Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná

O mais notável dos scholars do Paraná

Anualmente, o professor Wilson Martins e sua jovem esposa, Annie, reservam os meses de junho e julho para virem a Curitiba. A presença do casal já faz parte do calendário cultural nestes dois meses e, normalmente, os muitos amigos que eles aqui tem, organizam um festival de encontros e recepções. Há dois anos, a vinda do professor Martins coincidiu com a reedição de seu mais polêmico livro, "Um Brasil Diferente", que, ao ser lançado em 1955, motivou acirrados debates na Biblioteca. Reeditado em 1989, em co-edição com a Secretaria da Cultura do Paraná e a editora T. A.

Túlio, Arnon & Lindolfo Collor

Em seus anos de deputado Federal em Brasília, nos anos 70, Túlio Vargas fez boa amizade com o senador Arnon de Mello (1896-1981). Ele no Senado, Túlio na Câmara, juntos solidificaram uma amizade, que seria mantida até a morte do velho político alagoano. Muitas vezes, quando o senador Arnon e sua esposa, dona Leda, vinham ao Paraná, para repousar na clínica da Lapa, era o casal Túlio-Lílian Vargas que os acompanhavam nestes retiros.

Em lua-de-mel com a vida, Coelho internacionaliza a sua programação

Antes mesmo de passar a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano ao seu colega Luiz Kaykawa, mais um filho de japoneses que Jaime Lerner inclui em seu primeiro escalão, o professor Manoel Coelho, 50 anos a serem comemorados no próximo dia 25, assumia a direção do curso de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal do Paraná, na qual já esteve entre 1985/89. Quinta-feira, num espontâneo jantar oferecido pelos 250 funcionários da Secretaria - e com a presença de convidados especiais - Coelho mereceu os maiores elogios pelo muito que realizou na pasta que ocupou até esta semana.

Pórcia, uma educadora do Paraná (o segredo da eterna juventude)

Se quisesse, a psicóloga Pórcia Guimarães Alves, 72 anos, poderia engordar sua conta bancária com os direitos autorais de um livro tipo "como envelhecer com humor" ou "mantendo a juventude mesmo com a idade". Afinal, poucas pessoas têm, como ela, tanta jovialidade, entusiasmo e gosto pela vida, num permanente otimismo e disposição. Acaba de retornar de uma nova e longa viagem ao Exterior - pela terceira vez esteve em Hong Kong e Bali e já faz planos para novos roteiros em 1991.

A "Curitiba" de Hilton Valente vale um disco

A decisão do experiente compositor e arranjador Roberto Nascimento em se fixar em Curitiba, contratado pela Audisom - um dos bons estúdios da cidade - vai se refletir numa maior opção para as agências de publicidade em busca de bons produtores de jingles e trilhas sonoras. Aos 51 anos, curriculum artístico que indica múltiplas experiências e parcerias ilustres - inclusive com Cartola, um ótimo elepê gravado na antiga Tapecar, Roberto Nascimento foi, nos últimos anos, atuante arranjador e músico na Globo, ali fazendo muitos (e bons) trabalhos.

Marcos se unem para ensinar a produção

O boom do vídeo no Brasil - não apenas (e felizmente) o comercial e idiotizante exploração da locação, com 90% do lixo internacional colocado nas lojas que se multiplicam a cada semana - mas na área da criação amplia-se seguramente. Hoje, com a difusão das filmadoras - que apesar dos preços ao redor de US$ 5 mil - dependendo do nível de sofisticação - começam a chegar a milhares de pessoas, nasce a necessidade de se oferecer orientação básica para se formar videastas.

Os Intocáveis, a estréia cuidada de um novo grupo

Dando um exemplo de organização e profissionalismo,o mais novo grupo musical da cidade começa com o pé direito: a temporada de "Sujeito a Guincho" (Teatro Paiol, 12 a 14 de novembro, 21 horas) destaca-se entre tantas apresentações de conjuntos locais pelo nível de organização de seus integrantes, cuidados da produção, marketing inteligente e, sobretudo, a garra do grupo Intocáveis em apresentar um espetáculo capaz de colocá-los, já nesta sua apresentação oficial, entre os grupos musicais em condições de se projetarem.

Meister, o homem do Teatro Guaíra

O Teatro Guaíra estaria hoje na Praça Ruy Barbosa se o governador Bento Munhoz da Rocha Neto não tivesse, em 1951, logo após sua posse, revisto o projeto e decidido que "em nome da cultura não se pode tirar uma praça da cidade". Se hoje, voltasse a Curitiba, o inesquecível estadista talvez até se arrependesse, tal a condição de mercado persa que a antiga praça foi transformada - hoje poluída como terminal rodoviário e um verdadeiro camelôdromo da cidade.

No campo de batalha

"São Paulo, SP", o decepcionante documentário rodado pelo holandês Oliver Konig na capital paulista, exibido no último dia 8, trouxe duas referências a Curitiba: a menção ao aeroporto Afonso Pena no início e, ao final, o nome de Bebete (Elisabeth Gurgel do Amaral, como consultora de textos). Formada em jornalismo, poeta ("Coisas"), autora de uma pesquisa sobre Maria Bueno, Bebete morou durante cinco anos em Amsterdan. Para alegria de seus pais, Telinha (Maria Stela) e Luís Amaral Gurgel, está retornando agora ao Brasil. xxx

O pensamento vivo do mestre Rubens

Filho de alemães e suíços, poliglota, engenheiro há 42 anos e por 31 anos professor dos cursos de engenharia e arquitetura da Universidade Federal do Paraná, Rubens Meister é um profissional independente, sem papas na língua e que, com a dignidade que uma carreira brilhante lhe concede pode externar opiniões seguras sobre a profissão, o ensino e as falhas que vê na formação do arquiteto.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br