela cantriz Denize

Meu pai, gravei para sempre No meu pensamento Terno claro, preto de sapato branco A voz gutural, com uma sensibilidade selvagem, é o canto de amor filial, faixa de abertura com que Denise Assunção, 34 anos, em parceria com o irmão famoso, Itamar, 41, abrem "A Maior Bandeira Brasileira" (produção independente, distribuída pela Baratos Afins, abril/90), disco que vale a esta cantriz crioula, beleza muito pessoal, quilometragem paranaense e hoje vivendo na Suiça, uma atenção especial.

Do Paiol à Cinemateca, auditórios de Curitiba

A questão de auditórios e teatros para Curitiba não se encerra, em absoluto, nas anotações que aqui publicamos no último domingo. Afinal, são muitos os aspectos que envolvem a destinação de espaços culturais e, especialmente, a sua utilização. Por exemplo, o Teatro do Paiol, que foi a primeira obra da área cultural construída quando o arquiteto Jaime Lerner assumiu a Prefeitura, há 19 anos, é um exemplo de espaço que vem tendo períodos de maior ou menor utilização conforme a capacidade e dinamismo de quem dirige.

Verinha comemora com o Hawaí 20 anos de shows

Verinha Walflor, 41 anos, comemorou como gosta uma data muito especial: seus 20 anos de atuação como empresária artística coincidiu com a apresentação dos Engenheiros do Hawaí, com lotação esgotada no ginásio do Círculo Militar, sábado à noite. Menos de 300 metros, no auditório Bento Munhoz da Rocha Neto, os mais novos empresários artísticos na praça, Daniel de Los Angeles e Antônio Carlos, da Lauda Produções, também estavam sorridentes: platéia lotada para aplaudir o suave e competente show "A Sombra de um Jatobá", com Toquinho, em sua estréia nacional.

Canto foi feminino no II Troféu Elis

O canto foi das mulheres: As cinco premiações do II Concurso Troféu Elis, com sua finalista na última sexta-feira, 13, foram para jovens que, inesperadamente acabaram levando a melhor - vencendo os quatro candidatos. Eram dez mulheres e, se na primeira peneirada, há três semanas, algumas decepcionaram, a seleção subiu na segunda e, no final, as premiações ficaram para estas jovens que, saindo agora do anonimato buscam espaços maiores - embora as chances de profissionalização sejam reduzidas em nossa cidade.

A presença cristal da iluminada Bebel

Uma prova de profissionalismo e, sobretudo, generosidade foi dada pela cantora Bebel (Isabel Hollanda Pereira de Oliveira, Nova York, 12/5/1966) na noite de sexta-feira, no Teatro Paiol: Apesar de apenas 15 pessoas na platéia, fez um espetáculo com toda emoção, arrancando aplausos entusiásticos e até o pedido de um bis - que atendeu com a balançante "Drumer Neguinha".
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br