Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS René Ariel Dotti

René Ariel Dotti

Carmem, a princesa etíope da MPB

Não foi sem motivos que Carmem Costa (Carmelita Madriaga Trajano de Moraes, Rio de Janeiro, 5 de janeiro de 1920) fez questão de vir a Curitiba para buscar o apoio oficial em sua nova cruzada, iniciada ainda em fins de 1989, no sentido de ser a primeira artista a merecer o tombamento em vida.

Palmas é nossa mas o nome era sem o 's'

A discussão em torno da escolha do nome de Palmas para a futura capital do Estado de Tocantins pode propiciar debates que extrapolem as questões jurídicas que o secretário René Dotti, da Cultura, levantou em um irado documento encaminhado ao governador Álvaro Dias para ser levado a várias entrâncias. Afinal, pode-se até discutir as origens do nome do município paranaense.

A invasão paranaense que colonizou o Sul

Se a questão do nome de Palmas seria inspirado nos coqueiros butiás da região ou uma homenagem ao Conde de Palma, o capitão-general-governador da Capitania de São Paulo em 1816, dom Francisco de Mascarenhas, é apenas um pequeno detalhe na dissertação de mestrado da professora Roselys Velloso Roderjan. O corpo de seu trabalho traz idéias bem mais profundas - que justificam, plenamente que a mesma ganhe edição o mais rapidamente possível.

De Bonna ganha o álbum que sua arte merecia

Se a vida editorial no Paraná continua ainda fraca, longe da pujança de um Rio Grande do Sul, por exemplo - algumas luzes se acenderam no túnel cultural. Por exemplo, a editora Scientia et Labor, da Universidade Federal do Paraná, transformou-se de sonho em realidade - conforme registramos em outro texto desta mesma coluna. E na área de livros de arte, temos algumas publicações dignificantes, sem contar que desde que a Casa de Idéias encontre apoio, o talento do Mirandinha ajudará a fazer com que publicações do mais alto nível ganhem forma neste ano.

A Ilha do Mel nas imagens coloridas de Helmuth Wagner

No prelo em fins de 1989 - ano referência nas fichas catalográficas - os primeiros dois livros paranaenses a terem lançamento neste início de 1990 serão "Ruas e Histórias de Curitiba" de Valério Hoerner Jr. (dia 8, livraria Ypê Amarelo) e "Ilha do Mel", álbum de fotografias de Helmuth Wagner (em março, data ainda não marcada). A julgar por estes dois primeiros trabalhos, este início de década parece que será promissor para o campo editorial: o livro de Hoerner Jr.

No campo de batalha

Com exceção de "A História do Futebol Paranaense", de Helenico (Francisco Cardoso), bem intencionada mas, naturalmente, incompleta visão geral do esporte no Paraná, é pobríssima a bibliografia especializada. Portanto, meritório o trabalho que Heriberto Ivan Machado, 38 anos, paranaense de Santo Antônio do Sudoeste, há 10 em Curitiba, professor de Inglês e Literatura do Colégio Bento Munhoz, vem fazendo há anos: um completo estudo sobre o Clube Atlético Paranaense, do qual é torcedor desde 1966 e atualmente seu diretor do Patrimônio Histórico. xxx

Nicolau: os "rebeldes" também falam

Todo o respeito por vossas opiniões! Mas pequenas ações divergentes valem mais. Nietzsche Em resposta à carta do Secretário da Cultura do Paraná, Sr. René Ariel Dotti (publicada no "Almanaque" de O Estado do Paraná em 29 de setembro de 1989), a respeito do afastamento da equipe do periódico "Nicolau", temos alguns esclarecimentos a fazer.

Rebelião da equipe não interromperá "Nicolau"

Mais ampla que a crise provocada pela rebeldia da equipe que produzia o jornal "Nicolau" em não aceitar a criação de um conselho editorial designado pelo secretário René Ariel Dotti, levanta-se uma questão: até que ponto deve o Estado assumir a produção de publicações regulares voltadas exclusivamente à cultura?

René conta porque criou o Conselho

Datada de 26 de setembro, o secretário René Dotti, da Cultura, nos encaminhou a seguinte carta, esclarecendo questões relacionadas a publicação "Nicolau": "Prezado amigo Aramis: Conforme você já noticiou, a partir do mês de setembro, inclusive, o "Nicolau" passa a ser publicado sob a orientação de um Conselho Editorial integrado por profissionais de comprovada qualificação técnica e notável sensibilidade cultural.

Agora, enfim, a cultura popular

O Conselho Editorial do jornal "Nicolau" foi criado pelo secretário René Dotti, através da resolução nº 90/89, de 1º de setembro de 1989, publicada no "Diário Oficial do Estado" em 12/09/89, conforme aqui publicamos.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br