Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Roberto Requião

Roberto Requião

Por que fechar o cinema popular?

Por que a Fundação Cultural de Curitiba quer o fechamento do cine Rui Barbosa? Eis uma boa pergunta para algum vereador mais consciente fazer ao prefeito Roberto Requião ou, mais especificamente, ao seu bem protegido secretário da Cultura e presidente da Fundação Cultural, Carlos Frederico Marés de Souza.

No campo de batalha

Enquanto nem o Sindicato dos Radialistas, nem as emissoras de Curitiba nas quais Azor Silva deu sua grande contribuição profissional, lembraram-se até agora de homenageá-lo, uma modesta Escola de Samba - a Zebra no Batuk - criou o troféu Azor Silva, entregue na noite de sexta-feira, 6, ao autor do vencedor do samba-de-enredo com o qual a Escola sairá este ano. Azor Silva morreu no dia 12 de janeiro último. xxx

Planejamento regional com muita politicagem

Neste final de semana deve sair o pacotão das modificações no primeiro e segundo escalões da Prefeitura de Curitiba. Substituições em seis a sete secretarias e, possivelmente, em cinco das nove administrações regionais. O prefeito Roberto Requião, 47 anos, olho atento no termômetro político e no calendário eleitoral, concluiu que já tendo usado o primeiro de seus três anos de mandato, sabe que não dá para brincar em serviço e que, acima dos compromissos partidários e mesmo amizades pessoais, existe o fator rendimento.

O rumo americano da família Lerner

O arquiteto Jaime Lerner, a esposa Fani e as filhas Ilana e Andrea, já estão arrumando as malas para dois meses de permanência em Berkeley, Califórnia. Pela segunda vez, Jaime será professor visitante de uma das mais famosas universidades americanas. Fará conferências e debates sobre aquilo que mais curte entende: planejamento urbano. xxx Há sete anos, Jaime Lerner estava também em Berkeley, como professor visitante, quando foi despertado, numa madrugada, por um telefonema internacional. De Curitiba, o então recém-eleito governador Ney Braga, perguntava:

De como transformar um tapume em obra-de-arte

Há quase 15 anos, Ivens de Jesus Fontoura, artista plástico, pintor, programador visual. coordenou a execução do primeiro grande painel numa rua de Curitiba. Foi na Visconde de Nacar, transformando um paredão num artistico espaço, que, graças à administração Jaime Lerner, serviu de exemplo para outros projetos semelhantes. Hoje o espaço ainda existe - mas recoberto de cartazes e péssimos anúncios publicitários. Quando, poderia ter sido reciclado para um novo painel. Só que o prefeito Roberto Requião não tem esse tipo de preocupação para com as coisas da cidade. xxx

Carbonar, o nosso homem em Assunção

O abacaxi que nasceu com a questão do convite ou não ao presidente Alfredo Stroessner, do Paraguai, para a posse do governador eleito Álvaro Dias, terá alguns espinhos também nas mãos de outro paranaense, chegado há apenas duas semanas em Assunção. É que o novo embaixador do Brasil naquele país é o curitibano Orlando Soares Carbonar, 55 anos, um dos primeiros paranaenses a fazer carreira diplomática e chegar ao ponto de embaixador. xxx

Da gralha aos solitários nos clubes da "Mouraria"

A cassação do alvará do Club Um, na Avenida Mateus Leme, não agradou apenas as plácidas irmãs da Ordem do Espírito Santo e aos demais vizinhos daquele "antro de perdição", segundo as opiniões mais radicais. Pelo menos meia dúzia de especuladores imobiliários já estão de olho no magnífico terreno que o Clube Um vinha ocupando, numa das áreas mais valorizadas da cidade. xxx

Quem se lembra dos velhos constituintes de 34 e 47?

Quem se lembra de Aldo Laval, Cosntituinte em 1947 e um dos nove únicos sobreviventes daquela Legislatura? Pois, aos 82 anos, Laval continua firme e vigoroso e, dia destes, foi a redação da revista "Panorama", para contar aos jornalistas Luís Fernando Sá, 22 anos, um pouco da Assembléia Legislativa que funcionava, há 40 anos passados, onde hoje está a Câmara Municipal.

No campo de batalha

O prefeito Roberto Requião convoca amanhã a imprensa para anunciar muitas novidades. Duas delas aqui vão antecipadas. A Prefeitura vai desapropriar "o último bosque no centro da cidade" - nas palavras do próprio alcaide - que é a propriedade de um alqueire, da família Gomm, entre a avenida Batel e a Rua Dom Pedro II, para ali preservar o verde e fazer o "Parque D. Luísa Gomm".
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br