Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Paulo Wendt

Paulo Wendt

Artigo em 07.04.1992

Somente hoje (21 horas, auditório Antonio Carlos Kraide do Centro Cultural do Portão) a oportunidade de quem aprecia violão assistir um dos mais criativos virtuoses deste instrumento: Alemão (Olmir Stocker), 55 anos, gaúcho, que tem uma longa quilometragem musical, divide com seu discípulo, Zezo (Antonio Sergio Ribeiro), uma apresentação - encerrando o workshop que fará à tarde para um grupo de violinistas da cidade. xxx

No campo de batalha

Duas correções em relação ao comentário publicado ontem sobre o início do projeto "Clássicos em Vídeo Laser", patrocinado pelo Banco Real e que será aberto com a ópera "Tosca", de Puccini, com Placido Domingo. Será no dia 7, terça-feira, 18h20 - e não domingo, 5. A boite Marrocos, de Paulo Wendt - que emprestou a vinda de companhias de óperas e operetas em Curitiba, no início dos anos 60, (apresentado no Guairão, então em obras) funcionava num sobrado da Rua Dr. Murici/esquina com o início da Marechal Deodoro, ao lado da Praça Zacarias - e não Carlos Gomes. xxx

Plácido Domingo graças ao Banco Real estará no Paiol

Quando Paulo Wendt (1914-1967), nome que ficou dentro da vida noturna de Curitiba como dono de uma rede de boites e restaurantes a partir da Marrocos, na Praça Carlos Gomes (*), [preocupado] em melhorar sua imagem atingida por acusações de favorecer o lenocínio classe "a" decidiu não apenas restringir as suas sofisticadas casas noturnas (que incluíam além da "Marrocos", "Tropical", "Cadiz" durante algum tempo e outros) os bons shows que bancava na Curitiba dos [anos] 50 (**), não teve dúvidas: investiu alguns milhões para uma tempestade de óperas e operetas, com nomes nacionais, que po

Raulzinho do trombone, das noites curitibanas, chega agora em vídeo

No final dos anos 50, a Escola de Oficiais e Especialistas e Guardas do Ministério da Aeronáutica, no Bacacheri, teve um comandante que era um apaixonado pela música das big-bands americanas. Ao assumir o comando da unidade e ali encontrando uma banda de música que se limitava a um repertório naturalmente "oficial", o brigadeiro não teve dúvidas: decidiu que a mesma deveria ter uma melhoria artística.

Noite curitibana não promove nossa música

Ao contrário do que ocorre em outras capitais - sem falar no eixo Rio-SãoPaulo, mas lembrando Porto Alegre como um bom exemplo, a vida noturna de Curitiba é anônima em sua gente.

Na Cabral, o triângulo em que se perdiam de amores

"Um grande destaque na noite curitibana foi o chamado Triângulos das Bermudas onde, literalmente, desapareciam maridos e noivos a exemplo do que acontecia naquele trecho geográfico que se notabilizou pelo sumiço de aviões e de navios. Por ali funcionava, também além do bar Stuart, o Graceful da Elvira, ponto de muito faturamento garantido pelas belas mulheres que se renovavam no calendário noturno. Era gerenciado pelo Vitório, alto, forte, de modos rudes escondendo grande bondade, tendo como maitre Luizinho e Pinguim (*) como atencioso porteiro.

A grande noite da Curitiba dos anos 60

No patamar da escadaria que conduzia à Marrocos, no primeiro andar do sobrado na Rua Marechal Deodoro, n.º 5, esquina com a Praça Zacarias, o então jovem jornalista Enock de Lima Pereira cumprimenta afetivamente o velho porteiro e diz: - "Cachimbo", amigo! Gostaria um dia, de ter a verve de Rubem Braga para lhe dedicar a crônica que você merece.

Marrocos, Moulin Rouge, Cadiz, Manhattan, os doces endereços!

A edição de "A Grande Noite"- futuro lançamento da coleção "Leite quente" - poderia incluir um nostálgico mapa da memória boêmia da Curitiba dos anos 50 e 60.

A noite em que João Gilberto cantou em Curitiba (II Parte)

Como foi o fim da noite e a despedida de João Gilberto na única vez em que esteve em Curitiba? Eis uma parte que não detalhamos na crônica publicada domingo, 8, no suplemento "Almanaque", dedicado à Bossa Nova, motivada pelo boom nostálgico ao qual "Chega de Saudade - A História e as Histórias da Bossa Nova", de Ruy Castro (Companhia de Letras, 464 páginas), trouxe galões de combustível.

As jam sessions para o búfalo do Passeio

Raulzinho - Raul de Souza - constantemente confundido com o veterano Raul de Barros (Rio de Janeiro, 25/11/1915), carioca de Bangu, é daqueles músicos que comporta um perfil digno de figurar no Down Beat. Em quatro décadas de atividades artísticas reuniu um folclore em torno de sua pessoa que o faz personagem de estórias deliciosas - desde os tempos em que, sargento-músico da (excelente, na época) Banda de Música da Escola de Oficiais Especialistas e Guardas, onde entrou em 1958, passava semanas no xadrez por seus constantes atrasos.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br