Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Radamés Gnatalli

Radamés Gnatalli

Uma boa orquestra que deu certo. Em Blumenau

Antonio Menezes, hoje o violoncelista brasileiro de maior prestígio mundial, vencedor de concursos em Moscou e Munique, solista da Filarmônica de Berlim, sob regência de Herbert von Karajan e que tem uma agenda preenchida por dois anos - com cachês acima de US$ 5 mil - estará dia 13 de agosto no auditório Bento Munhoz da Rocha Neto. Será o solista da Orquestra de Câmara de Blumenau, dentro de um roteiro patrocinado pela IBM Brasil, que inclui apenas duas outras capitais - Porto Alegre e São Paulo.

Os 80 anos do jovem Radamés

Se Alceu Schwaab, 58 anos, professor por 35 anos da Universidade Federal do Paraná, é há 40 um dos mais apaixonados pesquisadores de nossa MPB, fosse político, por certo teria brigado por que a data de ontem fosse declarada feriado nacional.

O melhor de nossa música para as rádios do mundo

Ao patrocinar a edição de "Caymmi - Som/ Imagem/ Magia" com o livro de Marília T. Barbosa e Vera Alencar em edição bilíngüe e os dois lps com Dorival Caymmi interpretando sua obra, a Fundação Emílio Odebrecht desenvolveu uma importante contribuição para difundir a obra de um dos nossos maiores autores em termos internacionais. Afinal, da edição de 3 mil exemplares, algumas centenas foram enviadas a instituições culturais e jornalistas ligados à música em várias partes do mundo.

Caymmi, som, imagem, magia

"Que são setenta anos, diante da melodia que não conta tempo, não envelhece, enquanto as modas de cantar se sucedem e quase nada de música existe mais do que uma estação? Não há dia seguinte para o cancioneiro de Caymmi. A flor que o vento joga no colo da morena de Itapoã não murchou ainda. Murchará um dia? Não creio. O que está na voz de Caymmi a gente guarda como faz com as coisas de estimação. E ao ouvi-la em casa, na rua, no ar, é sempre a emoção de um bom encontro. Incorporou-se ao patrimônio de arte e coração do Brasil. Ninguém o apaga ou destrói".

As muitas releituras de Villa-Lobos

A perenidade de Heitor Villa-Lobos, cujo centenário de nascimento (Rio de Janeiro, 5 de março de 1887) já começa a merecer programações antecipadas, se faz sentir nas múltiplas revisões de sua obra. Quatro excelentes LPs, cada um à sua maneira, mostram a grandiosidade da música desse compositor falecido há 27 anos (17/11/1959) e que deixou uma obra imensa, perpetuada no Museu com o seu nome - até o ano passado dirigido por sua viúva, dona Mindinha, uma das perdas de 1985.

Nos brindes, os melhores discos

Em qualquer lista criteriosa sobre os melhores lançamentos da música popular ocorridos em 1985, forçosamente vários itens estarão ocupados por produções independentes e, mais especificamente, por alguns brindes patrocinados por empresas e instituições. Cada vez mais voltados a prestigiar a cultura brasileira, os mecenas de nossa arte estão possibilitando realizações de ótimos documentos sonoros.

A voz do violão

O violão teve em 1985 grandes registros fonográficos. Duas excelentes experências de orquestras de violões - a formada pelo virtuose Turibio Santos, com seus alnos da Universidade Federal do Rio de Janeiro ( edição Kuarup) e a revelação da Orquestra de cordas Dedilhadas de Recife, - lançada em Lp no projeto Nelson Ferreira, que trouxe também uma das revelações do ano em termos de violão: Jacaré (expressivo músico pernambucano).

Os 60 concertos de Morozowicz em 1985

O flautista e maestro Norton Morozowicz encerra 1985 com um número recorde de apresentações. Foram mais de 60 concertos, incluindo-se suas apresentações com sinfônicas Brasileira - da qual é primeiro flautista há 20 anos, atuações em duo, trio ou quarteto e, especialmente, como regente da Orquestra de Câmara de Blumenau ( da qual ) e, a convite, com sinfônicas de outros Estados.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br